Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correr na Cidade

Review : Saucony Triumph 10 – Amortecimento!

20131018-120412Por Pedro Tomás Luiz:Corri e voltei a correr com estas sapatilhas… fiz alcatrão, terra batida e até trilhos. Corri com chuva torrencial, sol e frio… fiz cerca de 150km com estas sapatilhas e adorei o conforto que elas proporcionam, aqui fica a minha review…Confesso que o “amor” que agora sinto por elas, não foi definitivamente amor ao primeiro treino, principalmente no que se refere ao pós treino. Amaldiçoei por algumas vezes, porque correndo sempre com sapatilhas com um drop 10/12mm, a passagem para um de 8mm não foi propriamente fácil. O fato do pé estar mais na horizontal, sem sombra de duvida que mexeu com a minha biodinâmica, de tal forma que fiquei com alguns músculos doridos que nem sabia que poderiam doer.fotografia 1Inseridos na minha rotação habitual de sapatilhas, tive a oportunidade de fazer treinos em diversas condições atmosféricas, inclusive num dia em que o “céu se abateu sobre a minha cabeça” e mesmo nesse dia, a resposta deste modelo foi muito boa, não ensoparam (longe disso) apesar de terem uma rede respirável que permite uma excelente circulação de ar, mantiveram a aderência e o amortecimento que os caraterizam.fotografia 2Aliás a palavra de ordem destas sapatilhas é sem dúvida AMORTECIMENTO. Mas atenção, que amortecimento não significa correr com uma sensação de ter duas almofadas nos pés, neste caso significa absorver impacto e com o meu peso e tamanho o impacto é muitofotografia 3Design: Pessoalmente acho que as sapatilhas foram muito bem conseguidas, numa mistura de laranja, preto e uma subcamada de rede verde , proporcionam uma combinação fantástica.Sola: Feita de dois materiais, o vermelho bem mais suave, enquanto as zonas pretas bem mais duras, mas o principal aspeto deriva de não ser uma sola contínua, mas sim uma que contêm rasgos horizontais e verticais, permitindo assim uma maior flexibilidade e adaptação ao terreno.Corpo da sapatilha (parte de cima): muito maleável e respirável, contento apenas estrutura no calcanhar. Os atacadores “espalmados” permitem um bom ajuste a todo o pé.Conclusão: Umas excelentes sapatilhas, para quem tem uma passada neutra ou ligeiramente pronadora, que procure amortecimento em todo o pé.fotografia 4Modelo: Triumph10 Marca: Saucony P.V.P: 160€ Avaliação (de 1 a 5): 4,5 valores (gostava de ter podido experimentar o meu verdadeiro número de calçado)

Back!



20131124-122020.jpgDe volta às corridas. Uns simpáticos 10K na companhia do amigo Nuno Espadinha, com uma paragem por volta do KM 7 para perceber como estava a reagir o pé.Continuo com algumas dores quando faço certos movimento. Mas arrisquei. Aqueci bem os pés e não me custou a correr apesar da impressão que tive nos primeiros metros. Depois fiz o treino sem problemas. Usei os ténis com mais protecção que tenho: Adidas Adistar Boost, que apesar de serem para pronadores suaves, são melhores para mim que os minimalistas, pelo menos nesta fase. Foi bom sentir o asfalto regular debaixo dos pés. Soube muito bem. Agora é perceber como se comporta o pé nas próximas horas. Se tudo correr bem, volta à corrida na 4ª feira.

20131124-122452.jpg

Clínica DoutorPé: simpatia e conhecimento

logo_dr_peSimpatia, disponibilidade, recursos técnicos e tecnológicos, conhecimento científico. Alguns dos adjetivos que encontro para analisar a minha ida à Clínica de Podologia e Medicina Especializada Doutor Pé. Encontrei a clínica por pesquisa na Internet . Fica perto de casa e perguntei o preço da consulta indicando que talvez estivesse com uma fascite plantar.Marquei para esta sexta-feira à tarde, mas um imprevisto no emprego fez-me mudar a consulta para mais cedo. A disponibilidade da marcação – dependendo dos horários disponíveis – foi imediata. O que é bom. Nesse telefonema indicaram para levar os ténis com que corro mais frequentemente e uns calções pois poderia ser necessário correr na passadeira (e foi).No local, fui prontamente atendido à hora combinada (9:30) e fui visto pela Drª Joana Barbosa Alves. A médica especializada em Podologia ouvi o meu historial de corredor, quantos kms por semana, que tipo de corridas faço. E viu os meus ténis que mais tenho utilizado. Uns minimalistas de ténis e outros, também com 4 mm de drop. Ambos para a passada neutra.Fiz depois uma análise da passada e aí percebeu logo (e eu vi no monitor)o que estava mal com o meu pé. Nada de fascite plantar, mas sim uma lesão num osso do pé. A Dr.ª verificou a minha passada a andar, descalço e com os ténis, ambos. E viu a curva das minhas pernas.

