Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correr na Cidade

Newton Running Elite Crew

A Newton, recentemente chegada ao mercado nacional, tem vindo a ganhar quota de mercado no seu país de origem, os Estados Unidos da América. Neste país tem running crews que juntos correm provas e promovem a marca. Aqui fica um vídeo com um exemplo da participação de uma running crew da Newton Running numa corrida de 10K nos Estados Unidos da América.

Skechers GOBionic: unboxing

A Skechers Performance acaba de nos enviar o novo modelo GOBionic para testarmos. Depois do GOrun 2, vamos "voar" neste modelo que é verdadeiramente minimalista, já que tem 0mm de drop.Aqui daremos conta das primeiras impressões e, depois de alguns quilometragem, faremos a respetiva review. Fiquem atentos. Entretanto publicamos o habitual unboxing dos produtos que vamos recebendo para testar. 20130627-095437.jpg20130627-095443.jpg20130627-095450.jpg20130627-095457.jpg20130627-095503.jpg20130627-095509.jpg

Há excesso de provas?

race1O boom da corrida é excelente. É realmente fantástico a quantidade de corredores novos que todas as semanas se fazem à estrada. É fantástico os novos negócios que surgem ligados ao running. É muito interessante a nova postura das marcas de produtos de corrida aos consumidores nacionais. E sobretudo é bom saber que mais pessoas se preocupam com a sua saúde. Mas há uma coisa que está a passar um pouco dos limites, na minha opinião: o excessivo número de provas.Ou montar uma prova é muito barato ou alguém tem um modelo de negócio com grandes margens de lucro que não consigo perceber, se calhar por pura ignorância  minha.Veja-se os próximos meses de setembro e outubro. Assim de cabeça conto com umas 10 provas em Lisboa e no Porto, algumas em simultâneo. A minha pergunta é: existe mercado para tanta prova? O crescimento do número de corredores é suficiente para sustentar este gigante boom?Ou estamos a exagerar um pedaço na Moda para daqui a um ou dois anos algumas dessas empresas falirem e voltarmos a números escassos de provas? Ou, a qualidade de umas e menor qualidade de outras irá determinar as que perdurarão no tempo?Contudo, e apesar de apreensivo com a situação, como corredor sinto-me lisonjeado com o número de provas que existem – acho que deviam ser mais espalhadas geograficamente, sobretudo para o interior do país.Penso também que o melhor que os corredores têm a fazer é escolher aquelas provas que mais se adaptam às suas características físicas e na qual se vão divertir mais. Tendo, obvia atenção, a não exagerarem. Uma prova é uma prova, e não é um treino, e o esforço é sempre maior, e é isso que dão piada àqueles quilómetros.Sou daqueles que me basta uma prova por mês. No máximo, dos máximos, duas. Não gosto de as banalizar. Gosto de ir pensando nelas e planeando os meus treinos em função disso. Hoje em dia tenho maior gozo em Meias Maratonas, mas uma prova de 10K é sempre muito interessante. Eu já fiz as minhas escolhas e vocês?

Vem aí a Night Run (atualizada)

