Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correr na Cidade

Regresso a Belém, hoje

03.07.14 | Filipe Gil

É hoje, às 20h30m. E vários elementos da crew estarão à vossa espera para correr convosco na Estação Fluvial de Belém, em diferentes ritmos, dos mais apressados aos menos rápidos. Ninguém fica para trás, mas todos vão correr. É garantido!

Ah, para os mais distraídos uma dica: hoje não há jogo de futebol! Portanto, a crew não vê razões (ou serão desculpas?) para ficarem em casa. 

 

Sugestões "cool" para trails

03.07.14 | Filipe Gil

Por Filipe Gil:

 

É isto mesmo, estou "armado" em blogger de moda. Aproveitando a altura de saldos e promoções (esta é uma das melhores alturas do ano para comprar material de running) pensei em sugerir equipamento  adequado a treinos ou competição em trail. Nomeadamente trails de verão até aos 50K (sobretudo pela capacidade de armazenamento de água e barras do cinto que indico). Espero que gostem das sugestões. 

 

 

 

Legenda:

1. Óculos da Polaroid modelo "Youth". Odeio óculos de corrida! O problema é meu até porque deve haver excelentes óculos pensados para os corredores. Mas acho-os tão feios. Estes Polaroid  têm muito mais pinta. Mas é uma questão de estilo, ou de gosto pessoal. O que interessa é usar proteção para os olhos durante as corridas de verão. Preço apróx: 70€

 

2. Singlet da The North Face. "Better Than Naked" é o curioso nome desta linha da marca desportiva californiana. A cor é fantástica e fica bem com quase tudo.Preço apróx: 36€

 

3.Calções Berg Transvulcania. Porque são leves, porque são bonitos e porque o que é nacional é bom. Os produtos da Berg apenas pecam por serem muito pouco divulgados no mercado nacional que é, hoje em dia, ávido de runners com vontade de usar produtos de uma marca portuguesa.Preço apróx:30€

 

4. Cinto de hidratação da Salomon Advanced Skin S-LAB. É leve, perdão, muito leve e ajusta-se à cintura e não faz aquele irritante balanço que outros cintos deste género fazem - isto se o que levarmos ficar bem arrumado, claro está! Em vez de espaço para bidões de água, há espaço para os soft flasky da Salomon, aquelas garrafinhas de plástico que cada vez vemos mais a ser usadas pelos trail runners. preço apróx:60€

 

5. Meias para trail da Compressport. Fazem a diferença em corridas a partir dos 18K, sobretudo em trail. São as tais meias com que fazemos umas boas dezenas de quilómetros sem pensarmos nelas e sem deixarem mimos em forma de bolhas no final das provas. Não é isso que queremos de umas meias? preço apróx:15€

 

6.Salomon Sense Pro. A marca diz que é para City Trail, mas este produto desenvolvido pela marca francesa enganam. Servem para trail na cidade mas serve, e bem, para correr nos trilhos (especialmente no verão) até os 50K. Pelo menos é o que dizem os especialistas com quem falámos: Preço apróx:117€

 

Podem encontrar estes produtos em vários retalhistas, seja no nosso parceiro run.pt ou os nossos amigos da Pro Runner ou as lojas Pro Runner.Apenas não aconselhamos a comprarem estes ou outros produtos em sites internacionais que não sejam conhecidos e recomendados por amigos. São escolhas pessoais de um dos co-autores do blog e não existem quaisquer parcerias comerciais a vingar neste post.

 

Boas compras e boas corridas.

 

Documentário "On The Road"

02.07.14 | Filipe Gil

Por Filipe Gil:

 

Já aqui escrevi várias vezes que nutro admiração por uma série de trail runners, ou ultra runners, como preferirem, como os "nossos" Carlos Sá e Armando Teixeira ou o norte-americano Anton Kupricka e ainda o canadiano Rob Krar (em breve irei escrever sobre ele). Mas o meu preferido é mesmo Rickey Gates, o norte americano da equipa da Salomon não só é um excelente atleta mas é também um excelente escritor e fotógrafo. Para além de ser um aventureiro deste século. É capaz de não ser o melhor dos atletas, como Kilian Jonet ou a Emilie Frosberg, mas é um corredor com muito carisma. Tanto como o seu proeminente bigode. 