DSC00354 DSC00363Imagens retiradas do site da Clínica Doutor Pé

Depois fui para a passadeira, e fui filmado a andar e a correr. Primeiro com uns ténis e depois com outros. Vi que o meu pé direito é mesmo muito pronador. Há piores, segundo a doutora, mas o direito é mesmo diferente do esquerdo.Aconselhou-me certos cuidados, evitar o uso dos ténis para corredores neutros ou então fazer palmilhas de suporte à medida. Receitou-me os pensos TransAct para usar dia e noite nos próximos 10 dias (a embalagem tem 10 penso precisamente e custam cerca de 12,5€) e aconselhou-me um Raio X para saber se tenho um problema genético da perna esquerda arquear (refletindo assim o peso no pé direito).Aconselhou também o tipo de ténis (para pronadores) que devo usar a partir dos 10K, para Meias Maratonas ou para Maratonas e ainda para as provas de Trail.A disponibilidade foi excelente. Pediu-me para lhe enviar o resultado do Raio X por e-mail e caso necessitasse de verificar qual o melhor ténis para o meu podia passar por lá para se verificar isso mesmo.Este tipo de consulta custa 55€ com um desconto de 10€ para que, como eu, tem o cartão da Médis (não perguntei se o faziam noutro tipo de seguros). Gostei, sinceramente. E recomendo. Pensava que tinha umas fascite plantar e saí de lá com a certaza da minha lesão nesse osso do pé que, de facto foi onde me começou a doer. E vou voltar a correr este fim-de-semana. Distância curta, no asfalto e com os ténis com mais suporte que tenho!

A razão da minha lesão

Boas notícias: não tenho fascite plantar!Ainda melhores notícias: posso voltar a correr no asfalto quando quiser (distâncias não muito longas e com ténis para pronadores).Afinal, tenho sim uma lesão num osso lateral do pé (ver imagem) do qual me esqueci o nome, e que devido há minha grande pronação nesse pé se agravou com o uso de ténis sem suporte em maiores distâncias ou nas provas de Trail.péAtenção e fica já a ressalva antes de começarem a escrever os vossos comentários (que são sempre bem-vindos), o problema é meu, não dos ténis.Acontece que outra das causas associadas à minha pronação do pé direito, o que dói, pode ter a ver com o facto de ter uma perna ligeiramente mais curta que outra, a perna esquerda.E por detrás dessa razão está um defeito genético que tanto o meu avô como o meu pi tinham, um desgaste do joelho que faz a perna arquear e, por isso, ficar mais curta. Ora isso vai ainda ajudar a que o meu pé direito, o tal que dói, fique ainda mais sobrecarregado como meu peso. Atenção esta última patologia ainda precisa de confirmação e por isso, em breve irei fazer um Raio X completo à perna, a esquerda, para saber se agrava a minha pronoçãoO meu pai chegou a ser operado à sua perna torta. Vi a evolução do "entortamento” da perna e como voltou a ficar reta depois de ter sido operado. Talvez tenha que passar pelo mesmo, talvez o tratamento seja diferente, não sei. Mas antes que fiquem ainda com mais pena de mim, escrevo que a lesão está melhor e, melhor ainda, posso voltar a correr quando quiser (na estrada) e usar nos próximos 10 dias um penso no pé (ver imagem) - e que pode ser usado mesmo a correr.20131122-124458.jpg 20131122-124519.jpgAh, outra indicação da médica: usar ténis para pronadores enquanto o pé estiver com esta inflamação.E de futuro fazê-lo sempre para distâncias maiores que 10K (ou então usar uma palmilha especial). Aliás, a médica aconselho-me a usar ténis pronadores como melhor solução e para evitar lesões como esta, isto para o asfalto, porque para o Trail estou proibido de usar algo que não tenha proteção e estabilidade para pronador. Como exemplo indicou-me os ASICS Gel Trabuco.  E pronto, como isto é também psicológico, mal saí da consulta deixei de ter dores no pé e já com o penso colocado sinto-me melhor e pronto para fazer 10K no asfalto. Que serão feitos no fim-de-semana. Finalmente!p.s. - Gostei muito da Clínica onde fui (DoutorPé) e irei escrever sobre isso no próximo post.

