Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correr na Cidade

Miguel Reis e Silva 26º no Campeonato do Mundo de Skyrunning

30.06.14 | Filipe Gil

Já o tínhamos dito na nossa página de facebook, mas nunca é por demais relembrar este feito do atleta Miguel Reis e Silva: 26º classificado no Campeonato do Mundo de Skyrunning que decorreu ontem, domingo, em Chamonix.

 

Na Mont-Blanc Marathon, de 42 km e com 4396m de desnível acumulado, Miguel Reis e Silva  completou a prova em 03:47h, 23 minutos depois do vencedor Kilian Jornet.  

 

De acordo com comunicado da Salomon: "Numa prova chuvosa, com frio e vento intenso nos picos, e onde a organização teve de mudar a meta até ao centro de Chamonix devido às fortes rajadas de vento que se fizeram sentir, Miguel não se deixou intimidar pelo mau tempo e foi conseguindo ganhar lugares ao longo da prova, quebrando apenas na última subida para La Flegere, por não ter calculado bem o seu aporte energético, altura em que perdeu vários lugares. Apesar disso o atleta português sente-se feliz pelo lugar que alcançou, e provou a si próprio que pode chegar mais longe2.

 

De salientar que a próxima prova do atleta do atleta da equipa Salomon Suunto Portugal,  será a 20 de julho em Itália nas Dolomites Sky Race, uma prova que faz parte das Skyrunner World Series .

 

Kilian Jornet não só se sagrou campeão do mundo em Maratona, como também no Kilómetro Vertical, e provou uma vez mais porque é uma lenda dos desportos de montanha. O pódio da maratona ficou completo com Michel Llane e Tom Owens, também eles atletas da Salomon Internacional.

 

Mais classificações em: http://mbm.livetrail.net/classement.php

12 de julho as Just Girls correm no Jamor!

30.06.14 | Filipe Gil

 

Tal como havíamos anunciado já há algumas semanas, o próximo treino Just Girls será uma espécie de" introdução" ao trail running. Coisa leve mas que poderá ser muito interessante para quem nunca experimentou esta vertente da corrida - e que raramente alguém não gosta.

 

Tínhamos também anunciado que seria em Monsanto, mas, por motivos logísticos iremos fazer esta primeira incursão do Just Girls nos trilhos no Jamor. Mais concretamente na Mata do Jamor.

 

Iremos dividir em três grupos: caminhada e corrida de 5K e de 10K. Todos eles acompanhados por elementos da running crew e de alguns convidados.Estamos a preparar os trilhos que em breve iremos revelar.

 

Ah, é verdade, e as inscrições? Abrem na próxima sexta-feira dia 4 de julho, pelas 13h para o máximo de 70 participantes através de um link que iremos publicar aqui no blog e no facebook. Fiquem atentas!

 

Data: 12 de julho, sábado
Hora: 9h (arranque às 9h30m)
Local: Jamor (Mata do Jamor)
Ponto de encontro: Parque de Estacionamento do Jamor, junto ao café da canoagem.

 

Le's trail!

Review: ASICS Gel - Kayano 20

29.06.14 | Filipe Gil

Por Ana Morais Guerra:

 

E já se passaram mais de 120 km desde que comecei a experimentar estes ténis e, até agora, têm estado a cumprir as expectativas que tinha em relação aos mesmos.

 

A sensação de estabilidade que proporcionam ajudam-me a encontrar um ponto de equilíbrio durante a corrida e comportam-se muito bem em terrenos mais acidentados. Continuo a gostar de os usar desde que os calcei a primeira vez.

 

Uma das coisas que mais gostei neste novo modelo da Asics foram as cores: mais alegres e arrojadas causam logo impacto a quem dá de caras com estes ténis. Pessoalmente, gosto muito desta mistura entre o azul e o amarelo.

 

Este novo modelo surge na altura em que a Asics celebra o 20º aniversário da linha Gel - Kayano. E este novo modelo trouxe algumas novidades da marca de forma a proporcionar uma melhor experiência de corrida. No que toca às características deste modelo, a marca destaca algumas que fazem a diferença entre este e o anterior:

 

Dynamic Duomax – produto com duas vezes mais densidade, promove mais estabilidade na pisada durante o treino ou prova.

