Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correr na Cidade

Está aí o Louzan Trail - Entrevista com o Ultra Luís Mota

 

Já aqui falámos num dos grandes desafios, que estão na mira da Crew do Correr na Cidade. Um irá ser o UTDP, mas existe outro que nos anda a entusiasmar ao ponto de toda a Crew estar a preparar uma grande road trip até ao Louzan Trail  2014.

 

Esta prova, a realizar no dia 21 de junho na Lousã, conta nesta edição com três distâncias: Trail Longo 33km e 1700 de D+, Trail Curto de 15km e Caminhada de 10km. Assim com o apoio do Montanha Clube de Trail da Lousã, fomos entrevistar esse grande Ultrarunner de seu nome Luís Mota, padrinho do Louzan Trail 2014.

 

1. Quem é o Luís Mota? 

  • Luís Mota
  • 9/4/1970
  • Casado
  • Tomar
  • Licenciado em Ensino da Educação Física/ Mestrado em Educação e Comunicação Multimédia
  • Profissão: Professor

2. Como é que começou a correr?
Corro desde a minha juventude. Durante vinte anos a minha modalidade foi o “Futsal”,  participando apenas na prova da minha terra “Três Léguas do Nabão”, sendo totalista (31 edições).

O desporto está ligado à minha história de vida. Todo o tempo que tenho disponível é dedicado ao treino.


3. Qual o ponto mais alto da sua carreira até agora?
 

O ano passado foi um ano muito bom onde alcancei as minhas melhores marcas em todas as distâncias. Foi um ano que participei na Maratona de Londres, terminei o Ultra Trail do Mont Blanc, venci a primeira prova de 100 milhas em Portugal e sagrei-me Campeão do Circuito Nacional de Ultra Trail, com muitas outras boas participações fazem deste um ano de boa memória.

Confesso que tenho conseguido alcançar bons resultados, mas os principais títulos que consegui foram os muitos Amigos que ganhei neste maravilhoso mundo da corrida.

 

4. O que representa para si o Trail Running?

Uma forma de vida.

 

6. Quem são os seus atletas de referência?

Vitorino Coragem, Jorge Serrazina, José Moutinho e Vítor Ferreira (Laminha).

 

5. Como vê o movimento do Trail em Portugal, com o número de provas a aumentar exponencialmente? o que podemos esperar do futuro? 

No bom caminho. O país tem enormes potencialidades e temos um conjunto de boas organizações. Começa a ser difícil encontrar adjectivos para qualificar a qualidade organizativa das provas em que participo.

 

6. Porque é que decidiu apadrinhar o Louzan Trail?

Quando participei na primeira edição não conhecia pessoalmente os elementos da organização. Após a prova tinha a sensação de ter participado na melhor corrida em Montanha. Desde aí fui criando uma forte amizade com os elementos do Montanha Clube e foram eles que me deram a conhecer esta fantástica Serra. A minha serra favorita de Portugal. Para mim é uma grande honra apadrinhar este evento.

 

7. O que podem os atletas esperar desta prova? (altimetria, terreno, dificuldades)

Esta prova vai deliciar todos os participantes. Estão prometidos os mais belos trilhos da Lousã. A escolha vai ser complicada, dada a quantidade, mas estão prometidos vamos a eles.

 

8. Em termos de treino, qual é o seu plano? Como se prepara para os diferentes desafios?(plano de treino, nutricional, psicológico) Como conjuga, trabalho e treinos?

Planifico mensalmente. Com duas provas alvo e duas a três de preparação em competição. Este ano estou a falhar no alvo e as que seriam de preparação estão a sair melhor. Terei de reformular. Utilizo igualmente a bicicleta de estrada aliada a muitos e saborosos quilómetros.

 

9. Quais são os próximos desafios?

As 100 milhas são o objectivo principal. Primeiro em Portugal, na Serra da Estrela e depois em França, no Ultra Trail do Mont Blanc.

