Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correr na Cidade

Um dia cheio de provas e novidades CnC

20160925_085656856_iOS.jpg

Ontem foi um dia cheio de provas para os elementos da Crew do Correr na Cidade, e um dia cheio de novidades para o próprio Correr na Cidade.

 

Como já devem ter reparado, estamos a renovar um pouco a imagem do Correr na Cidade e começámos pela atualização do nosso logotipo.

 

Aproveitámos uma das nossas corridas preferidas, a Corrida do Tejo para correr pela primeira vez com o novo logotipo ao peito.

20160925_085102771_iOS.jpg

 

 

Race Report: Serra D'Arga 2015 - Sons of Anarchy

arga2015_01_front

Por Luis Moura:

 

O evento imaginado e criado pelo Carlos Sá para mim é das melhores provas a nível nacional. Muitas vezes temos dificuldade em explicar correctamente, a quem nunca lá foi correr, o efeito que aquele sítio nos provoca.

Sabendo de antemão que nos últimos 3 meses não tenho treinado como habitual para esta altura do ano, e como tal iria sofrer na pele esse défice, resolvi encarar com mais calma este evento.

A minha tática para esta prova iria ser completamente diferente do que tenho feito nos últimos 2 anos. Ir com calma e tentar chegar ao fim sem grandes mazelas passou a ser a principal meta.

 

Antes da corrida

O levantamento dos dorsais este ano foi um pouco diferente. Se até agora nas 4 edições anteriores se podia fazer o seu levantamento no Sábado e no Domingo, para evitar ter 2500 pessoas, ou mais, a tentar levantar o kit de participante no próprio dia da prova, a entrega dos dorsais foi distribuída por 4 locais diferentes do país apenas até Sábado. Claro que no Domingo de manhã às 7h andavam umas almas perdidas a perguntar pelo local de levantamento do kit porque não se aperceberam da alteração desta regra.

arga2015_altimetria

(Altimetria da festa)

 

Chegámos uns minutos mais cedo do que no ano passado e conseguimos estacionar sem problemas. Também o facto de muita gente ter levado o carro directamente para a Montaria afim de fazerem as provas dos 13 ou 23km ajudou um bom bocado a não ter tantos carros no centro de DEM. Também esta foi uma evolução positiva face ao ano passado.

A novidade é que este ano a Liliana também iria participar no evento, neste caso nos 23km e existia algum nervosismo e ansiedade dela antes da prova.

No meu caso, tal como já referi, sabendo de antemão que não estava a ponto para a prova, seria mais de gestão de esforço/ritmo do que uma prova rápida. Mas nunca cometer o erro de virar as costas a Arga!!! Segundo a previsão meteorológica dos dias anteriores, previa-se estar um dia fantástico para correr. E foi...

No caminho ainda apanhámos muito nevoeiro do Porto para Caminha, mas acima de determinada altitude o tempo estava limpo e o manto branco do nevoeiro ficava a nossos pés. Excelente :)

arga2015_04

200.000 malucos à espera da partida :) 

 

Prova

Depois de nos vestirmos, entrar na box para a partida simultânea da prova dos 33k e 53km e os normais abraços e cumprimentos aos velhos amigos destas andanças, lá nos fizemos ao caminho, enquanto a malta dos 23km nos ia batendo palmas e incentivando para o empeno que vinha aí.

Alguma inquietação com o tempo, cá "em baixo" pois estava algum frio e a humidade do nevoeiro também se fazia sentir.

O traçado da prova foi 99% igual ao do ano passado, com pequenas nuances em alguns pontos mas nada de relevante. Sabendo isto, tomei a decisão de fazer a primeira subida e descida ligeiramente mais contido e depois iria gerir conforme o que o corpo me dissesse. Como já era a quarta vez que vinha correr a Arga, a experiência e o facto de conhecer bastante bem os trilhos por onde íamos passar, ajudou a arrumar as ideias e a preparar o plano para a prova.

arga2015_05

Saída de DEM tranquila

 

Primeiros dois km a dar uma voltinha por DEM a fim do pelotão alongar um pouco antes de entrarmos efectivamente na serra. Já no ano passado achei esta ideia excelente, pois permite um ajuste natural e uniforme das pessoas conforme os ritmos antes de atacarmos a primeira subida. É curioso ver pelas fotos a diferença de tempo na segunda passagem pela partida, em que apenas ao fim de 2 km as diferenças entre os primeiros e os últimos já são de vários minutos!!!

arga2015_06

Um rebuçado para quem descobrir a incrivel coincidência que está nesta foto ao km3

 

Lá fui seguindo calmamente, nem rápido nem lento. Nos primeiros 2km ( 9:13min ) ultrapassei algumas pessoas porque parti um pouco mais para o primeiro 1/3 do pelotão e depois quando iniciei a subida decidi não imprimir um ritmo tão elevado e lá fui tranquilo até ao topo.