 

Depois de alguns meses de espera, a Salomon TV publicou o documentário "On The Road" sobre a viagem (e um pouco sobre a vida) de Rickey Gates desde a sua terra natal, Boulder, no Colorado, à cidade costeira de São Francisco, onde o atleta vive actualmente. São 18 minutos de prazer com imagens fantásticas e um testemunho inspirador. Aqui fica o documentário:

 

Review: ASICS Gel - Pulse 5

02.07.14 | Bo Irik

 

 

Por Bo Irik:

 

Os meus ASICS Pulse 5, desenhados para corredores neutros, já levam uns belos kms, muitos mais do que esperava correr com eles inicialmente. A primeira impressão foi: “Parece que estou a andar de saltos altos!”, pois já me tinha habituado a ténis mais minimalistas como os Skechers e Salming (com um drop de apenas 5mm) e estranhei muito de início (tal como podem ler aqui).

 

Habituei-me rapidamente ao que parecia ser um excesso de peso e amortecimento pelo que acabei sempre por preferir os Pulse em treinos onde sabia que o piso iria ser mais irregular. Assim, nos treinos de trilhos urbanos, de Subidinhas e Escadinhas (do João Campos) e até nos trilhos mais “light” em Monsanto sempre optei pelos Pulse que se têm demonstrado muito bons para este tipo de piso. Em treinos e corridas em piso 100% alcatroado ou pista, para mim os Pulse são demasiado pesados e prefiro usar ténis mais minimalistas.

 

Embora estas sapatilhas sejam consideradas “Training Shoes”, também as usei em prova. Na verdade a primeira oportunidade de usar os ténis foi na Scalabis Night Race, onde se comportaram bem, num piso misto entre calçada portuguesa e alcatrão. Acho que, apesar de serem relativamente pesados, seriam a minha escolha em provas que envolvam calçada portuguesa, onde se agarram bem (costumo fazer provas de 10K pouco abaixo dos 50min).

No treino Correr e Ler com o Luís e a Patrícia | No treino do "Gang das Quartas" com a Rute (foto por Marco Borges)

 

Segue a minha apreciação final, sem entrar em grandes especificidades técnicas (que podem ser detalhadamente consultadas aqui). 

 

Pontos positivos:

# Conforto; os meus pés sentiam-se bem aconchegados no sapato – nada de bolhas;

# Bastante espaço para os dedos do pé (também na largura);

# São indicados para a calçada portuguesa, ou seja, ótimos companheiros em City Trail;

# Gosto do formato dos cordões, são fáceis de atar e a sua dimensão permite usar bem os furos adicionais para permitir ainda maior conforto;

# Preço; são dos ténis com melhor relação qualidade / preço da ASICS.

 

Pontos negativos:

# Peso e excesso de drop, na minha opinião;

# Design; embora goste da cor, os detalhes a laca, para mim, são demasiado girly!

# A língua é um  pouco espessa e grande;

# Apesar de o número ser o mais indicado para mim, o aspeto deles no pé não é muito elegante. 

 

 

Em poucas palavras: gosto. Tenho escolhido usar estes ténis com uma maior frequência daquilo que esperava inicialmente. Acho que são muito indicados para quem necessita de mais amortecimento e gosta de ter os pezinhos aconchegados. Feita esta review final, é certo que continuarei a usá-los em treinos e corridas que envolvam um piso mais irregular e distâncias maiores.

 

Obrigada à ASICS e aos nossos leitores: boas corridas e até breve!