 

10. Uma dica rápida (algo que advenha da sua experiência como atleta que queira partilhar)?

Ninguém é melhor nem pior do que ninguém. Com trabalho, dedicação e respeito conseguimos grandes feitos. No Trail, nem sempre é vencedor quem chega primeiro, cada um de nós tem a sua vitória”. Obrigado. Gostaria de vos receber no Louzan Trail.

 

Unboxing: Salomon X-Scream

Já recebemos os novos Salomon X-Scream para o conceito City Trail da marca. Ténis híbridos que servem para correr na estrada e para os trilhos mais ligeiros, num conceito from door to trail. Serei eu próprio, Filipe Gil, a ter o gosto dos os experimentar. Será a minha primeira experiência com a marca francesa, em breve a minha 1ª impressão, para já o respectivo unboxing.

 

Entrevista com André Rodrigues: " O INATEL Piodão Trail Running é realizado num local mágico como existem poucos em Portugal"

 

Esta semana estivemos à conversa com André Rodrigues, o padrinho da 2ª Edição do INATEL Piodão Trail Running.

 

 

1. Quem é o André Rodrigues?  

 

O André é mais um desses senhores, a quem chamam malucos, que preferem passar os fins-de-semana perdidos no meio da serra, ao invés de ficarem em casa, confortavelmente instalados no sofá ou a ir passear para Shopping.

Para além disto, sou licenciado em Ciências do Desporto e desde o início de 2014 que trabalho na Juventude Vidigalense.

O meu percurso como atleta resume-se ao futebol, que pratiquei durante as camadas jovens, seguido de alguns anos em que fiz absolutamente nada, até descobrir o gosto pela corrida.

 

 2. Como começou a correr? 

         

Descobri a corrida apenas em 2012, apesar de em miúdo ganho algumas provas de corta-mato, na altura, essencialmente o que queria era “bola”. Nesse mesmo ano tive o meu primeiro contacto com o Trail, através de uma prova realizada em Espanha denominada Trail Aneto, que me deixou completamente abismado e com muita vontade de participar de uma forma mais séria. Por outras palavras, basicamente conheci a corrida como Trail, nunca tendo participado em mais nenhuma outra variante.

No final de 2012 experimentei os 21K da Serra D’Arga, onde alcancei um segundo lugar e aí senti como tivesse sido injetado com uma “droga”, não consegui parar mais.

 

 


 3. Qual foi, até agora, o ponto mais alto da sua carreira?

Por mais estranho que possa parecer, o momento que guardo como mais alto na minha memória, foi o meu pior resultado desde que corro, um 4º Lugar nos Trilhos dos Abutres 2013. Entrei nesse Trail de 47K sem nunca na vida ter corrido mais de 30K, aliás, provas a “sério” só tinha feito até aquela altura, a Serra D’Arga 21K. Assim, o meu objectivo para os abutres era simplesmente terminar, no entanto tive a sorte de encontrar o Luís Mota, tendo percorrido com ele cerca de 40k, durante os quais ele me proporcionou um curso intensivo de Trail Running. Acabei por sair dessa prova com um resultado para mim impensável, com uma ideia muito mais real do que era o Trail e de como se corriam estas provas. De salientar que o Luís Mota é um amigo que me apoiou na altura e que sempre acreditou que eu tinha potencial para o Trail.

 

4. O que representa para si o Trail Running?

 

Para mim o Trail é amizade, superação, entreajuda, competição. É uma paixão que une um grupo de pessoas, que apesar de na maioria das vezes nunca se terem visto, exceptuando as fotos do Facebook, quando de encontram são capazes de passar horas a falar como se fossem amigos de longa data.