4AF2CB30-0DD9-4E6D-9046-71EB1B567FA8Gosto de dar "cachas".  Para quem não sabe é o nome jornalístico para informações em primeira mão e em exclusivo. E esta parece que foi uma delas. Ou seja, os leitores deste blogue foram os primeiros a saber de alguns pormenores desta prova noturna.  Entretanto a organização divulgou, agora mesmo, um comunicado de imprensa com mais pormenores desta corrida e que publico. De qualquer forma, deixo no final deste post o original, publicado ao início desta tarde. O comunicado de impresa:Marque na agenda o dia 19 de Outubro. Reserve-o a partir das 21h00. Mas não se esqueçaque haverá animação o dia todo. Night Run, o maior circuito de corridas noturnas domundo, chega a Portugal e vai juntar desporto, diversão e muita música.A escolha de Portugal como 1º país europeu que acolhe a iniciativa decorre de umaestratégia de internacionalização do evento, fundado pela empresa brasileira Esfera BR.No  nosso país o evento será coorganizado pela Federação Portuguesa de Atletismo – entrandoa prova para o calendário oficial – e pela MAG Brand & Entertainment. Para a realização dacorrida será necessário um investimento de mais de 150 Mil €.Night Run promete ser mais do que uma corrida, pois todo o ambiente da iniciativa é feitopara animar os participantes, tornando o clima da prova uma verdadeira festa. É um eventodesportivo exclusivo, que nasceu no Brasil e depressa se tornou numa corrida original, comcaracterísticas únicas e muita animação – antes, durante, e depois da prova. Do outro ladodo Atlântico a corrida acontece já em 14 cidades (São Paulo, Rio de Janeiro, Baía, PortoAlegre, Brasília, Salvador, Belo Horizonte, entre outras) e conta com milhares departicipantes, que se juntam para celebrar uma vida saudável através do desporto e dainteração entre amigos e pessoas com atitude positiva.--Info publicado ao início da tarde: Mais concretamente a 19 de outubro e em Lisboa. A Night Run chega assim a Portugal. Ainda há pouca informação disponível no facebook da prova portuguesa, mas pelo que se tem feito no Brasil, a prova tem duas distâncias: 5 e 10K. Na mesma página de facebook indica que "é um evento desportivo exclusivo, que nasceu no Brasil e depressa se tornou numa corrida original, com características únicas e muita animação – antes, durante, e depois da prova."Do outro lado do Atlântico a corrida acontece já em 14 cidades (São Paulo, Rio de Janeiro, Baía, Porto Alegre, Brasília, Salvador, Belo Horizonte, entre outras) e conta com milhares de participantes, que se juntam para celebrar uma vida saudável através do desporto e da interação entre amigos e pessoas com atitude positiva.Pelas imagens que vi, e se for organizada cá como foi no Brasil, é capaz de ser a prova que faltava ao calendário nacional de provas na distância de 10K. Estamos na expetativa. Entretanto podem ver o vídeo da prova de São Paulo, realizada em março passado.

Skechers lança minimalistas GObionic

GObionicRIDE_53553_RDLM_84.95€A norte-americana Skechers, através da sua divisão Performance, acaba de lançar no mercado nacional a sua mais recente aposta em sapatos de running minimalistas. Os GObionic encontram-se já disponíveis nas lojas da marca em Portugal. São aconselhados para os corredores que querem ter uma experiência verdadeira de minimalismo, já que tem 0mm de drop (elevação no calcanhar em comparação ao resto do pé).De acordo com o comunicado da Skechers: "Os Skechers GObionic têm um drop de 0mm, pelo que simulam e mimetizam, com um mínimo de proteção e amortecimento, o correr descalço. A abordagem do pé ao solo é praticamente plana e estes ténis destinam-se aos atletas que já estão familiarizados com esta forma de correr"."No processo de I&D a Skechers procurou desenvolver uma sola que se “fundisse” com a anatomia do próprio pé, o que resultou numa estrutura composta por 18 elementos independentes, mas interligados entre si. São zonas que oferecem proteção e que não comprometem a eficácia de resposta na corrida, já que correspondem aos pontos de flexão do próprio pé e possibilitam o máximo de amplitude de movimentos dorsais e plantares. Este modelo é extremamente flexível e contempla um espaço generoso para os dedos dos pés, de forma a que tenham mais liberdade de movimento"."Enquanto os Skechers GOrun podem ser encarados como uns sapatos de transição, rumo ao minimalismo puro, para correr privilegiando o mid-foot strike - passada com a parte central do pé - os Skechers GObionic são os sapatos da marca minimalistas por excelência"."A gama GObionic está  disponível nas lojas Skechers no Almada Fórum, Dolce Vita Tejo, C.C. Colombo, C.C. Vasco da Gama, nas lojas SportZone e outros pontos de venda multimarca autorizados, a partir de 79,95€".53553_ORLM_sole 

