Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correr na Cidade

20ª Corrida da Cidade Vendas Novas

05.05.14 | Nuno Malcata

 

O Município de Vendas Novas organiza no dia 17 de maio, às 17h30, mais uma edição da” Corrida da Cidade” que, seguindo a linha de anos precedentes, irá trazer às ruas da cidade cerca de 2.000 atletas.

Este evento desportivo, que celebra a sua vigésima edição, tem vindo a conquistar um lugar no panorama desportivo nacional, com o seu sucesso a dever-se ao facto de ser aberta a todos os níveis desportivos com os seguintes percursos: dez e cinco quilómetros (km) de corrida e cinco km de caminhada.

A prova rainha é a corrida de dez km. Feita em circuito urbano, percorrendo as principais artérias de Vendas Novas, cativa todos os anos atletas de todo o país e nacionalidades, em representação de vários clubes ou em participação individual. 

A caminhada de cinco km é indicada para famílias, crianças e todos aqueles que gostam de caminhar, usufruindo de boa companhia e fazendo-o por lazer, já que não existe competição. 

Este ano, pela primeira vez, será introduzido um percurso de 5 km de corrida, mais acessível e apetecível, conseguindo-se diversificar as modalidades apresentadas e chamar adeptos de todas as condições físicas. 

O Correr na Cidade apoia esta simpatica prova, e vamos estar presente nesta festa, juntem-se a nós.

Calling All Running Crews - um sucesso!!!

04.05.14 | Filipe Gil

 

Por Filipe Gil:

 

A ideia nasceu há uns meses. Depois de acertamos data, local e hora, o Correr na Cidade, o João Campos, a Henriqueta Solipa e o Pedro Pinho decidimos organizar o evento "Calling All Running Crews", que teve como objetivo juntar as já muito e numerosas crews/equipas/grupos de corrida de Lisboa. A isso, juntou-se o evento 1º Dog Trail em Monsanto. E apareceu muita gente.

 

Foi assim uma manhã muito bem passada com 10K (o circuito da Corrida da Árvore em Monsanto) em que se fez um pouco de trail e corrida no asfalto e onde ninguém ficou para trás. A caminhada, com ou sem os amigos de quatro patas, também correu muito bem. Do que podemos perceber, tivemos representantes do Portugal Running, Andorinhas Crew, Correr Lisboa, Tartarugas Solidárias, LX Run, Dummies on Fire, Correr na Cidade, Friends 2 Run e Run 4 Fun, e claro, muitos corredores individuais.

 

No final, fomos para a sombra e bebemos e comemos como apraz neste tipo de encontros. 

 

Tenho quase a certeza que é um evento a repetir. Aqui ficam algumas fotos, com excelente qualidade, da autoria do Marco Borges, que se carregarem neste link podem ver muitas mais. É muito interessante partilhar momentos saudáveis de corrida e amizade entre running crews. Afinal, o que interessa é correr!

 

 

 

“We love stories about running”, entrevista a Simon Freeman

02.05.14 | Filipe Gil

Like the Wind posters at the launch party

 

Entrevista por Filipe Gil

 

Na visita que recentemente fiz a Londres tive a oportunidade de entrevistar Simon Freeman, editor e criador da Like The Wind Magazine, e corredor de maratonas e ultra maratonas. E ele a sua parceira, Julie, explicaram, entre cervejas e cidras, o que os fez criar uma agência de marketing dedicada só ao running, lançar uma revista de running e ainda ter tempo para preparar o próximo UMTB. Falámos ainda do grande crescimento que o Trail Running está a ter no Reino Unido.
 

Para sermos mais fiéis às respostas do Simon, decidimos publicar a entrevista em inglês.  

 

When did you start running and why?

I started running 8 years ago after I stopped smoking. I was very unfit and fat and I really needed to take control of my life. Running was a simple way to take back control.

 

What’s your favourite distance?
I love the marathon. I like the fact that they are all the same length and you can test yourself 

 

How often (and distance) do you train during a “normal” week?

In the run up to my last marathon I would run between 8 and 10 times per week. 

 

Do you listen to music when training or not?  
I do from time to time, but probably only once or twice a week. I don't like messing around looking for headphones, etc so usually I just get going. I don't listen to music for faster or hill sessions - I need to concentrate for them!