No treino do "Gang das Quartas" (foto por Marco Borges)

Review: Palmilhas FootBalance

01.07.14 | Filipe Gil

 

Por João Filipe Figueiredo:

Quando pegas numa caneta e escreves qualquer coisa, o resultado é único: a tua caligrafia. Não é por acaso que os documentos mais importantes que te ligam à sociedade onde vives, têm a tua assinatura. O que fazes com as tuas mãos denuncia-te, identifica-te e é único. O mesmo se passa com os teus pés.

 

O teu passo, a andar ou a correr, é único. A tua passada, a forma como distribuis o teu peso na planta dos pés, o teu impacto no chão, o ângulo de inclinação das pernas, são características tuas, únicas e inimitáveis.

 

Há uns anos atrás, quando decidias comprar umas sapatilhas tinhas apenas uma opção personalizável: o tamanho do ténis para coincidir com o tamanho dos teus pés. Actualmente já existem no mercado modelos para os vários tipos de passada: pronadora, neutra ou supinadora. Cada modelo é produzido em série, em larga escala e seguindo um padrão. Mas para chegares à tua “sapatilha perfeita” terás de submeter os teus pés a inúmeras experiências – algumas das quais muito dolorosas. Para te ajudar a chegar ao “estado perfeito” de conforto e ausência de lesões surgiu algo inovador, no vasto e “infinito” mundo do calçado desportivo.

 

Desde o mês de Junho de 2014, e através da 4moove, temos no mercado Português as palmilhas personalizáveis da FootBalance, que podem ser usadas para fins desportivos ou simplesmente para andar, em qualquer tipo de calçado.

 

A Crew “Correr Na Cidade” convidou-me a experimentar estas palmilhas.

 

Primeira fase: a moldagem;

Segunda fase: usá-las em corrida;

 

Aqui fica o meu testemunho:

 

Moldagem das Palmilhas FootBalance:

Fui à Sport Zone do Centro Comercial Colombo e dirigi-me à área FootBalance, já lá estava o Diogo Roquette Osório da 4moove que é o representante no nosso país da marca Finlandesa: a FootBalance, empresa esta que criou estas palmilhas, em parceria com médicos e fisioterapeutas.

 

No meu caso foi o Diogo que moldou as minhas palmilhas, mas alguns colaboradores da Sport Zone tiveram formação específica neste processo, por isso basta vocês dirigirem-se ao pessoal da Sport Zone que eles depois tratam de vocês.

 

O processo inicia-se com o aquecimento das palmilhas e, enquanto estas estão no “forno” eu tenho de fazer uma serie de testes para analisar a minha postura: formato do pé, distribuição do peso, ângulo de inclinação da perna – parece complicado, mas não é. O equipamento computorizado da FootBalance que faz toda esta análise é bastante simples e temos á nossa frente um ecrã que nos vai mostrando todos os resultados da analise: pressões plantares, alinhamento dos pés/tornozelos em diferentes posições e qual o melhor apoio à arcada plantar para o nosso caso.

 

Depois subimos para umas almofadas e colocamos os nossos pés em cima das palmilhas quentinhas e é assim que estas são moldadas, com muita precisão, aos nossos pés. As palmilhas depois de moldadas ficam permanentemente com essa forma, não há risco de se deformarem mais – a não ser que as submetam a elevadas temperaturas.

 

O processo de moldagem dura no máximo 10 minutos. Depois de feitas as palmilhas eu estava ansioso por testá-las.

 

Teste em corrida das palmilhas FootBalance:

Algumas horas depois de moldar as palmilhas, fui experimentá-las.

Coloquei-as numas sapatilhas de passada neutra – as palmilhas FootBalance podem ser colocadas em qualquer tipo de calçado – e fiz-me à estrada.

 

A primeira impressão e ainda a caminhar apenas, foi de sentir um apoio, em toda a arcada plantar, sem ser incomodativo. Depois comecei a correr e tentei esquecer-me que tinha as palmilhas debaixo dos pés. Fiz 11,5km em estrada: com zonas planas, subidas e descidas – algo acentuadas. No fim e quando estava a chegar a casa não senti os pés doridos, não tinha nenhuma bolha nem tinha qualquer ferida. Mesmo depois do duche e de algum tempo sentado, quando voltei a andar não senti qualquer fadiga nos pés.

