Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correr na Cidade

Viajar e correr: benefícios e equipamento essencial

IMG_20161030_085954.jpg

Adoro correr nos sítios para onde viajo. Seja qual for o motivo da viagem. Quando viajava muito para a Holanda por motivos profissionais, levava sempre o equipamento comigo par uma corridinha matinal ou duas. O mesmo fiz quando fui visitar amigos em Dublin. Agora mais recentemente, numa viagem de negócios, corri no Rio e São Paulo. Que sonho!    

 

Como já vos contei, encontro-me na Tailândia uns meses. Vim mudar de ares e conhecer um mundo novo enquanto mantenho o meu trabalho, mas remotamente. É claro que trouxe o meu equipamento! Os benefícios de correr enquanto viajamos são vários.

 

Fazer desporto em viagem... as minhas 3 respostas para 3 perguntas

IMG_20150527_063557.jpg

 

Por João Gonçalves:

 

Todos nós em alguma altura da vida, já tivemos de fazer uma viagem seja ela de trabalho, férias ou uma outra de outro qualquer motivo, confesso que eu nos últimos tempos tenho viajado algumas (muitas) vezes, o que leva que o lado desportivo da minha vida seja afectada, contudo criei algumas rotinas ou truques para que este impacto seja minimizado, rotinas e truquees que venho partilhar convosco respondendo para isso a 3 perguntas básicas - Porquê? Quando? e Como? - é certo que alguns de vocês terão as vossas, estas são as minhas, logo, caso queriam partilhar as vossas por favor comentem.

 

IMG_20150623_145416-2.jpg

 

Porquê?

 

No meu ver a pergunta mais fácil. Porque é que é importante fazer deporto, mesmo quando viajamos?

 

Ponto 1. Para além de todo o blá blá clássico que o desporto faz bem etc, etc no meu caso e sendo uma pessoa especialmente ativa, fazer desporto é importante pois ajuda-me a manter-me focado bem comigo mesmo e acima de tudo retira-me a sensação quase depressiva e de culpa de “não ter ido treinar”, não sei que sei se isto vos acontece ou não, mas quando deixo de treinar por alguns tempos, parece que a minha mente está constantemente a lembrar-me disso e quase como me castigasse de me estar parado.

É certo que, quando estamos fora do nosso ambiente, nunca treinamos da mesma forma do quando estamos “em casa” ou por falta equipamento ou porque não conhecemos o local ou porque temos menos tempo – sei disso e tenho consciência que isso acontece – mas o facto que não o fazer com a mesma intensidade, deixa-me bem pior do que não o fazer mesmo.

 

Ponto 2.  Fazer desporto e sair do hotel onde estamos hospedados é uma excelente forma de conhecer a cidade ou local, é certo que nunca não iremos conhecer ao pormenor desta forma, mas dá-nos a precessão dos locais ou pontos de interesse que gostaríamos de visitar com mais tempo ou este ou aquele restaurante ou bar onde gostaríamos ir comer ou beber um copo e garanto que já tive agradáveis surpresas com esta atitude.

 

image.jpeg

 

Quando?

 

Sim, esta depende do contexto.

 

Falando de viagens de trabalho e tendo em conta que estamos trabalhar durante o dia, restamos duas opções ou de manhã antes de ir trabalhar ou ao final dia, dentro destas duas opções dou preferência á primeira, antes de ir trabalhar – até porque como viajo algumas vezes para fora do pais, aproveito o efeito que o “jet lag” tem em mim que não me deixa dormir muito e assim aproveitar de uma maneira proveitosa essas insónias deixando-me assim livre o final do dia o que possibilita também, o poder aceitar algum convite conviver um pouco com os colegas de trabalho noutras geografias e assim promover um pouco o networking.

 

image (1).jpeg

Como?

 

Mais uma vez, esta é apenas história a minha experiência sobre o tema, mas normalmente tenho 3 opções.