Algumas caras conhecidas na subida e lá fomos entretidos. Os primeiros 5km feitos em 42min, sendo que o ritmo do 5º km andou pelos 14:00/km, tranquilo e sem forçar. De seguida, 3 ou 4 segundos a respirar e ganhar ar para a descida que vem logo a seguir.

arga2015_08

Era esta a vista quando chegámos ao km5 !!!

 

São quase 5,5km sempre a descer, com mais ou menos inclinação, mas muito rápidos. Aqui o ritmo andou quase sempre abaixo dos 5:00/km, tendo sido um pouco menos no final devido a ter parado no abastecimento para meter água e comer um pedaço de banana.

Quase no final desta descida, depois de sair de São João de Arga, apanhámos uma descida rápida em estradão com pedras pequenas soltas e logo aqui apercebi-me de um pormenor que me iria marcar o resto da prova. As minhas Salomon S-LAB SENSE 3 ULTRA são para mim das melhores sapatilhas para esta prova devido às caracteristicas de "agarre" da sola no granito, mas isto quando eram novas. No início da prova, já com quase 120km em cima, a parte posterior da sola já não estava nas melhores condições, além de que já sentia todas as pedras a bater com firmeza no calcanhar. Foi altura de abrandar um pouco nessa descida e todas estas sensações mudaram completamente a maneira como corri os últimos 30km da prova.

arga2015_07

Ainda a festa ia no início

Começa o sobe e desce

Por volta do km 11 começa a segunda subida da prova, provavelmente "a mais fácil". Mais fácil porque não é tão técnica ou granítica como todas as outras e, além disso, ainda vamos frescos do início da prova. São 5km a subir até chegarmos à floresta encantada, passando por sítios paradisíacos e que vale a pena passar com calma num passeio. Depois descemos cerca de 100 metros em pouco mais de 1 km por calçada romana que tem este hábito esquisito de rebentar os pés e as pernas de quem anda rápido. Não sei porquê :)

arga2015_15

(Quem? Eu?!?)

 

Abastecimento aos 17km na bela aldeia de Arga de Baixo com as suas paisagens verdejantes muito envolventes, mesmo junto a uma encosta seca e árida da serra.

Por esta altura seguia com 2h de prova. Nem era um ritmo lento, mas também não era muito rápido. Andava ali a fechar o top100, mais lugar menos lugar. Parei para encher os dois flasks com água, comer dois pedaços de banana e um de aletria. Depois segui calmamente enquanto digeria a comida.

Seguiram-se 2 km ou pouco mais de um sobe e desce, curto e “chato”, por aldeias nesta encosta passando pelo meio de casas ou pelo meio de riachos lindos mas perigosos devido ao piso escorregadio.

arga2015_10

Uma das muitas descidas em calçada romana

 

Perto do km 20 começa-se a fazer a terceira subida, novamente em trilhos secos e duros com muita pedra grande, a passo certo. Foram 3km que nos levaram pouco mais de 200D+ e ao topo da serra novamente antes de iniciarmos a descida para Cerquido, a famosa descida da calçada romana e posterior abastecimento comum a todas as edições da prova.

Este troço é algo parecido com os outros no que diz respeito às subidas e descidas, mas tem uma pequena diferença, pois está situado exactamente na berma da encosta, ou seja, em menos de um 1m de largura estamos a descer a todo o gás pelo empedrado disforme de granito e, ao olhar para o lado, conseguimos ver a encosta toda até lá abaixo. Nada de preocupante, mas provoca alguns calafrios. Se há 2 anos atrás chovia bastante e eu estava sem óculos!!!, esta secção assustou-me imenso. Já este ano foi tranquilo, sempre a um ritmo constante e sem carregar muito no acelerador, fui mantendo ritmos de 6:00 a 6:15/km.