20131122-131013.jpgAndarei (e correrei) assim nos próximos 10 dias

Um blog delicioso!

logotipoblogEste é também um espaço de partilha de coisas novas e boas, que não falem apenas de corrida. Se a esses adjetivos  juntarmos a palavra delicioso então é um post obrigatório do Correr Na Cidade. Esta introdução é para justificar e sublinhar que vocês têm de conhecer um dos blogs mais deliciosos que surgiu nos últimos tempos, o My Sweet Potato Cake.Não só pelas receitas mas também pela extrema qualidade dos filmes que lá publicam. Se conheço os autores? Sim conheço, são meus amigos. Mas o que é isso interessa quando se fartam de fazer estas delicias e nem sequer tenho direito a uma fatia? : )A sério vejam que não se vão arrepender. É de babar por mais, e ir correr logo a seguir para gastar as calorias...

Garmin lança câmara para atividades outdoor

 VIRB_GarminA Garmin acaba de anunciar a sua nova gama de câmaras de ação VIRB (VIRB e VIRB Elite) e nós vamos testá-la em breve!!!Esta câmara, segundo a Garmin "foi projetada para os apaixonados do desporto ao livre". E acrescenta: "Composta pelos modelos VIRB e VIRB Elite, e oferecendo uma qualidade de imagem de alta definição, bem como uma interface de utilização intuitiva e completa, uma construção robusta e que dispensa a utilização de caixas de proteção externas, a nova gama de câmaras de ação VIRB da Garmin oferece ao utilizador o que de melhor existe em termos de tecnologia ao serviço do desporto outdoor, incluindo a possibilidade de comunicação sem fios através de Wi-Fi ou ANT+ (dependendo da versão). A VIRB Elite incorpora ainda um GPS de alta sensibilidade, acelerómetro e altímetro."A nova gama de câmaras VIRB foi pensada especificamente para dar uma resposta eficaz conta as adversidades e as condições duras do desporto outdoor, podendo ser facilmente montada para acompanhar a par e passo toda a ação em desportos tão diversificados como exigentes: Ciclismo, BTT, downhill, esqui, base jumping, skating, motocross, rafting, windsurt, paraquedismo, alpinismo, mergulho em queda livre e regatas são apenas alguns exemplos entre muitos outros possíveis no desporto motorizado e não-motorizado".Independentemente do perfil de utilização ou do tipo de utilizador, as novas câmaras de ação Garmin VIRB oferecem todas as condições para uma utilização segura, fiável e robusta, desempenhando o seu papel de uma forma extremamente eficaz e sem qualquer tipo de complexidade associada, seja no momento da fixação, da gravação de imagem ou na reprodução ou transferência dos vídeos e imagens para posterior visualização no equipamento ou num meio mais propício para a partilha de emoções, como seja em frente ao televisor da sala de estar acompanhado por familiares e amigos."Entre as principais características, a nova família VIRB oferece vídeo, som e fotografia de qualidade profissional, com resoluções vídeo de FullHD 1080p a 30fps, 960p a 60fps, 720p a 60fps e WVGA a 120fps e qualidade de imagem líder na indústria com um sensor fotográfico de 16 MP com um modo de disparo contínuo de até 10fps, podendo fazer imagem em modos contínuo, time lapse e foto + vídeo. Oferece ainda desempenho melhorado em ambientes de luz fraca, sendo a qualidade fotográfica beneficiada com a utilização das tecnologias DIST-Digital Image Stabilization e LDC-Lens Distortion Correction. O som é de alta qualidade e a sua captação está a cargo de um microfone interno, sendo no entanto possível ligar uma unidade externa através de um adaptador USB opcional. Em termos de saídas, oferece ligações USB e HDMI micro."As novas Garmin VIRB revelam um exterior sólido e totalmente robusto compatível com a especificação IPX 7, o que garante o funcionamento em água a um metro de profundidade durante 30 minutos. Definindo um novo nível de desempenho e de durabilidade em termos de montagem de sistemas desta natureza, a nova família VIRB suporta ainda os sistemas de montagem mais versáteis e pode ser utilizada em combinação com uma caixa de isolamento aquático externa até 60 metros de profundidade".As novas câmaras de ação Garmin VIRB e Garmin VIRB Elite estarão disponíveis no mercado (Garmin VIRB a 23 de setembro / Garmin VIRB Elite a 14/10) pelo preço de 299 euros e 399 euros, respetivamente. IVA incluído.