 

5. Quem são os seus atletas de referência?

 

A nível internacional, os suspeitos do costume, donde destaco o Sage, Killian, Gasperi, Kupricka. Em Portugal vários atletas me inspiram e esses sim são as minhas verdadeiras referências, atletas como o Carlos Sá, o Armando Teixeira o Luís Mota, o Nuno Silva. Destes todos tenho de destacar o Luís e o Nuno. O Luís porque, como já referi, me ensinou e ajudou muito na minha primeira incursão nas provas duras, bem como pelo facto de achar que ele representa a verdadeira paixão pela corrida. O Nuno porque é uma pessoa fantástica e apesar de super competitivo, nunca deixa de ajudar e apoiar quem vai ao lado dele durante as provas, é um atleta com o verdadeiro espírito do Trail

 

6. Como vê o movimento do Trail em Portugal, com o número de provas a aumentar exponencialmente? O que podemos esperar do futuro? 

 

Por um lado é fantástico termos cada vez mais pessoas a praticar Trail e a aderir a estilos de vida saudáveis. Por outro esta massificação da modalidade faz com que muitos olhem para isto apenas como um negócio. Considero que neste momento existe um número exagerado de provas, a maioria delas realizadas em locais sem o mínimo interesse ou com qualquer relação lógica com aquilo que é realmente o Trail. Eu preferia que existissem menos provas mas com mais qualidade.

7. O que tem o INATEL Piodão Trail Running diferente de todas as outras provas?
           

O INATEL Piodão Trail Running é realizado num local mágico como existem poucos em Portugal, é um Trail em que apenas foi necessário definir os pontos interessantes a passar e usar os trilhos que lá estavam, ninguém andou a inventar nada para tornar a prova mais dura porque a Serra do Açor já oferece dureza suficiente só pelo seu relevo (aliás andaram foi a inventar para a tornar mais fácil, porque eu tinha sugerido um track com 50K e 3500D+, e ao que parece vai ser “apenas” 2900D+). É uma prova que merece ser feita em ritmo lento para se poder apreciar bem os locais por onde se vai passar, a cada KM existe algo de novo e maravilhoso.

 

 

8. O que podem os atletas esperar desta prova?

 

Apenas sei que podem esperar uma das provas mais bonitas de Portugal, com muita dureza à mistura. De resto como estou em Leiria agora, não tenho tido oportunidade de ajudar no terreno e não sei ao certo os caminhos finais, conhecia apenas os percursos que eu sugeri, mas pelo gráfico vai ser diferente e em sentido inverso. O que é bom, porque assim também eu poderei ser surpreendido com algum recanto que não conheço.

 

9. Em termos de treino, qual é o seu plano? como se prepara para os diferentes desafios?(plano de treino, nutricional, psicológico) Como conjuga, trabalho e treinos?


Os meus planos de treino são criados por mim e variam muito dependendo do tipo de prova que vou fazer. A nível nutricional sou um desastre, só como porcaria… e a nível psicológico não penso nisso, sou muito despreocupado, não me meto a fazer grandes teorias antes das provas. Ao início não conseguia dormir na véspera das provas, mas agora já me habituei à rotina e não se passa nada.

10. O que podemos esperar do André no futuro?

 

Podem esperar que enquanto eu tiver saúde, vou andar ai aos saltos no meio das provas e a perder-me em quase todas elas.

 

12. Uma dica rápida?
O descanso é a parte mais importante de um plano de treino! Ah, e as dores que sentem no dia a seguir a uma prova... não são do ácido lático…

 

 

 

 

 

INATEL Piodão Trail Running 2014

O Correr na Cidade associa-se à Fundação INATEL e à Associação O Mundo da Corrida para trazer o melhor do Trail Running em Portugal.

 

Querem conhecer melhor o INATEL Piodão Trail Running 2014,  aqui fica a história de uma prova que já marca o calendário desta modalidade  em Portugal.

 

 

 

Em 2013 a Fundação INATEL e a Associação O Mundo da Corrida associaram-se na organização conjunta de uma prova de Trail Running, aproveitando, por um lado, a grande experiência que a Associação O Mundo da Corrida apresenta na organização provas de Trail Running em Portugal e, por outro lado, no passado ligado ao desporto aventura, tendo sido uma das principais impulsionadoras em Portugal, da Fundação INATEL.