Cerquido

Abastecimento que todos querem chegar e comer bem, antecede a grande e famosa subida à senhora do Minho no topo da serra a 800 metros de altura. Depois de encher os dois flasks com água e de comer 3 pedaços de aletria, um pedaço de banana e outro de marmelada, lá arranquei tranquilo. Por esta altura já estava com dores enormes nos pés devido ao mau trato que estavam a ter sobretudo devido à falta de amortecimento das sapatilhas, mas era tempo de andar em frente.

arga2015_19

Tranquila a subida

 

Saí do abastecimento com 25km e 3h de prova e, se não me falha a memória, com 1200D+. Não estava a sentir o corpo cansado, mas também não estava a puxar por ele como é habitual. Até agora estava a correr bem, sem dores nas pernas ou dificuldades em respirar. Só os pés é que já estavam KO's.

Iniciámos a subida de quase 400D+ em pouco mais de 2km com bom ritmo. Lá fomos todos em fila indiana por lá acima, uns com “muletas” e outros apenas com o pensamento nelas...se dariam mais conforto naquela provação brutal.

Lá seguimos, passando um ou outro colega que já ia a gerir esforço e tambem dos 33km que já estavam a ficar sem gás, talvez por terem carregado no acelerador em demasia no início da sua prova.

arga2015_20_subida_senhora

Mesmo aqui nos últimos 200m !!! 

 

Demorei +/- 35min a fazer os 2km sem pressas, sempre a ritmo constante. Ainda parei quase no topo uns 10 segundos para beber um pouco de água devido ao calor que já se fazia sentir.

Quando cheguei ao topo, perto dos 800m, cheguei a uma conclusão: não sentia os pés. Já estavam tão massacrados com o granito, que já não os sentia. Pareciam 2 pedaços de madeira inertes.

Bebi água fresca que tinham no edifício de suporte e avancei tranquilo e calmamente pelo planalto da serra. Passado uns minutos deparei-me com um atleta dos 33km que estava deitado no chão cheio de cãibras nas pernas.



Cruz vermelha de serviço

Estavam outros dois a esticar as pernas e ele com uma cara palida de estampado sofrimento. Parei e perguntei se queria ajuda. "Já estou melhor, agora é só descansar 1 ou 2 min"...- Estica as pernas e deixa-te estar assim mais um bocado, disse-lhe eu. Entretanto nos 2/3min seguintes passa imensa gente por nós a perguntar se está tudo bem e se queremos algo, água ou comida. Até que chega um companheiro de prova que pergunta se queríamos um pouco de sal... eh lá, mesmo na hora. Colocou umas pedrinhas de sal na língua e passado 1min já queria andar.

Disse-lhe para esperar 5min para deixar o sal fazer efeito e que depois iria com ele tranquilo até se sentir bem. Também me apetecia abrandar um pouco e recuperar os pés e, assim, fiquei com ele. Passados mais de 5min lá se levantou e começámos a caminhar devagar para ele sentir as pernas, e ver se doía algo ou se a cãibra tinha ido. Andámos para aí 1km e muito calmamente, com os cavalos lá no fundo no meio das árvores. Fantástico quando fazemos estes pequenos troços devagar e a passo para aproveitar todo o meio ambiente que nos rodeia. É um facto de que quando corremos rápido apreciamos muito pouco do meio ambiente, mas também não nos podemos esquecer que isto é competição. Uma prova é competição, ponto. Não é turismo. Mas soube bem este km e pouco de maraturismo :)

 

Passado este tempo, ele diz que já se sente muito melhor e quer começar a correr a baixa velocidade para testar as pernas. Metemos um ritmo lento de prai 7:00/km e lá fomos mais um bocado. Passámos por uma parte de lama, pequenos riachos e entrámos numa ligeira descida, suave mas com pedras soltas e vimos outro colega sentado na berma com a manta térmica enrolada ao corpo e com uma das pernas esticada e tinha uma ligadura no joelho esquerdo.

 

"Então, estás bem?" perguntei eu... “esbardalhei-me todo a descer…”

 

Virei-me para o jovem dos 33km que estava comigo e disse "vai indo devagar que vou fazer um bocado de companhia a ele". E lá foi ele tranquilo.

 

Sentei-me do lado oposto, a quase 1 metro dele e comecámos a falar. Como caiu, como se sentia, se estava com sede e como estava a organização a reagir. Passados uns 15min recebe uma chamada do posto de controlo a dizer que tinha sido despachada uma moto de apoio e que estaria por perto de onde estávamos.

 

E continuámos na conversa sobre tudo e sobre nada. Pareceu-me calmo mas um pouco preocupado com o joelho. Tinha vários golpes nos dois joelhos e na mão esquerda.

Ao fim de quase 30min e de "3 milhões de pessoas" pararem a perguntar se estava tudo bem, recebe outra chamada a dizer que a ambulância já estava perto e se podia ir de encontro a ela. Também disseram que a moto já deveria ter chegado perto dele, mas nem vê-la ou ouvi-la, que ali no meio do nada ouve-se bem um motor de combustão.