 

No dia seguinte fui para a zona ribeirinha junto ao Tejo e “estiquei a corda” para uma meia maratona em modo de treino. Nos primeiros 10,5km puxei pelas pernas, pelos pés e pelas palmilhas. Não senti nada de especial. Não senti fadiga nos pés, nem nos tornozelos. Arrisquei atirar os pés para as arestas dos pequenos degraus que encontrava pelo caminho e não senti nenhuma dor na planta do pé – as palmilhas Footbalance têm no meio (midfoot strike) um plástico com uma maior dureza do que no resto da sapatilha. Os segundos 10,5km foram corridos mais lentamente, tentei saborear as passadas nos diversos tipos de terreno: na relva, na gravilha e na calçada portuguesa mais irregular possível.

 

No fim dos 21km senti as dores normais do corpo e senti algo curioso. Sentei-me durante cinco minutos, descalcei-me e confirmei que as palmilhas mantinham a sua integridade, retirei-as das sapatilhas e vi que não tinham qualquer dano, apresentavam as mesmas curvaturas com que tinham saído da loja. Voltei a calçar-me e senti aquela dor característica nos pés de quem acaba de fazer 21kms: os músculos duros, tensos e a resistirem aos movimentos. Mas, e aqui é que reside a curiosidade, dei alguns passos e senti rapidamente o efeito regenerador das palmilhas. Dei umas voltas apenas a andar, e o efeito foi mágico. Os pés desentorpeceram rapidamente e as dores desapareceram, foi incrível!

 

No 3º dia de testes fiz 11,5km, mas agora com mais velocidade. Durante a corrida esqueçi-me das palmilhas e concentrei-me apenas em correr. Só me lembrei das palmilhas no fim do treino, quando supostamente os pés deviam estar cansados e a sentir dores. O efeito das palmilhas sente-se nesta altura: os meus pés estavam impecáveis e não senti qualquer incómodo na arcada plantar ou nos tornozelos.

No 4º dia de testes voltei aos 11.5km, mas agora numas sapatilhas mais minimalistas. O resultado foi ainda melhor do que no dia anterior.

 

Depois de correr 55.5km com as palmilhas Footbalance o meu veredicto é que os objectivos principais de proporcionar Conforto e Prevenir Lesões, são atingidos.

 

Usar estas palmilhas ajudam-me, realmente, a correr melhor. Sem dores nos pés, nas pernas, nos joelhos e nas costas. O facto de se moldarem às nossas características únicas, corrigindo as imperfeições e potenciando as qualidades, faz destas palmilhas um produto, na minha opinião, bastante bom.

 

Nota final: Queria agradecer  à crew “Correr Na Cidade” por me proporcionarem este desafio de testar as palmilhas FootBalance e de fazer esta review. Tive total liberdade para a escrever, tanto na forma como no seu conteúdo. Foi uma experiência nova para mim e gostei bastante. Muito obrigado.

 

 

      

 

  

Merrell apoia Treino Just Girls em trilhos

01.07.14 | Filipe Gil

E temos o gosto de informar que a marca Merrell, conhecida não só pelo calçado lifestyle mas também, e sobretudo nos EUA, pela forte aposta no trail running, vai apoiar o treino de trilhos das Just Girls, que irá ocorrer no próximo sábado dia 12 de julho, no Jamor.

 

As meninas do Correr na Cidade vão, durante este treino, experimentar os modelos de sapatilhas de trail running desta marca, e poderão partilhar com as participantes o que acham dos modelos que estão a testar. 

 

Recordamos que as inscrições, gratuitas, para o treino Just Girls abrem esta sexta-feira, dia 4 de julho, pelas 13h. Fiquem atentas.

Pág. 11/11