 

What’s you next goal in running?

This summer it is all about ultras with the UTMB CCC in August. I am working on my plan at the moment, but I think I will be targeting a top 20 finish.

 

How is the urban running scene in the UK?
Especially in London where you are located? - we are really blessed that there are so many groups in London - dozens of clubs and of course we have the amazing RunDemCrew (www.rundemcrew.com) which I am honoured to be part of. Charlie, who runs the 'Crew, is an amazing man.

 

You and Julie (Simon’s partner) have been running some ultra races, and doing some trail running?
Is this an “evolution” for runners, or just another way to enjoy running?
For me it is a way to challenge myself in a new way. With my marathon PB now, improvements are marginal and very hard work, so trail running gives me a chance to learn anew and find improvements that do not require 15 hours of training a week which is essential now that we have launched our own business.

 

Julie and Simon at the CCC featured in German Trail Magazine

 

It´s trail running growing in UK?
Massively! We have a history of fell running so we have lots of places to go and people are also discovering that the Alps are only 6 hours away. It is great to see this scene growing so fast in the UK and elsewhere.

 

You have a running blog (simonfreeman.co.uk). When did you create it? And what’s its main propose?

The blog started out as a way for me to record my progression as a runner and keep me honest. It has become a way that I can try to help people become better runners and explain that anyone can become a better runner and a better person in the process if they choose to. I want to get the whole world out running - could you imagine that?!?

 

And you also run a marketing agency dedicated to run. When and why did you create this?
I have always worked in marketing and corporate communication and my wife - who co-owns the business - is a creative technologist. So we realized that we have very compatible skills and share a love of running and endurance sports. So we decided to blend passion and professions into one. Honestly, Julie was the one with the courage to really give this a go and I am so grateful to her for that. 

 

And, last but not least, you both recently have launch “Like The Wind” magazine. Why and what’s the main goal?
We love stories about running - not 'how to…' articles. It is inspirational and moving stories that get us out of the door running day after day and we thought that the same must be true for many other runners. We wondered why there wasn't something like that in the running scene especially as there is in the cycling scene. So we decided to take a risk and give life to our idea for a magazine full of stories about running the move, inspire, amuse and motivate people. Thankfully the response has been amazing and we are now a few days away from going to print with issue #2. What we would really like to do is provide a vehicle for runners to express themselves in words and images and in doing so affect other runners who read the magazine - we really want the magazine to be part of the running community.

 

What’s your advice to the ones that are now starting to run?
Persist. For people who have become sedentary, running is tough when you start, but it gets easier and more fulfilling, so don't quit. Once you have passed through the inertia and running is something you do all the time, you will unlock an incredibly powerful activity that will change your life for the better.

 

What does running mean to you?
My twitter biog is "I run marathons. Everything else is a result of that" and that is true: I love running and endurance sports and I owe most of what I am and what I do now to running!

 

--------------------------------------

 

 

ID:Simon Freeman
Age: 39

Profession: Business co-owner and magazine editor (and runner)

Personal Best Time Marathon: 2:37:07
Personal Best Time Half Marathon: 73:54
Favourite race: London Marathon 2013 (but that is a very, very tough choice -  there are too many amazing  races!)
Favourite race shoes: Adidas Adios adiZero
Favourite training shoes: Mizuno Wave Rider

O movimento #Bridgethegap

01.05.14 | Filipe Gil


O que é o movimento de running crews #Bridgethegap? Este vídeo explica de forma simples. E é um movimento com o qual o Correr na Cidade (CnC) se identifica muito. Por isso temos contactos regulares com algumas destas crews.

 

E vamos continuar a aprofundar estas relações à medida que vamos correndo no estrangeiro ou quando somos visitados por elementos das crews, como irá acontecer no próximo dia 8 de maio, no próximo treino aberto da nossa Running Crew, onde iremos ter a presença de alguns elementos dos NBRO Running, de Copenhaga. Estão todos convidados para um treino às 20h com partida na Estação Fluvial de Belém. Apareçam!