Ele respondeu que não conseguia caminhar, que tinha muitas dores a mexer-se e lá responderam para continuar a aguardar.

 

Julgo que por estar um pouco farto e impaciente de estar ali sentado, pediu-me ajuda para se levantar, meteu-se de pé e acenou com a cabeça "não dói muito". Arrumámos as coisas dele na mochila e começámos a subir lentamente a encosta de retorno às àrvores no topo da serra.

 

Passados uns 3 ou 4min vemos um bombeiro esbaforido a descer o trilho para a ir ao nosso encontro, mas como a nossa progressão era muito lenta e, por isso, parámos à espera que ele chegasse. Perguntou como estava, sentámo-nos no chão, refizeram o curativo com a ligadura e com a chegada ( finalmente ) da moto, lá seguiu para ambulância. Com os dois bombeiros atrás deles devagarinho pelo meio da tundra e da lama :)

 

Só 1hora depois de chegar ao topo da subida da Senhora do Minho lá (re)comecei a correr. Comecei devagar porque com as duas paragens já tinha arrefecido o corpo, mas depois acelerei um bom pedaço até Montaria.

Foram pouco mais de 3km e 450D-, com um ritmo um bocado rápido :) Estava com vontade de correr agora, e passei umas dezenas de atletas dos 33 e dos 53 que iam descendo a encosta para a Montaria devagarinho. Cerca de 13min depois de começar a descer, lá cheguei a Montaria onde estava a meta dos 33km e onde os 13 e os 23km tinham arrancado.



Onde andam os pés?

Cheguei ao abastecimento com um pouco de fome. Procurei comida sólida mas só havia o habitual desta prova: fruta, marmelada e líquidos com fartura.

Um ponto positivo. Se estava com fome, é porque o corpo estava a funcionar bem e sem me provocar problemas como nos últimos meses, onde tive dificuldade em comer nas provas mais longas.

Por outro lado, já havia largos minutos que não sabia onde andavam os pés. Olhei lá para baixo e reparei que ainda lá estavam fisicamente... zero resposta sensorial... pareciam dois tijolos dentro da sapatilha.

Olhei para o relógio, cerca de 5:20h de prova aos 33km. Fico aqui e descanso os pés ou continuo e seja o que Deus quiser até ao fim?!?

Comecei a andar à volta da praceta onde estava o abastecimento e a pensar "desisto, continuo, desisto, continuo, desisto, continuo..."

O corpo estava óptimo. As pernas óptimas. A respiração óptima. O cardio óptimo. Os pés.... beeeeeeep... não davam resposta.

Uns metros mais à frente ao passar na meta dos 33km e no ponto de passagem dos 53km, a Goreti estava no meio da rua e diz-me "Correr na Cidade!!! Vamos tirar uma foto"...

arga2015_40_montaria

Correr na Cidade!!! 

 

Fiz um sorriso e lá continuei a caminhar. Ainda tentei correr mas só fiz 20 metros... andei mais uns 100 metros e disse "bora lá tentar fazer isto". Se chegar ao fim esta será a única prova que sempre fiz e que sempre cheguei ao fim, nesta minha curta carreira de 4 anos a correr... e lá comecei lentamente a descer para o rio Âncora.

 

9:15/km no primeiro km. Depois uns mais aguerridos 6:43 e 7:20/km nos seguintes e, por esta altura, já corria no meio da sombra densa, o que me ajudou bastante no pico do calor da hora de almoço.

Quando cheguei ao rio, com quase 38km estava com 6h de prova. Pensei para mim "bem, espero que ao menos esta beleza fantástica me tire as dores nos pés da cabeça".

E lá segui…



Rio Âncora

Por mais fotos que se tirem e se vejam no PC, nada vos vai preparar para a beleza bruta e natural que encontramos neste rio. Tem tanto de simples como de lindo, a paisagem é de dezenas de mini cascatas intervaladas por pequenos lagos de cor azul-esverdiada quase transparente. É de facto um outro mundo, e tudo isto a 3 ou 4km da parede inóspita que íamos encontrar logo a seguir.

Lá segui pelo rio acima, raramente corri mas fui sempre a passo acelerado. Fui passando alguns atletas antes de chegar ao rio e aqui continuei a passar outros. Alguns já muito cansados, outros era nitidamente a primeira vez nestas andanças.