 

Opção 1. Sair para correr, esta é mais simples mas requer aqui alguns cuidados, no que toca ao conhecimento que temos ou não do local, se o conhecemos bem à partida não temos grandes problemas, senão conhecemos encontramos o risco de nos perdermos, desta forma, costumo traçar um percurso simples e fácil de memorizar através das habituais ferramentas de mapas que todos nós utilizamos e seguir esse traçado, sempre com algum dinheiro e o cartão do hotel no bolso, para caso seja necessário regressar de táxi. Como alternativa ou complemento, hoje em dia também é comum os hotéis disponibilizarem tracks de percursos, tracks estes que tem um tema associado, i.e. história, natureza, que nos permite, lá está! Conhecer melhor a cidade onde estamos.

Uma outra excelente forma de responder a esta opção é entrar em contacto com uma crew local e marcar se possível um treino em conjunto.

 

Opção 2. Utilizar o ginásio do hotel, confesso que esta é aquela que menos me agrada e consequentemente a que menos uso, pois estas facilidades nos hotéis são sempre algo deprimentes e despovoadas o que leva a uma desmotivação e falta de empenho.

 

Opção 3Fazer exercício no quarto, isto mesmo... saltar da cama e seguir uma rotina de treino, tomar um banho é uma excelente forma de começar o dia, confesso que a uso bastante vezes, para além disso ando sempre com o meu conjunto de elásticos, corda de saltar e TRX que me ajudam a ter mais opções, contudo estes não são necessários para criar um treino rápido e eficaz que pode ser executado com o mínimo de espaço – como exemplo partilho aqui uma rotina de treino de “core” para cuidar dessa zona média e preparar esse six-pack.

 

image (2).jpeg

Rotina de Abdominais

Repetir entre 2 a 3 vezes com descanso de 90 segundos

  • 1m Prancha Completa (posição elevada de uma flexão de braços)
  • 30 segs Prancha com o apoio dos cotovelos
  • 1m Prancha com o apoio dos cotovelos com um dos pés elevados (30 seg com cada pé)
  • 1m Prancha Lateral (30 seg em cada lado)
  • 30 segs Prancha Completa (posição elevada de uma flexão de braços)
  • 1m Prancha com o apoio dos cotovelos


Porque é que ter os abdominais fortes é tão importante para um corredor?

A resposta é simples, primeiro grande parte da nossa força advém da nossa zona média - abdominais e lombares - logo quanto mais forte tenhamos esta zona mais força teremos, mas não só, esta zona é a responsável por suportar a nossa coluna, logo ajuda a que consigamos uma postura mais correcta e firme proporcionando um maior equilíbrio, também ao executar esta função de suporte da nossa parte superior e equilíbrio, liberta força das nossas pernas desta função, que vai permitir que esta seja canalizada na quase na sua totalidade para "correr".

Como disse, esta é a minha visão sobre o tema, vocês certamente terão a vossa e gostaria de saber qual é…

 

Costumam fazer desporto em viagem? 

 

Fico à espera, bons treinos.

A experiência de correr em Kyoto

20131106-134737.jpgPelas redes sociais tomei conhecimento que a corredora Carmo Moser esteve no Japão, mais concretamente na cidade de Kyoto. Tratando-se de um destino tão longínquo e de uma nação "corredora", pedia-lhe para escrever umas breves linhas e fotos sobre a sua experiência na terra do sol nascente. Aqui estão:Por Carmo MoserSe há coisa que me dá prazer, é poder correr enquanto viajo. Viajar e correr estão no topo da lista das coisas que mais gosto fazer! E a minha última viagem não foi excepção! Tive o privilégio de correr num dos países que mais me fascina: o Japão. Foi uma experiência inesquecível!O Japão é um outro mundo, em todos os sentidos! Não conheço país tão organizado, com um povo tão educado, tão pontual, tão impecável. Fiquei fascinada! E este fascínio estendeu-se à minha experiência de corrida neste país!A caminho de Kyoto, durante a viagem de avião, pus-me a pensar como seria treinar enquanto lá estivesse: se seria seguro correr sozinha, se os percursos seriam tranquilos ou caóticos, se iria encontrar só estrada ou se conseguiria fazer uns trilhos, se haveria muita gente a correr ou não...Nem de propósito, mal cheguei ao quarto do hotel, tinha à minha espera um folheto com percursos recomendados para corrida, indicando os pontos de interesse durante o caminho, as casas de banho públicas mais próximas (uma indicação sempre muito útil!) e com pequenos detalhes deliciosos, como o sítio onde encontrar determinados passarinhos, cogumelos, plantas ou árvores.Logo aqui fiquei com a ideia que os japoneses “não brincam em serviço”. Que organização!Todos os dias por volta das 6:30 da manhã corri tranquilamente por parques fabulosos, no meio de árvores lindas, a ouvir os passarinhos a cantar; corri junto ao rio Kamo, que nuns dias parecia calmo e inofensivo e noutros tinha uma força brutal; corri no meio das ruelas de Kyoto, onde consegui apreciar verdadeiramente a cidade, sem turistas, nem grandes confusões; sempre na companhia de muitos outros corredores, praticamente só japoneses, todos equipados “até aos dentes”, que o Japão é um verdadeiro atentado para a carteira de qualquer corredor, tal é a quantidade e diversidade de material de corrida que existe à venda!Só tive pena de não conseguir fazer uns trilhos no meio das montanhas! Mas isso fica aqui apontado na lista das coisas que um dia gostava de vir a fazer!20131106-134445.jpg20131106-134806.jpg20131106-134832.jpg20131106-134840.jpg