Nike + Sportwatch com nova cor

Nike+SportWatch GPS powered by TomTom_Antracite_Vermelho_1A Nike e a TomTom lançaram uma nova cor para o portefólio de modelos e cores do relógio GPS Nike + Sportwatch. O novo modelo vem nas cores vermelho e antracite. De acordo com comunicado de imprensa da TomTom: "o novo modelo vem, assim, juntar-se à colecção de relógios já disponíveis nas seguintes opções de cor: branco/prata, preto/antracite, antracite/azul, e verde “volt”/preto."Concebido para um elevado desempenho, apresenta um ecrã LCD retro-iluminado. Oferece toda a informação crucial da corrida como tempos, ritmo e distância. O Nike+ SportWatch GPS Powered by TomTom inclui, ainda, funcionalidades motivacionais como alertas e mensagens que incentivam o atleta antes e depois da corrida.O Nike+ Running permite acompanhar, medir, partilhar e comparar as corridas com toda a comunidade NIKE+, commilhões de membros activos em todo o mundo. Os atletas podem, globalmente, aceder ao NIKE+ através da aplicação Nike+ Running para iPhone e Android e em nikeplus.com".Ainda segundo o comunicado este novo modelo encontra-se disponível em  http://www.tomtom.com/pt_pt/products/fitness/nike-gps-sportwatch/anthracite-red/index.jsp  a um preço recomendado de 169,00€.

Hoje sem ti, tudo teria sido MUITO mais difícil!

fotografia-1Por Natália Costa:Hoje quando comecei a correr estavam 33 graus... Eram 20h30! Corro há relativamente pouco tempo e nunca tinha "apanhado" um calor tão grande.Custou, custou mesmo muito, e valeu me o meu YupiiRun! Sim, porque é um treino acompanhado. Para mim é uma mais valia, corro sempre sozinha... Quando pensava desistir ouvia aquela vozinha bem simpática a dar-me alento, a dizer que já ia a meio, que faltavam só mais 2 min, para desfrutar da paisagem... Obrigada, YuppiRun!! Hoje sem ti, tudo teria sido MUITO mais difícil!

A caminho da Maratona - crónica 1. O início.

Por Nuno Ferreira:Em primeiro lugar, quero agradecer ao Filipe Gil, por ter aceite a minha proposta para escrever no Correr na Cidade, durante as próximas 16 semanas, sobre os meus erros, vitórias, desespero, tentativas e frustrações dos treinos para a Maratona de Lisboa.O sonho de correr uma Maratona remonta a 2011, ano em que recomecei a correr apenas para perder peso e para deixar para trás alguns problemas pessoais e profissionais. O que começou como uma pequena brincadeira de fim-de-semana, acabou por evoluir para algo mais sério e que ganhou cada vez mais força ao longo dos últimos dois anos. No fundo, sabia que iria correr a mítica distância mais cedo ou mais tarde.Quando soube que a Maratona de Lisboa, que se realizará no dia 6 de outubro, seria integrada na famosa Rock’n’Roll Series, senti que era a oportunidade certa para me inscrever. Era agora ou nunca e nem pensei duas vezes. Inscrevi-me logo no dia em que as inscrições abriram oficialmente nos balcões do Banif. Nem tinham ainda os formulários para a inscrição, mas lá arranjaram forma de me inscrever. A inscrição não foi barata, o que acabou por ser mais um motivo para levar este desafio até ao fim, ou pelo menos para o começar. Quando saí do banco, olhei para a folha de inscrição e só me lembro de ter pensado “O que fui fazer? Agora não há volta a dar!”.