E lá fizemos +/- 6km com quase 350D+ sem se notar, num sobe e desce constante pelas cascatas. Muito me apeteceu tirar a mochila e as sapatilhas e meter-me na água…mas depois quem é que me tirava de lá?

 

Por esta altura formámos um pequeno grupo de uns 10 elementos, separados por metros entre cada um.

De seguida subimos uma mini parede de rocha quase na vertical e toca a sair da floresta. Um bocado de estradão, se calhar pouco mais de 1,5km ( coisa rara nesta prova ) e inicia-se a descida para o último abastecimento. São 150D- em 1km num ritmo alucinante a descer. Aqui os pés acordaram e voltaram a lembrar-me que estavam lá abaixo, mas não pelos melhores motivos.

 

Parei no abastecimento, enchi os flasks com água fresca, molhei o chapéu com água de uma nascente entre tantas que por ali se veem, comi bananas, marmelada, chocolate e um pouco de massa ( xiu, não era para dizer!!! :D ).

Peço desculpa às super atenciosas colaboradoras que estavam neste abastecimento, mas sem este pequeno bocado de massa que nos foi tão gentilmente cedido por elas, a última subida tinha sido um horror…Depois de 10min no abastecimento, tranquilo e sereno, lá segui.

 

Última empreitada

Os 4km com 430D+  dizem tudo sobre a última subida, sempre ao sol tórrido e sem qualquer protecção natural. É só pedras de granito por toda a nossa volta e um pequeno riacho que desce pela encosta a fazer companhia.

Água fantástica e limpa que me permitiu molhar o chapéu umas 3 ou 4x ao longo desta subida.

Desde o abastecimento que meti um ritmo sempre calmo e certo. Sem correrias e sem stress, agora quase sempre sozinho na subida. Posso dizer sem reservas que com outras sapatilhas e com ciclo de treinos normal faria tudo a correr, calmamente mas a correr. Vou apostar para 2016!

 

Ao fim do 3km, chegámos às 2 árvores isoladas que separam a primeira parte da subida com o resto da subida, a tal malfadada parede que todos "adoramos" :)

Dá pouco mais de 500 metros com 130D+. Quase que se sobe de gatas (o strava dá uma parte com 44% de inclinação ) e já com quase 50km em cima, doi...ou não...

Este ano foi diferente. Nas 4 edições que já fui, esta com certeza foi a que custou menos a subir. Não sei se é porque o psicológico já estava preparado, se foi porque vinha com ritmo mais lento do que nos anos anteriores ou se foi por ter já ter mais experiência em cima, (ou tudo um pouco), mas este ano subi rapidamente e sem dores. Lembro-me de passar um companheiro logo no início da subida e quando cheguei quase ao topo olhei para trás não o consegui ver.

 

No ano passado quando acabei a subida, fiz aqueles ultimos 2km antes de chegar à descida final a correr, ganhando ali algum tempo. Este ano fiz o percurso todo a caminhar, tranquilo. A apreciar as paisagens que se via lá de cima. Brutais.



Speedy Gonzales

Finalmente chegou a última descida. Se nas minhas 3 edições a descer esta rampa andei sempre devagar devido à chuva recente ou do próprio dia, o facto é que nesta edição estava quase 100% seca. E lá comecei a descer. Enquanto andei umas dezenas de metros no granito ainda corri um bocadinho, mas quando entrei na zona misto de granito com areia escorregadia, os pés começaram a chorar. Nem conseguia andar quando mais correr devagar.

 

Fui calmamente a descer na parte mais inclinada que é sensivelmente 1/3 da descida toda. Quando estava a entrar na zona mais plana tentei correr uns metros mas o corpo não quis. Os pés disseram que estavam de férias nas Caraíbas e só regressavam em Outubro.

O que é um facto é que as dores nesta altura eram excruciantes. Doía tudo nos pés. Também sentia que devia ter pelo menos 3 ou 4 bolhas nos pés na parte frontal e que tinham rebentado todas na descida. Boa notícia é que não, foi apenas uma bolha que secou rapido quando cheguei à meta. Má notícia é que tinha ficado sem pele em dois dedos... mas só confirmei quando fui tomar banho :)

arga2015_90

E foi assim que ficaram as sapatilhas depois de lavadas...

 

Por esta altura começam a passar por mim várias atletas, uns mais rápidos e outros menos rápidos e eu sempre no meu passo a andar. A maior parte insultava o Carlos Sá :) e dizia "nunca mais ponho cá os pés" ou então "só quero que esta m#$%# acabe rápido" mas passados uns minutos quando passam a meta, perguntam quando é a data de 2016 para reservar no calendário :)

Continuei a descer e por esta altura já dentro do pequeno arvoredo que antecede a chegada a DEM. E já se ouvia o speaker a falar desde o abastecimento dos 44 km !!! Irra que o homem tem pulmão!

