Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correr na Cidade

Duratrail 2017: uma aventura a três

22851824_1491592797588713_2445408669733022221_n.jp

O Duratrail, já na sua 5a edição este ano, é uma uma referência nacional e faz parte do Circuito de Trail Running Nacional. A prova que decorreu no fim-de-semana passado não deixou nada a desejar.

 

Desde a comunicação pré-prova, ao levantamento dos dorsais, à sinalização, abastecimentos e zona da meta e partida... tudo impecável. De facto, não tenho nada a apontar. A simpatia dos voluntários condizia com o calor do sol que se fez sentir no Parque Urbano de Albarquel em Setúbal, junto o Rio Sado.

WhatsApp Image 2017-10-30 at 19.07.01.jpeg

O Duratrail este ano teve duas distâncias. Estava inscrita nos 30km mas decidi mudar para os 18km. Houve dois motivos que me levaram a esta decisão: primeiro a falta de treino de distâncias maiores e segundo porque iria ter uma companhia especial - o meu namorado estreou-se nos trilhos no Duratrail!

 
"E o terceiro elemento?" perguntam-me vocês por causa do título. O terceiro elemento foi o meu novo TomTom Adventurer. Já tinha tido o privilégio de correr com este relógio no âmbito de uma ultra maratona e agora fui convidada a ser embaixadora da TomTom em Portugal. Giro, né? :) (Quem ainda não leu, pode ver a minha review aqui). A prova correu super bem e a companhia foi ótima :)

WhatsApp Image 2017-10-30 at 19.07.08.jpeg

No entanto, é certo que foi  a primeira e última vez que corri uma prova de trail com o Xiko, pois ele é muito mais rápido que eu! Prinicpalmente nas subidas, o Xiko voava enquanto eu penava. Muito querido foi ele em ter esperado e puxado por mim. Pois, nos últimos 4km de prova, quebrei. A primeira parte fiz sempre a puxar, a tentar acompanhá-lo mas sabia que não ia aguentar muito com o relógio a indicar pulsações acima dos 170 bpm nalguns troços. Além disso, não tenho estado muito fit ultimamente, com sintomas de quem trabalhou demais nos meses de verão (mas isso passa!).
 
O Duratrail é lindo. Os trilhos, muito single tracks, são muito giros e com alguma tecnicidade. As paisagens, o típico "entre a serra e o mar" da Arrábida dão nos energia quando precisamos e a simpatia dos voluntários e espírito entre participantes foi muito bom! Antes de chegar à meta ainda corremos uns 100m pela praia! Que maravilha! E a zona da meta (e da partida) no Parque Urbano de Alburquel é perfeito. Cruzar a meta com o Sado ao nosso lado é lindo! A cereja no topo do bolo foi a panóplia de barras energéticas e bebidas isotónicas que nos esperavam na meta e ainda um belo almoço de massada de choco com uma imperial! Ah, e nada melhor do que um banho para agradecer às nossas perninhas!

IMG_20171028_115331.jpg

Obrigada Duratrail e até para o ano!

Como Santa Maria me conquistou novamente: Columbus Trail 2017

17015144_1491639287545314_870225465_o.jpg

Já devem estar fartos de ouvir que adoro correr nos Açores. Se sim, não leiam este post porque vou voltar a repetir: adoro correr nos Açores. É fevereiro e no mês de fevereiro nos Açores corre-se na Ilha de Santa Maria com o Columbus Trail, organizado pelo Azores Trail Run.

 

Já o ano passado tive o privilégio de participar na primeira edição do Columbus Trail e, na minha race report, disse que gostava de voltar. Assim foi. Na sexta-feira apanhei o avião até Ponta Delgada e, depois de uma escala de cinco horas que aproveitei para trabalhar num café no centro da cidade, apanhei a conexão para a Ilha do Sol – Santa Maria.

 

Race Report: Conquistar Santa Maria no Columbus Trail

ColumbusTrail16 (5).jpg

Fantástico. Deslumbrante. Um paraíso. Nem tenho palavras para descrever o que senti o fim-de-semana passado. Foi um fim-de-semana dedicado aos trilhos e à amizade nos trilhos, participando no Columbus Trail, uma maratona de trilhos e uma ultra maratona pela ilha de Santa Maria, Açores.

 

A organização do Azores Trail Run, capitaneado por Mário Leal, estreou-se na ilha do Faial em 2014 e depois de conquistar também os trilhos do Triângulo (Faial, São Jorge e Pico), desta vez for a Ilha Mariense a ser explorada pelos trail runners. Foram cerca de 88 participantes que exploraram 42 ou 77km da ilha mais ocidental do arquipélago, a ilha de Santa Maria. A prova dos 42km era igual à dos 77km, sendo que esta última, continuava, completando uma volta completa à ilha, com partida e chegada no centro da Vila do Porto.

ColumbusTrail16 (7).jpg

De forma a aproveitar bem a ida ao arquipélago, apanhei o voo de 6ª feira de manhã à Ponta Delgada, São Miguel, para, depois de uma escala de cinco horas, apanhar outro vôo a Santa Maria. A escala em São Miguel foi aproveitada ao máximo. Contratei um serviço de visita guiada de carro com pickup no aeroporto, para...

 

Recordar a melhor prova de trail running do mundo!