Foi um autêntico ato espontâneo. Quem me conhece bem, sabe que sou uma pessoa impulsiva e que gosta de um bom desafio. Bato muitas vezes com a cabeça, mas acredito que sem arriscar, nunca saberei o que estou a perder.

nf1

Estava feito. Não havia volta a dar

Para além de ser professor, sou também fotógrafo de casamentos e o tipo de trabalho que faço deixa-me completamente de rastos durante alguns dias. Para além das longas viagens de carro -  imaginem o que é fotografar durante mais de 15 horas, com equipamento pesado, sem tempo para descansar e por vezes completamente desidratado. Não é fácil! Por isso, aliar a falta de energia de um dia de trabalho a fotografar com os treinos em pleno verão ribatejano, não será uma tarefa fácil. Mas é como dizem… a pior parte de uma Maratona é o treino. O dia da prova é para disfrutar.Durante algumas semanas, procurei e li muita informação sobre planos de treinos para maratona, alimentação e exercícios de recuperação. Já tinha a experiência de treinos longos e de algumas Meias Maratonas em que participei, tendo feito o tempo de 1h39m55s na Meia Maratona de Lisboa, em março deste ano, mesmo tendo excesso de peso, o meu grande calcanhar de Aquiles.Apesar de toda a informação que recolhi, não consegui encontrar um plano de treinos adequado. Foi então que decidi pedir ajuda ao meu amigo Luís Mota, grande maratonista e ultramaratonista, que este ano participará na famosa prova de Mont Blanc, apenas acessível aos melhores. É uma verdadeira inspiração para mim e para outros atletas. O Luís delineou um plano simples e bastante completo com o objetivo de terminar a Maratona com um tempo de 3h25m. 3h25? Eu estava a pensar fazer um tempo entre as 4h e as 3h45, ou melhor, terminar a maratona na melhor das hipóteses sem me preocupar com o tempo. Só me preocuparia com os tempos depois da primeira experiência. Sabendo que o fato de conseguir treinar apenas três dias por semana, também limitará a minha prestação na prova, adaptei o plano do Luís de modo a tirar o máximo de proveito em três treinos semanais ao longo de 16 semanas.Mas vamos ao que realmente interessa! A primeira semana de treinos que terminou no passado domingo.Semana 1 / Treino 1 (quinta, 20 de junho)Após duas semanas sem correr por motivos profissionais e por cansaço extremo, fiz na quinta-feira passada ao final da tarde, o primeiro treino oficial para a Maratona de Lisboa. Foram 50 minutos calmos, apenas para esticar as pernas e preparar o corpo para o que aí vem. Não será fácil, mas encontro-me totalmente focado e motivado.A pensar nas possíveis lesões que posso vir a sofrer, optei por treinar em piso misto, ou seja, alcatrão e terra batida, dando preferência a este último tipo de piso. Infelizmente, Santarém não tem muitas zonas com este tipo de terreno, mas o Google Maps foi uma preciosa ajuda na procura de boas zonas para treinar.Geralmente, tenho três pares de sapatos de treino para ir rodando e optei por fazer este treino (e os próximos treinos mais longos) com os Saucony Progrid Mirage 3, neste momento em período de adaptação. Para quem não sabe, os Mirage 3 têm apenas 4mm de diferença de altura entre o calcanhar e a parte frontal do sapato, o que permite que o pé apoie mais a meio e não no calcanhar. Sim, para além de pronador excessivo, sou também um corredor que bate sempre com muita força com o calcanhar no chão. Este erro de postura e forma de corrida (e o calçado pouco adequado), fez com que me lesionasse no joelho direito no ano passado, o que me obrigou a seis meses de paragem forçada. A partir daí, tenho procurado o calçado certo e tentado corrigir a minha postura.nf2