 

Lá continuei, tranquilo a passo, médias de 14:00/16:00/km tipo caminhada da terceira idade :) até entrar no alcatrão. Aqui um miudo que estava a ajudar a organização pergunta-me "ainda faltam muitos ?" E eu respondo "não sei jovem, mas ainda devem ser uns bons 1000 ai atrás"... deviam ter visto a cara dele! Ri-me e disse que estava a brincar...

Entrei no alcatrão de DEM...ÚLTIMO KM...YES... alcatrão... que descanso para os pés... porra!

arga2015_11

Pedra e mais pedra!

 

Depois da curva aparece o puto Abrantes, que é mais lento que um coxo apesar de ter apenas 22 anos e de ter ganho o escalão sub23 na prova dos 23km, a tirar-me umas fotos (que ainda não vi!) e faz-me companhia até à meta. Eu a pensar que ia fazer mais um bocado no alcatrão (aquele piso maravilhoso e fofinho) e eis que me indicam para virar à esquerda, para um empedrado do século passado. Não era do século passado, era recente, mas para os meus pés parecia ter sido feito por Luix XIV...

Irra que quase me vieram as lágrimas aos olhos... dói tanto andar naquele piso... e o puto ao meu lado a rir e a chamar-me de velho... ai a p*$&a da vida!



META

Últimos 100 metros, o tapete vermelho, alguns esquilos à espera e mais outros conhecidos. Procuro a Liliana, mas não encontro. Ou estava meio escondida ou eu já não via direito.

Entretanto passo a meta e só me apetece sentar. O Abrantes diz que quer tirar uma foto, faço uma careta e lá me eterniza na internet com esta figura :)

arga2015_98

wassup

 

9:12h depois de começar a correr, cheguei à meta naquele que é o meu mais longo tempo aqui na serra, de longe. No primeiro ano fiz 8:45 sem estar perto da preparação que tenho agora.

É o que faz não treinar correctamente. Seja fisicamente como psicologicamente. Faz mossa. Faz impacto. Já sabia que isto ia acontecer quando vim para cá e sem treinar convenientemente.

 

Mas queria testar o meu corpo e queria participar da festa. A Arga é de facto uma das melhores provas que temos. Tem quase tudo e como diz o Filipe Torres, é quase perfeita.

Começo a desapertar as sapatilhas e aparece a Liliana que estava ali perto. Estava tudo bem com ela e correu-lhe bem a prova. Fez devagar mas sem grandes problemas e sem dores. Recuperação dela feita quase totalmente.

 

Ainda estive uns bons minutos sentado na conversa, levanto-me e parece que passou um camião por cima dos pés. Não consigo andar sem dores fortes. Fomos tomar banho, comer a massa habitual e descer de carro para o Porto para descansar.

arga2015_99

(Já chamaram os bombeiros ?)

 

Rescaldo da prova

Nitidamente já não apanhava um empeno destes há algum tempo. Dói imenso os pés ao fim de 4 dias e um pouco as pernas. Treinásses :)

No entanto, gostava de falar sobre alguns pormenores.

 

É notório que a prova cresceu imenso desde o meu primeiro ano. Já não são só apenas 200 malucos a subir a montanha para os 45km. Agora são 3000 malucos para 4 distâncias no Domingo e mais 2 eventos no Sábado anterior. Começa a aparecer muita gente na montanha sem experiência e sem km's nestes pisos. A quantidade de pessoas dos 33km que eu apanhei nos meus primeiros km's sem saber como descer ou a fazer trajectórias aos ziguezagues e a cortar-nos o caminho por cm's, é incrível como é que ninguem cai e se "esbardalha" todo no chão por causa deles. São perigosos porque não sabem correr na montanha a estas velocidades. Se estiverem sozinhos fazem o que lhes apetecer ou souberem, mas quando estão a menos de 1 metro do da frente ou de trás e fazem estas coisas, colocam a integridade das pessoas à sua volta em risco.

arga2015_89_coletes

Os 4 coletes de finisher

 

Um ponto que acho sempre em alta, é que neste evento vemos sempre vários elementos de primeiros socorros ao longo da prova, principalmente nos pontos perigosos como é no rio Âncora.