 

Race Report: 26º GP PÁSCOA DE CONSTÂNCIA – O RECOMEÇO

01.05.14 | Filipe Gil

 

Este race report é escrito por um convidado, que não faz parte do Correr na Cidade Running Crew, mas que é nosso leitor assíduo e um grande entusiasta da corrida e, inclusive, já participou em vários treinos do Correr na Cidade. Escrevo sobre o Carlos D'Andrade que recentemente correu o GP da Pásco de Constânci, no passado dia a depois de quase seis meses lesionado, aqui fica o seu relato

 

Por Carlos D'Andrade:

 

Após 6 meses de ausência em provas, devido a uma lesão dupla (tendinite do tendão de Aquiles e fascite plantar), aqui está o Recomeço.Uma das coisas boas da corrida é que invariavelmente encontramos uma prova (até mais do que uma) num raio de 50km de onde estivermos. Assim aproveitei o fato de ir passar a Páscoa com a família e que de qualquer modo iria realizar um treino de 10km para procurar uma corrida perto de mim. E assim descobri o GP de Constância, que junta uma corrida aos festejos populares da Pascoa nesta Vila.

 

Assim não só vi-me imerso no ambiente festivo da vila, como daqueles momentos que antecedem o inicio da corrida. Eramos pouco mais de 500, mas confesso que já sentia saudades destes momentos. Seja uma corrida “a brincar” ou com outros propósitos mais sérios (chegar ao pódio, bater recordes,…) passamos sempre por aquele nervosismo de estarmos na multidão, todos com o intuito de correr e à espera do “tiro de partida”.

E assim foi… Sem objetivos definidos a não ser desfrutar do ambiente (da corrida, dos corredores e da paisagem) que iniciei a corrida. Estava tão focado em desfrutar do ambiente, que não levei phones (coisa que habitualmente em corridas de estrada não dispenso), tirei o som a App da Nike+ e lá fui…

 

A corrida iniciou-se perto do rio e onde decorriam as festividades, numa calçada de paralelos e com uma subida acentuada de uns 300m. A partir dai foi sempre em estrada e seguindo o rio e fazendo o retorno nos 5km e realizando o percurso inverso.

 

Destaco desde já o fato de estarmos com serra de um lado e o rio do outro, com uma paisagem muito verdejante e com o barulho do rio como pano de fundo. Como ia numa passada mais lenta e parti do final, houve momentos que senti-me que estava num trail. Só ouvia as minhas passadas, a minha respiração e a natureza falava comigo.

 

Senti-me bastante bem neste recomeço e quando passei os 2km, ouvi a voz da App da Nike+ a dar o meu tempo e ritmo. “Mas eu não tinha desligado isto? Pensei para comigo mesmo”. Aparentemente não desliguei e também não consegui tirar o som. E afinal até estava mais ou menos a correr 6/km. Apesar de ir desfrutando do momento já não consegui desligar aquela voz interior a dizer, está tudo bem, podes ir mais depressa… E pronto consegui virar os 5km abaixo dos 30 minutos. Antes disso cruzei-me com o vencedor no km 4, ele no km 6 com cerca de 20 minutos e acabou a prova com 31:32.

 

Entretanto eu ajustei a passada com um grupo mais sénior, que vinham todos os anos a esta corrida, porque também eles vinham passar a Pascoa com a família. Vinham de Rio de Mouro, Cacém e Queluz, e trocamos algumas palavras enquanto corríamos os últimos kms. Ainda faltava 2km quando desloquei deste grupo, pois senti-me muito bem, sem dores e com vontade renovada pela paisagem. E acelerei e acabei por terminar a corrida fazendo 58:32. Impensável para mim, que o último treino de 10km tinha feito 1:09:00. Senti-me muito feliz por ter reentrado nas provas atletismo amador neste local. Não só pelo ambiente festivo, como pela organização da Xistarca (nada tenho a apontar, correu tudo bem no levantamento do dorsal, assim como no final, sem filas e sem esperas), como por me ter sentido bem e sem dores.

 

É uma daquelas sensações difíceis de explicar, tendo estado parado a tanto tempo e depois conseguir finalmente desfrutar de uma atividade (que é a corrida) que tanto me inspira e faz parte de mim. São tantas as emoções que senti, mas posso resumir tudo numa única palavra: Felicidade!

Certamente será uma corrida para repetir e aproveitar que estou na zona e para o ano ir também à Scalabis Night Race.

 

 

Pág. 11/11