 Os Mirage 3 portam-se cada vez melhor

 Os Mirage 3 já têm cerca de 60 km e só agora os gémeos se começam a adaptar ao esforço extra. Para além de ser um sapato com bastante amortecimento e de me ajudar a correr mais eficazmente, permite também controlar de forma adequada a minha pronação, graças ao arco de suporte extra.Acabei o treino com a sensação de que podia correr muito mais tempo, mas a chave para o sucesso é respeitar o plano de treinos sem grandes abusos. O meu joelho direito voltou a dar sinal ao fim de vários meses sem se queixar. Parece que me está a querer avisar que está atento e para eu não exagerar. Mensagem recebida, mesmo depois de 400mg de Nurofen e de um saco de gelo!Aqui ficam os dados do primeiro treino:Distância: 9.15 kmTempo: 00:50:00Piso: MistoCalorias queimadas: 855Avg Pace: 05:28 min/kmBest Pace: 03:52 min/kmAvg Speed: 11.0 km/hMax Speed: 15.5 km/hPeso: 85,2 KgSapatos: Saucony Progrid Mirage 3 NF3

 Registo do primeiro treino

 Semana 1 / Treino 2 (domingo, 23 de junho)Último treino da primeira semana. Devido à intensa semana de trabalho e ao cansaço acumulado, só foi possível realizar dois treinos quando estavam programados três. Ao contrário do último treino, as dores no joelho direito não apareceram. Confesso que começava a ficar preocupado com o joelho e a última coisa que queria era ficar parado mais seis meses por lesão e deitar por terra o sonho de fazer a minha primeira maratona.Assim, foram 60 minutos de corrida livre (12K certos) em piso misto, sem puxar muito, apenas para acumular alguns quilómetros nas pernas. Percurso com algumas subidas e descidas acentuadas para quebrar a monotonia.NF4

Uma das muitas subidas

 Por ser um treino mais longo, a escolha dos sapatos recaiu novamente nos Mirage 3, o que revelou ser uma escolha acertada. Acertada foi também a hora a que decidi correr. Optei por correr a partir das 19h30 e mesmo assim as temperaturas estavam acima dos 30ºC. Nem quero imaginar os treinos mais longos nos meses de maior calor.Chegado a casa, bebi o tradicional batido de proteínas e aproveitei para beber também uma bebida isotónica para recuperar do excesso de líquidos perdidos por causa do calor. Terminei com alongamentos e com alguns exercícios de reforço do core.Dados do treino:Distância: 12 kmTempo: 01:00:13Piso: MistoCalorias queimadas: 1113Avg Pace: 05:01 min/kmBest Pace: 03:06 min/kmAvg Speed: 12.0 km/hMax Speed: 19.3 km/hPeso: 86,0 KgSapatos: Saucony Progrid Mirage 3Para a semana há mais! 

Review: Adidas Climacool Revolution - 131 Kms depois...

pésPor Nuno Espadinha131 kms depois....Caramba que são mesmo fresquinhos, lá isso não enganam ninguém fiz um treino de 18kms com eles num dia de calor e acabei com os pés secos, melhor que isto acho difícil...São também os mais "leves" que senti nos pés e de uma qualidade irrepreensível, aliás como todos os Adidas que alguma vez tive na vida e foram muitos.Dão o suporte necessário a quem com algum peso como eu pode começar a prescindir de uns ténis com mais suporte e começar a correr mais com as "pernas".São uns "estradistas" puros, o único handicap destes ténis, qualquer piso com muita pedra solta pode tornar a coisa desconfortável pois as mesmas têm tendência a ficar agarradas á parte da frente da sola que em piso mais regular se comporta de forma excecional em termos de tração e flexibilidade.Esteticamente gosto, este azul da Adidas sempre foi bonito e os pormenores de verde são discretos q.b., mas gostos não se discutem e há, certamente, quem possa discordar.No geral estou a gostar bastante e não tenho sequer utilizado mais nenhuns desde que os tenho.Marca: AdidasModelo: Climacool RevolutionAvaliação (de 1 a 5): 4.5PVP: 120€ SS13_climacool_6view_CC_Revolution_M_01  SS13_climacool_6view_CC_Revolution_M_04