 

O local escolhido para o primeiro evento de Trail Running da Fundação INATEL não podia ser mais apelativo para os amantes desta modalidade: a aldeia histórica do Piodão. Não existindo nenhuma prova, até essa data, na região, e possuindo a Fundação INATEL uma unidade hoteleira nesse local, rapidamente se verificou que seria um local de eleição para se avançar com a organização da prova.

 

Classificada como imóvel de interesse público e integrando o projeto das Aldeias Históricas de Portugal, o Piodão viu o seu conjunto urbanístico salvaguardado, preservando e requalificando as casas da aldeia, apresentando uma paisagem única de casas de paredes de xisto e telhados de louça que trepam, com uma disposição típica de povoamento de montanha, a bela Serra do Açor.”.

 

Foi com esta paisagem em pano de fundo que, a 26 de Outubro de 2013 se realizou a primeira edição do INATEL Piódão Trail Running, com a presença mais de 250 participantes distribuídos pelas duas provas: 42km e caminhada de 15km. Esta edição, como não podia deixar de ser, levou os participantes aos pontos emblemáticos da região como o alto do Monte Colcurinho, a 1200 metros de altitude, aldeia de Foz de Égua e, naturalmente, o centro da aldeia do Piodão.

 

Aproveitando o entusiasmo que esta prova despertou junto da organização e dos participantes, mesmo antes da realização da mesma, durante esta primeira edição foi lançada, a todos os presentes, a segunda edição do INATEL Piódão Trail Running que se realizará já no próximo dia 29 de Março de 2014.

 

Estando ainda a decorrer o período de inscrição nesta prova, a edição de 2014 contará com algumas novidades relativamente à primeira edição. Para além do UltraTrail crescer para os 50km, haverá uma prova com distância mais curta de 21km. Tal como em 2013, também será realizada uma caminhada de 15km.

 

Indispensável é o apoio das várias entidades, como a Câmara Municipal de Arganil, a Junta de Freguesia do Piódão, a Junta de Freguesia de Côja, o Projeto AçorNatura, a Associação Aldeias Históricas de Portugal, a Água Serra da Estrela, a GoldNutrition, a SportLife, a Boutique da Tuxa, a Saber Intemporal, o Café “A Gruta” e o Solar dos Pachecos, que já se associaram ao INATEL Piódão Trail Running.

 

Mais informações em www.inatel.pt e www.associacaomundodacorrida.com.

E os vencedores são? - Louzan 1000

 

Aqui ficam os resultados do passatempo , no qual o Correr na Cidade e o Montanha Clube Trail da Lousã ofereciam dois dorsais para o Louzan 1000

 

1º Classificado - André Oliveira com 171 Likes

 

 

2º Classificado - Rui Gomes com 141 Likes

 

 

 

3º Classificado - David Clemente com 95 Likes

 

 

 

Parabéns aos vencedores!!

 

 

Os heróis de Montejunto

1383357_378999728897097_645888708_n

No próximo domingo realiza-se o Trail da Serra de Montejunto , organizado pelo Clube de Desporto e Turismo de Natureza. Uma prova de 44 ou 20Km pela  serra de Montejunto. Prova (a mais longa) que conta para pontuação para o Ultra Trail du Mont Blanc.O Correr Na Cidade vai mais uma vez correr nos trilhos e estará representado por dois bravos corredores que vão fazer a distância maior pela primeira vez. O Stefan Almeida e o Pedro Tomás Luiz vão fazer esta distância. Está prometido que à medida que a prova vai decorrendo eles irão "postar" algumas imagens do percurso. Por isso, este domingo já sabem. Se a tecnologia deixar, pode ser quase "em direto" esta prova de trail pelas fotos do Pedro.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D