Fluid Fit – melhora o ajuste do pé ao calçado, evitando a formação de bolhas e outras pequenas feridas.

Fluid Ride – produto de composição molecular exclusiva da Asics, localizado entre o gel e o cabedal, que promove mais amortecimento ao corredor.

Guidance Line – linhas localizadas na sola dos ténis que ajustam a pisada do corredor de forma a reduzirem a fadiga durante a prova.

 

Passando à minha experiência pessoal com estes ténis, tal como disse anteriormente, gosto! Tenho alguma dificuldade em encontrar pontos negativos para dizer sobre eles. Mas, passados estes (poucos) quilómetros, posso dizer que o principal ponto negativo que encontro é o facto de começar a achar que são um pouco pesados. Apesar da marca anunciar 315 gr (o peso depende da numeração do calçado), começo a sentir um certo peso nos pés quando os calço.

 

Posto isto, aqui deixo a minha apreciação global (não técnica) deste modelo.

 

Pontos positivos:

- Design arrojado e actual

- Conforto e estabilidade

- Bom amortecimento na sola

- Material respirável (boa ventilação)

- Bom ajuste do pé ao calçado

 

Pontos negativos:

- Peso

- Preço

 

Como remate final desta minha opinião sobre os Asics Gel Kayano 20 posso dizer que vou continuar a correr com eles em provas “oficiais” e aguardo com algum anseio a vinda do próximo modelo dos Kayano.

 

Boas corridas!

 

 

 

Correr na cidade e ajudar

29.06.14 | Filipe Gil

Realiza-se no próximo dia 6 de julho os 10K da Unicef Sport Zone, uma corrida nova de 10K (e caminhada de 3K) que se irá realizar em Lisboa e em que todo o valor angariado será revertido para a Unicef. 

A prova é organizada pela Sport Zone, pela Unicef, pela UpPartner com o apoio da Puma.
Os dorsais custam 14€ para os 10K e 9€ para os 3K. 

Para mais informações, por favor consultar o site da prova.

Experimentar as palmilhas Footbalance

28.06.14 | Filipe Gil

Há umas semanas atrás a marca Footbalance convidou-nos para fazer um modelo de palmilhas à medida para um dos corredores do Correr na Cidade. Falamos entre nós e decidimos "oferecer" essa oportunidade a um dos nossos leitores, o João Figueiredo, que simpaticamente nos segue e frequentemente corre connosco. É uma das formas que escolhemos de agradecer a que nos lê e raramente falha a um dos nossos treinos (já o tínhamos feito antes e iremos continuar a fazer).

Estas imagens (pedimos desculpa pela fraca qualidade de algumas) são da experiência do João que foi recebido na loja da Sport Zone do CC. Colombo para fazer as suas palmilhas personalizadas. O João ficou de nos escrever sobre as suas novas palmilhas Footbalance. Na próxima semana teremos o seu relato. 

Race Report: A aventura de Trail pela Serra da Lousã

28.06.14 | Filipe Gil

Por Ana Morais Guerra:

 

Trail? O que é isso? – era o que as pessoas me perguntavam cada vez que eu falava na minha nova aventura. E lá eu tentava explicar o que era e, depois, os meus amigos exclamavam: - Ahhh! Tu não tens juízo nenhum, pois não? Não!

 

Depois de uma semana cheia de trabalho e em vésperas de ir de férias, consegui fazer uma mala em tempo recorde e lá partimos à aventura cheios de força de vontade. A viagem foi sempre divertida, carregada de anedotas e histórias de aventuras contadas pelos nossos amigos mais experientes. À chegada esperava-nos a mãe do nosso amigo Pedro Tomás Luiz que nos deixou ficar na sua casa e nos prometeu uma bela Chanfana para depois da nossa aventura.

 

Depois de arranjar tudo para o dia seguinte, o sono tardava em chegar devido à ansiedade normal antes duma prova, mas esta não era uma prova qualquer. Só no dia seguinte, assim que acordei, reparei que aquela serra tinha muito para contar. Ao chegarmos ao local de partida/chegada reparámos no imenso alvoroço de malta bem-disposta e de reencontros de companheiros de aventura. Pessoalmente, não reconheci muita gente, mas também era a primeira vez que ia correr uma prova deste género. Regressámos aos carros para montarmos o restante equipamento e eu desatei a tirar fotografias à nossa Running Crew.