Crónicas de uma lesão: a fase perigosa.

1226684009416_93E pronto, cá estou novamente, na fase mais perigosa da lesão: quando a dor desaparece. A vontade de correr é muito mesmo. As últimas duas semanas tem sido um para arranca, como têm lido por aqui. Desde ontem à tarde que não tenho quaisquer dores, às vezes uma pequena moínha no pé, mas nada de especial.

Mas vou esperar (que nervos!!!). Aliás, tenho consulta amanhã e irei perguntar a quem sabe quando posso começar a correr. Se desse para dar uns passos já este fim-de-semana era excelente.

Até lá continuo os meus exercícios, já não tão dolorosos, de esticar os tendões do pé, sobretudo o exercício com uma bola de golfe debaixo do pé.

A vontade de voltar à estrada (o trail fica para depois de dia 8 de dezembro) é mais que muita!

Race report: 21ª Corrida do Monge

Imagem2Por Tiago Portugal:Foi no passado Domingo, dia 17, que se realizou a 21ª Corrida do Monge. Prova de Trail que se desenrola ao longo de cerca de 11,5Km na Serra de Sintra, local propício a este tipo de eventos pela beleza natural da envolvente e pelo tipo de terreno que podemos encontrar.A prova:Deixo desde já uma palavra de apreço à organização. Simpatia, bons abastecimentos, prova bem sinalizada e paisagens deslumbrantes fizeram estes 11,5km passar bem mais depressa.Estava cansado do treino de sábado, mas animado para mais esta etapa. Após dois dedos de conversa com um amigo, a relatar experiências pessoais, decidi fazer os primeiros Km’s ao ritmo dele. E assim que soou a buzina lá partimos todos, cerca de 450 participantes. Não foi preciso mais de 50m para começarmos a subir, fomos subindo, subindo, cerca de 4km quase sempre a subir. Ao fim de 500m o meu plano já tinha ido por água abaixo e estava a correr sozinho.Juntei-me a dois desconhecidos que iam ao mesmo ritmo do que eu e a muito custo consegui aguentar os primeiros 4Km sem parar.Imagem1Perto do 5Km começamos a descer, embrenhados na serra, e aí estrei-me nas quedas. Escorreguei e fui direto ao chão, deslizando uns bons metros na terra. Dois corredores pararam logo para me ajudar, o companheirismo nestas provas é espetacular.Resultado: calções rasgados, eram novos, umas feridas na perna direita, mas nada que me impedisse de continuar.Os 3 km seguintes foram simplesmente espetaculares, dos melhores que já corri. O percurso é fantástico, com partes muito técnicas, trilhos lindos no meio da serra, riachos que tínhamos que passar em cima de pontes de madeira. Do melhor que a serra tem para oferecer.Após a queda corri cerca de 2km com medo. O trilho era difícil e tinha que estar sempre concentrado em ver onde por os pés. Perto do 7Km senti-me novamente confiante e comecei a aumentar o meu ritmo.Perto do 8 ou 9 km damos de caras com uma subida monstruosa, daquelas que vamos todos em carreirinha com as mãos apoiadas nas pernas. A meio da subida recuperei o fôlego, não consigo explicar mas ganhei um alento incrível neste momento.Os últimos Km foram os mais rápidos que fiz em toda a prova, dei o máximo, foi descer como se não houvesse amanhã. Pela primeira vez deixei-me ir completamente e a sensação foi fantástica.Acabei a prova com um tempo razoável e com a certeza que tinha dado muito de mim nestes quase 12km.ResumoOrganização fantástica,  prova espetácular pela envolvente, principalmente a meio da prova, zonas técnicas, onde fiz o meu batismo em relação a quedas, confraternização dos corredores e acima de tudo a vontade de repetir a experiência, que recomendo a todos.