Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correr na Cidade

Race Report: o regresso a Casaínhos

Por: Sílvio Horta

23415633_1505343376213655_1487421166569448613_o.jp

Voltei a esta prova pelo segundo ano consecutivo porque é uma prova relativamente curta (15km), de trail e perto de Lisboa. Uma factor adicional para participar é o facto de ser quase uma prova familiar com montes de caras conhecidas do mundo das corridas como o Filipe Torres, o Luís Sommer Ribeiro, o Miguel Serradas Duarte e a restante pandilha do Monsanto Running Team e a malta do Correr na Cidade (o Tiago Portugal, o Pedro Luís e a Bo Irik).

 

Apenas uma semana depois da Maratona do Porto, sentia-me estranhamente solto. Como saí de casa à pressa levei apenas o essencial para a prova: t-shirt, calções, meias, sapatilhas e relógio. Depois de umas quantas fotos da praxe e de pôr a conversa em dia, coloquei-me no meio de pelotão para a partida. Saí forte para conseguir progredir bem a partir do 2km onde começava uma série de single tracks.

WhatsApp Image 2017-11-17 at 12.15.44.jpeg

A prova começa a subir praticamente desde início (600m). Ao 3km chegámos ao ponto mais elevado da prova com 362m. No topo estava um pouco de vento fresco o que permitiu refrescar. Descemos um pouco para voltarmos a subir novamente. Caminhei a primeira vez numa curta subida para recuperar o fôlego. Após essa subida tivemos um bom período em que estivemos a descer por um single track algo técnico com alguma pedra solta e inclinação lateral.

 

À entrada do Parque Municipal do Cabeço de Montachique estava o primeiro abastecimento. Sem parar de correr retirei um copo com água e continuei a “dar-lhe gás”. Após o abastecimento tivemos um km em que estivemos sempre a descer no terreno até surgir uma nova subida com cerca de 800m de extensão. A partir daí tivemos um período onde estivemos a descer numa extensão de quase 2km até ao ponto mais baixo da prova (136m) por um estradão com muita pedra solta.

WhatsApp Image 2017-11-17 at 12.15.37.jpeg

Felizmente o dia estava seco e o piso não estava escorregadio. Chegámos então ao ex-libris da prova: uma parede colossal para escalar. Esta parede está disfarçada, no início só conseguimos ver apenas metade da subida e quando chegamos a meio do percurso é que vemos que vamos sensivelmente a meio da escalada. Como já conhecia o percurso, fui subindo sem olhar muito para cima. Ia também distraído pelo alvoroço que ia a decorrer atrás de mim já que a malta dos esquilos vinha em amena cavaqueira dizendo piadas uns aos outros. Neste grupo vinha também um atleta que ia a incentivar o pessoal, a dizer coisas como “vamos pessoal”, “força campeões”, “está quase”! Passou por mim e por mais uns quantos que iam à minha frente e quando chegou ao topo sentou-se e começou a puxar pelos outros que iam a trepar a parede.

 

Não sei se foi por ir distraído com a conversa do pessoal que ia atrás de mim ou se estava melhor preparado, mas este ano esta parede pareceu-me mais uma subida do que uma parede! No topo havia um abastecimento onde aproveitei para beber água, comer 2 cubos de marmelada e levar um pedaço de laranja. Aproveitei o km seguinte, o 10km, para recuperar visto que era a descer. Surgem depois uma série de pequenas rampas onde optei por caminhar para recuperar para o resto da prova.

WhatsApp Image 2017-11-17 at 12.15.34.jpeg

De seguida, novo km novamente a descer estando já muito perto de Casaínhos. No entanto, sabia que a prova ainda estava longe de acabar e que ainda havia mais umas quantas subidas reservadas. Durante toda a prova, e em especial no atravessamento de estradas, havia muitas pessoas da organização a indicar o caminho ou a parar o trânsito. Transpostas 2 subidas já se via o campo de futebol ao longe, no entanto, ainda faltavam cerca de 2km para o fim. Na última subida estava o primeiro classificado que já tinha acabado a prova, o Hélio Fumo, a apoiar o pessoal. O atleta que ia à minha frente tropeçou numa raiz ou numa pedra e deu uma queda valente. Apesar disso levantou-se rapidamente e seguiu por isso pensei que estaria bem e segui também. Cheguei à meta com um tempo final de 1h35m tirando praticamente 4 minutos ao tempo do ano passado. 

 

Até para o ano!

Venham correr nos Trilhos de Casainhos

No ano passado, em Novembro fiz a minha primeira prova em trilhos, um trilho pequeno, os 15 km dos Trilhos de Casainhos, organizados pelo Sporting Clube de Casainhos. Até lá a minha única pseudo-experiência em trilhos tinha sido na prova Corre Jamor, que aqui e ali nos brinda com lama e terra na Mata do Jamor. Apesar de ser rídiculo chamar essa prova de trail, foi para mim a primeira em que participei com um piso diferente do alcatrão, pela Mata do Jamor.


Mas falando de Casainhos, e como relatei aqui, e apesar de me ter lesionado nessa prova, fiquei apaixonado pelo seu percurso simpático, rápido mas exigente - na altura até achei "duro".

Para quem não sabe, Casainhos fica ali a norte de Loures, perto da vinícola Bucelas. Ou seja, a menos de 30 minutos de distância de Lisboa. Melhor é impossível! 

O trilho não é complicado. Tem duas subidas interessantes mas é rolante e diversificado. É a prova ideal para quem está com curiosidade de experimentar uma prova de Trilhos. Porque nunca se estreou ou porque está farto de treinos e quer experimentar uma prova oficial mas ainda não se sente preparado para trilhos mais longos.


É um daqueles trilhos que nem sequer vale a pena levar mochila de hidratação. Um simples cinto de hidratação com água ou bebida isotónica (caseira ou industrial) é mais que suficiente. Talvez um gel para quem se sentir menos em forma, ou goste.


Nós, no Correr na Cidade vamos em bando! Pouco falta para a crew inteira marcar presença, vai ser um road crew trip bem perto de Lisboa, mas certamente muito divertida. Os preços são muito acessíveis (cerca de 7,5€ sem almoço ou 12,5€ com almoço), como podem ver aqui.


Não, não temos acordo nenhum com a organização e mesmo existindo benfiquistas e portistas na crew achamos que clubes como o Sporting Clube de Casaínhos devem ser ajudados no esforço e na simpatia que colocam nestas provas. 


Queremos desafiar-vos a virem correr pelos Trilhos de Casainhos com os vossos amigos, com as vossas equipas ou com a vossa crew. É já no dia 9 de novembro. E vai ser bom!

 

 

 

 

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D