 

Senti que faltou pelo menos um abastecimento habitual de água na entrada da primeira passagem na floresta e um pouco de comida mais sólida para o final da prova; mas em sentido contrário ofereceram um almoço de massa com atum, uma peça de fruta e um sumo ou água a todos os participantes depois de acabarem a sua prova.

No geral ganhou em pequenos pormenores e perdeu em outros. O facto de mudarem o local da meta para junto do campo de futebol acho que logisticamente foi uma excelente jogada, pois fica tudo muito mais perto umas coisas das outras. E depois de acabarmos a prova temos os chuveiros, comida e diversão tudo junto. Além, esta proximidade não permite que o público disperse muito e se mantenha por ali até à chegada dos últimos.

arga2015_97_chegada

Desenho da meta deste ano... muito melhor!!

 

Em sentido inverso esta massificação na serra retira algum misticismo à prova. Alguns dos trilhos que o Carlos Sá usa já estão a ficar gastos e vai ser preciso em breve arranjar alternativas. A prova continua a ter a sua magia, mas demasiadas pessoas também podem trazer coisas menos positivas.

 

Em 2016 não tenho duvidas que as inscrições vão esgotar novamente ao fim de 2 dias ou por aí e que vai voltar a ser uma grande festa novamente do trail nacional.

Por último, um especial agradecimento aos fotógrafos que retiram estas maravilhas para mais tarde recordarmos ( os empenos ) e aos membros do staff ao longo do percurso que são quase todos de uma simpatia e disponibilidade fantástica. Sem eles, não seria possível termos esta experiência no seu todo.

 

Obrigado a todos e até 2016!

Race report Serra D'Arga (2ª parte)

Por Luís Moura:

(podem ler a 1ª parte deste race report aqui)

 

A seguir ao abastecimento dos 25km, onde passei em 108º da geral, veio uma das piores subidas. Não é a mais longa nem a mais inclinada, mas a conjugação das duas provoca muitas dores. São pouco mais de 2km onde subimos quase 400 metros positivos. Custou pela terceira vez subir esta parede, mas por incrível que pareça, devido ao menor peso e a uma melhor preparação, este ano foi muito mais fácil.

 

Não sei se “mais fácil” é a melhor escolha de palavras. Se calhar, menos agreste será o melhor termo. A subida é brutal. No dia anterior tinham feito lá parte do trajeto da prova do km vertical.

 

Depois do impacto da subida, fizemos uns 2km e pouco na horizontal no alto da montanha, antes de entrarmos na terrível descida antes do abastecimento dos 33km. Digo terrível, porque é quase toda em pedra dura misturada com dezenas de pontos de passagem de mini riachos, o que mantém uma boa parte da descida sempre húmida e muito, muito escorregadia.

 

Descemos quase 500 metros e a média foi de 6:40/km... parecia um caracol, mas deu para passar 3 ou 4 corredores, todos dos 33km, que estavam já nos últimos km's da sua prova. E novamente pensei, onde anda a malta dos 53km?

 

33km
Ao entrar na Montaria, onde estava a meta dos corredores dos 33km e o arranque de quem estava a fazer os 20km, tínhamos um abastecimento. Para mim foi muito complicado. A Liliana já lá estava muito ansiosa e foi logo ter comigo quando parei no abastecimento.

 

Terceira surpresa do dia. Num espaço de 30 segundos, passei de estado normal para um estado de pânico. Fui invadido por dores enormes nas pernas, fruto do ritmo louco com que estávamos a fazer a prova. O facto de treinarmos 90% do tempo em Lisboa é muito complicado para que o nosso corpo se habitue a estes ambientes muito mais inóspitos. A dureza da pedra não se consegue treinar em Lisboa e isso nota-se nas pernas.

 

Treinar muito em Monsanto não chega para vir para aqui. Isto é outro nível de kung-fu... Comecei a beber líquidos, comi um pedaço de banana e comecei a ter tonturas e caibras nos gémeos. Sentei, estiquei e comecei a agoniar. Muito!

Tantos meses a treinar e a prova começava a ficar “preta”. Ao fim de 10min, um dos elementos da organização deu-me 2 pedaços de laranja com sal e 5min depois começou a fazer efeito. Estive 15min no abastecimento! Entretanto, já tinham passado uns 40/50 corredores dos 53km e eu ali sentado no chão quase a chorar com a irritação de ver a continuação na prova comprometida.

A Liliana estava a tentar acalmar-me e a ajudar com o apoio constante. Nesta altura passa-nos tudo pela cabeça, o que andamos a fazer? O que não andamos a fazer? Porque estou aqui? Porque que raio me doem as pernas? Não estaria melhor na cama?

