Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Correr na Cidade

Como proceder nos "encontros imediatos" com cães

30.11.18 | Tiago Portugal

dog-running-3x2.jpg

Seja com sol, vento, frio, chuva, estrada ou nos trilhos gosto de correr em qualquer ambiente. Tenho já alguns quilómetros “nas pernas” e poucas coisas me incomodam, mas há algo que só de pensar me dá arrepios na espinha.

 

Querem saber o que é? – Estar tranquilo a correr e de repente ver um, ou vários, cães soltos. O meu coração começa logo a acelerar e nunca sei bem o que fazer. Basta estar a correr sozinho e ouvi-los ladrar ao longe. Os meus instintos de sobrevivência disparam logo. Acontece-vos o mesmo?

 

Já tive algumas experiências dessas, tendo inclusive que fugir numa delas. Noutras simplesmente mudei de percurso, sem o cão me ver, ou abrandei o passo até o cão se desinteressar ou o dono aparecer.

 

Não é um encontro agradável e não pensem que não gosto de animais, aliás adoro cães. Mas corrida e cães estranhos, sejam pequenos ou grandes, simplesmente não combinam.

 

São cada vez mais, e bem, os corredores que levam os seus cães enquanto fazem desporto, e Sintra é um lugar fantástico para os animais correrem e se divertirem. No entanto a maioria destes anda sem trela e dar de caras com um cão que não conhecemos e de repente ouvir ao longe “ele não morde” ou “só quer brincadeira” apesar de reconfortante não deixa de pôr o coração a mil.    

 

Parar? Encarar de frente? Virar costas e correr? Não ligar e seguir tranquilo? O que se deve fazer se nos encontramos numa situação dessas?

 

Aqui ficam algumas dicas para saber o que fazer nestes encontros imediatos de 3º grau:

  • Permaneça calmo, abrande o passo, caminhe e se for necessário pare;

 

  • Se o cão vier ter consigo o melhor é parar completamente com os braços esticados ou no peito. Dê a mão a cheirar enquanto protege a região média;

 

  • Evite estabelecer contacto visual com o animal, mas mantenha sempre o cão no seu campo de visão. Nunca vire costas ao cão pois pode ser interpretado como sinal de fraqueza;

 

  • Utilize comandos de voz num tom calmo e assertivo;

 

  • Não faça festas na cabeça.

 

Última dica e a que mais utilizo, se vir ou ouvir o cão, mas ele ainda não deu pela sua presença mude de rota.

 

Ainda assim é importante distinguir entre cão ou cães que andam tranquilos a deambular ou a correr ou se pelo contrário são cães que estão a proteger um território ou em matilha, pois normalmente o perigo vem destes.

 

Bons treinos a todos.