Pela experiência de correr no estrangeiro

LOGOO mercado do running está a crescer e com isso a surgirem negócios nos mais variados ramos dedicados aos corredores.O Correr Na Cidade publica aqui um excerto de um entrevista à agência de viagens e eventos desportivos Move Run que recentemente lançou um serviço especializados para levar corredores a participarem em Maratonas e Meias Maratonas internacionais. A entrevista, à responsável pela divisão de running do negócio da Move Sports, Filipa Viera, será publicada na integra na edição nº2 da Skywalker Magazine.

Como surgiu a ideia de se especializarem no running?Move Run: A corrida ao final da tarde e a participação em provas de estrada já faziam parte do quotidiano de alguns elementos da empresa mãe, a Move Sports. A nossa agência é a agência de viagens oficial da EDP Meia Maratona de Lisboa e da Rock ‘n’ Roll Lisboa e, ao sermos especializados e experientes em turismo desportivo chegámos à conclusão que deveríamos apostar no mercado do running face ao crescimento que se tem vindo a verificar nesta modalidade e também pela ausência de uma agência de viagens em Portugal que trabalhasse especificamente para a corrida. Possuímos a experiência e as ferramentas indispensáveis para levar corredores a maratonas e meias maratonas internacionais.Que tipo de serviços disponibilizam?Elaboramos pacotes de viagem completos que reúnem, essencialmente, serviços de qualidade para que os corredores não se preocupem com a logística da viagem e que estejam focados na prova para que usufruam ao máximo. Incluído nos nossos pacotes está o alojamento com pequeno-almoço em hotel localizado no centro da cidade, passagem aérea, transfere de aeroporto, registo e dorsal da prova e, claro, a nossa assistência durante toda a estadia. Disponibilizamos também de pacotes de viagem para não corredores, família e amigos dos participantes. Excursões pelas cidades estão igualmente na nossa lista de serviços.Qual a mais-valia dos corredores optarem pelos vossos serviços ao invés de irem sem agência para essas provas?A principal vantagem diz respeito à tarifa que conseguimos junto dos nossos parceiros, que nos permite escolher os melhores roteiros possíveis ao preço mais competitivo. Regra geral, o preço do pacote de viagem torna-se mais competitivo com o aumento do número de pessoas para reserva pois o custo unitário dos serviços reduz. Os participantes ao se inscreverem connosco têm a reserva facilitada e a participação na prova garantida, para além de que, não têm que gerir o seu tempo diário para tratarem de toda a logística que uma viagem destas requer.O que procuram os corredores em provas de outros países?Procuram sobretudo experiências positivas. O turismo de corrida em Portugal é algo novo pois só recentemente se viu o boom de adesão à corrida. A experiência envolve a participação na prova em si e sentir o ambiente entusiástico ao longo de todo o percurso, por isso escolhemos as melhores provas. Participar numa prova internacional é também correr com milhares de pessoas de outros países o que torna a participação muito mais interessante e motivadora.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D