 

Foi com um enorme nervoso na barriga que vi partir os nossos amigos que iam fazer o percurso mais longo: 33 Km! Mas foi nessa altura que tomei consciência que ia correr 15 Km pela serra acima - no mapa indicava que seriam mais de 16). 15 Km?

 

E foi nesta altura que fiquei mais nervosa. Quando soou o tiro de partida lá arranco eu e as minhas amigas e companheiras de aventura (Natália Costa e Joana Malcata) pelo asfalto até à “entrada” para a serra.

 

Os primeiros 2km serviram para pôr os pés de molho nas seis ribeiras (eu contei mais que isto) que tivemos de atravessar. Quem me conhece sabe que não tenho jeito nenhum para saltar pedras e decidi não arriscar: meti os meus Asics Gel Trabucco logo dentro de água e lá fui eu. Como nos atrasámos um pouco, reparámos que tínhamos 2 moços atrás de nós e que, depois de uma apresentação meio à pressa (sim, tinha de ser à pressa senão ainda podíamos cair dentro de água) ficámos a saber que eram os responsáveis da organização que estavam a “fechar” o grupo dos 15Km.

 

De repente, vou eu lançada a subir uma pequena escadaria antes de chegar a uma aldeia lindíssima, olho para trás e recebo a indicação que a Joana iria subir mais devagarinho e para eu e a Natália seguirmos em frente. Logo nesse instante começa a cair uma chuva que, de tão gelada que estava, soube maravilhosamente bem (estava cheia de calor tal era o esforço a subir aquilo tudo sem parar).

 

Na chegada ao primeiro abastecimento tentámos fazer um enorme esforço para não apanharmos tanta chuva e abrigarmo-nos debaixo dum toldo que lá estava. Sinceramente, nunca tenho muita fome durante uma prova mas sabia que precisava de comer para continuar e antes que me faltasse a força para subir o que ainda me esperava. E lá segui eu e a Natália, serra acima e serra abaixo. Deu para correr, andar e pôr a conversa em dia. Quando chegámos ao segundo abastecimento, a chuva ainda não tinha parado. Estávamos nós a saborearmos uma bela fruta molhada pela chuva quando, de repente, avistámos três camaradas vestidos de negro: era a nossa Joana e os “anjos da guarda”. Ficámos contentes em saber que a Joana não tinha desistido. E continuámos pela serra fora, sempre a ver paisagens lindas desta bela serra. Digamos que o trail running é uma forma diferente de fazer turismo.

 

A caminho da meta, já no asfalto e com o sol a secar rapidamente a minha roupa, apercebo-me que já não tinha pernas para correr. Ao chegar à meta avisto o grande Stefan Pequito que eu pensava que tinha chegado muito antes por ter terminado a prova. Afinal, a prova não tinha corrido como ele esperava. Mas a vida é mesmo assim, não podemos ganhar sempre. Posso dizer-vos que foi das aventuras mais sofridas até hoje mas, também, a que me deu mais prazer de terminar.

 

Como remate final quero agradecer:

 

- a todos os meus amigos da crew que deram muita força às “meninas” para nunca desistirem e chegarem ao fim com um sorriso enorme, e especialmente ao Stefan que não arredou pé da meta à espera de toda a crew (e foram muitas horas, acreditem);

 

- a toda a organização Montanha Clube Trail Running pela bela prova que nos presentearam, desde a malta dos abastecimentos que foram uma grande simpatia até aos nossos “anjos” Sérgio Leal e Jorge Moita que nos acompanharam em grande estilo e nos desenrascaram várias vezes por entre aqueles trilhos;

 

- e aos pais do nosso Pedro Tomás Luiz que nos deram alojamento e uma bela ceia de chanfana que estava fabulosa.

 

Prometi a mim mesma regressar a esta prova, mas desta vez não serei a penúltima…espero eu.

 

Pág. 1/10