Por Filipe Gil

E como é domingo publicamos um vídeo daquela que é a melhor prova de trail do mundo: a Western States 100, com já aqui o tinha afirmado. Este vídeo é da edição de 2015, que decorreu no passado sábado/domingo na Califórnia. Mesmo que discordem, vejam o vídeo são 5 minutos de puro prazer que nos faz desligar o computador e ir correr para os trilhos. Mas cuidado com o calor. Leiam ou releiam aquilo que escrevemos há uns tempos. 

Western States 100: a prova que fez nascer o trail

gordy-ainsleigh-western-states-100_h.jpg

Por Filipe Gil:

 

Este sábado, pelas 13h em Portugal, cerca das 04 da manhã na Califórnia (e quando alguns de vós lerem este post já os ultra corredores partiram) começa mais uma edição de uma das provas, senão a prova, mais mítica do trail running: a Western States 100 Endurance Run. Uma prova de 100 milhas – cerca de 160 quilómetros - que leva os corredores de Squaw Valley, no estado norte-americano da Califórnia, até Auburn, também na Califórnia.

 

Os corredores vão seguir os já “históricos” Western States Trails” e vão subir mais de 18 mil pés, que em quilómetros dá mais ou menos como 5486 metros.

profile-map.jpg

Esta é também das provas mais difíceis de entrar. Há várias maneiras. O top 10 masculino e feminino tem presença garantida. Depois há uma série de provas nos Estados Unidos que classificam para a WS100 (como a do vídeo que colocamos aqui neste post, onde o Ginger Runner tenta a sua sorte.).

 

Há ainda a loteria que torna ainda mais difícil entrar nos escolhidos para esta prova. Tudo começou em 1974/75, como já aqui escrevi várias vezes e como também o vídeo seguinte explica.

 

 

O senhor do vídeo é o mesmo que está na 1ª foto deste post (preto e branco). Esta prova, para mim é um sonho, se calhar impossível de concretizar, mas é um sonho.


Se me perguntassem: “escolhe uma prova, de estrada ou trail, que quisesses fazer em qualquer parte do globo, da Austrália a Tóquio, da Maratona de Nova Iorque, Chicago e a da Muralha da China”, aquele que iria escolher seria esta a 100 Western States 100 Endurance Run. Está na minha Bucket List. Sei que será muito difícil um dia fazer a prova, mas a vida é feita de sonhos, não? É que já me vejo a ir com a família à California, alugar uma daquelas pick ups e fazer as 100 milhas. 

 

Para os interessados na prova, podem seguir, ao vivo, o desenrolar da mesma no site oficial da prova. Sendo que para este ano há espetativas de como se comportaram os vencedores do ano passado, que foram o rápido Rob Krar, nos homens e Stephanie Howe nas mulheres. É uma prova ao estilo americano, pouco técnica, muito corrível, mas com alguns obstáculos interessantes.

377_ESCO_WSER14.jpg

Quem gosta de trail, hoje é dia da prova rainha. Boas corridas.

 

 

Trail Monte da Lua: um dia excelente!

A Dream Team: Eu, Patrícia e Diogo! (Foto por Paulo Jaime)

 

Sábado, 6 da matina e toca o despertador. Tal como o Diogo Conceição disse: “em vez de se estar a deitar vindo do SBSR (...) vai galgar a Serra de Sintra”. São escolhas. E não me arrependo da minha :)

 

Combinei com o Diogo e a Patrícia que iríamos fazer a prova juntos, pois, nos treinos CnC das semanas anteriores descobrimos que temos os três mais ou menos a mesma pedalada. Fizemos bem. Formamos uma excelente equipa, do início ao fim uns a puxar pelos outros! Sem objetivos de tempo, apenas com a intenção de fazer aquilo que gostamos - correr em trilhos - , lá fomos aos K25 do Monte da Lua.


Em poucas palavras: ambiente espetacular, prova gira e que desfrutamos bem e, após aplaudir a chegada dos últimos dos K25 e primeiros dos K50, um excelente piquenique organizado pelos Tartarugas. Foi um dia muito bem passado; um dia daqueles que nos faz manter o sorriso na cara dos dias seguintes.

Em relação à prova, a comunicação da mesma (facebook, emails, website) foi muito boa e simpática e os horários foram cumpridos. Contudo, para uma prova de K25 por €22, penso que a qualidade dos abastecimentos (eram duas e não tinham água isotónica) e a sinalização (ajudei uma pessoa a não perder um desvio que não tinha visto) deixaram muito a desejar. Por outro lado, o percurso, pelo menos o do K25, e na minha opinião, “não foi nada de especial”, penso que Sintra tem muito mais a oferecer daquilo que vimos, mas pode haver pessoas que não concordam comigo, é claro. Por fim, na Praia da Maçãs, onde se realizaram a partida e chegada (local muito bem escolhido pela sua acessibilidade e beleza), o debrief inicial não se ouviu, pois era uma pessoa a falar para todos os participantes dos K25, sem microfone ou palco (improvisado) e, ao meu espanto, na minha chegada, a água tinha acabado. Acho inaceitável, numa prova que, à grande maioria dos participantes, leva 4 a 5 horas, não haver água na chegada. Passado algum tempo, reabasteceram, mas já foi tarde; alguns amigos já se tinham ido embora. Desiludidos.

 

Resumindo: tive um dia muito bem passado; o espírito de trail é realmente outro. Se volto para o ano? Não sei.

 

Os meus parabéns ao Diogo Conceição e Liliana Moreira que se estrearam nas provas de trilhos! Que venham muitos, muitos mais!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D