 

Com 22min de paragem no abastecimento e já com poucas dores nos gémeos, decidi arrancar. Tinham passado “milhões” de corredores enquanto estive a recuperar, era altura de meter as sapatilhas a mexer. Cheguei no lugar 100º e devo ter saído pelo 160/170º do abastecimento. Arranquei devagarinho, a passo. Mesmo a passo. Fiz quase 1km a pé, devagar, para deixar o corpo reabituar-se a mexer. E tudo parecia duro, muito duro. Doía-me quase tudo, desde os gémeos, quadricípites e costas com o peso da mochila... não estava nos melhores dias. Entretanto a Liliana ficou para trás e foi-se meter no carro para me ir esperar na meta... Quase nem falei com ela quando sai tal o foco em apenas sair dali!

 

Ao fim de uns metros, juntou-se um grupo de 4/6 elementos e andamos ali 2/3km a correr a ritmo ligeiro, a passar no meio de aldeias perdidas em paisagens lindíssimas, e no meio daquelas casas todas, às vezes apareciam casas com relvados grandes e piscinas!

 

Passado pouco começa a descida para as cascatas do rio Ancora. A parte mais fantástica da prova. Foram cerca de 4km quase sempre a descer onde recuperei a maior parte do entusiasmo e do bem-estar.

 

Já conseguia rolar relativamente bem. Já estava com gosto pelo que estava a fazer. Entretanto passei 3 ou 4 corredores que também já estavam em dificuldades. Inicio dos quase 4km sempre a subir ao lado do rio, com varias passagens pela água e pelas margens, e novamente os pés molhados. Como sempre. Abrandei ligeiramente e decidi gerir melhor o esforço aqui, com muitas pequenas subidas de 10/30 metros de lama, muito difíceis de colocar os pés. E sem nos apercebermos, começamos a subir, e a subir. Penúltima subida, a mais pequena da prova, onde "apenas" subíamos até aos 450 metros de altura, mas já com muita pedra novamente no final. Até escalada durante uns metros tivemos que fazer.

 

E depois começou a descida para o abastecimento dos 43km, ou 45km conforme os gps's que íamos vendo. Uma descida de +/- 1,5km de pedra, e pedra e pedra.

 

Cheguei ao abastecimento, e o corpo já estava quase normal. Sem dores agudas e já me encontrava bem disposto. Fiquei lá 5min a beber líquidos e a comer mais letria da mulher do Carlos Sá, e alguma fruta. Entretanto, passou o Rui Pedro Julião e segui na calçada dele.

 

Cheguei em 146º da geral e sai acima dos 150º. Tínhamos mais 10km para fazer e uma última subida com quase 4km e 400 metros de subida. Formei um grupo com mais 3 corredores e lá fomos subindo devagarinho. Sem correr, mas sempre numa passada rápida. E fomos passando alguns corredores que já iam com dificuldades.

 

Por esta altura também já se sentia algum calor forte, estávamos numa vertente da montanha virada diretamente para o sol e ele bem que nos tentava derrotar com os seus abraços quentes. Muita água se bebeu ali. Mas o ritmo estava constante e a vontade já era inquebrável. Sempre em frente!

 

Como fui gerindo a prova melhor nos últimos km's, já me ia a sentir bem novamente e cheio de energia para ir até ao fim. A 1,5km's do início da descida final, eis que encontramos a "pequena" subida que todos os anos o Carlos Sá gosta de nos presentear.

 

São apenas 300 metros, mas subimos uns 90 metros quase de gatas. Não sei porque custa tanto! No topo da micro subida, e com toda a gestão de energia que fiz nos últimos 15km, arranquei e deixei para trás os 3 colegas. Sentia-me sem dores grandes, sem muito calor, alegre e de bem novamente comigo mesmo, e já com o relógio a passar das 7 horas de prova. Tinha "prometido" como meta ficar abaixo das 8 horas de prova, e estava a começar a ficar complicado devido aos problemas com o estômago e as dores nos gémeos.

Cerrei dentes e meti a quinta. A partir dali foi sempre no redline.

 

Início da descida final
3km e pouco sempre a descer, com muita pedra, lama e piso escorregadio... muito escorregadio. Fiz os primeiros 2km a uma média de 7:40 e passei por uns 5 ou 6 corredores. Caras pálidas e tornozelos empenados ali não faltavam, mas a resiliência humana é tramada... Mesmo a 7:40 por km, parecia uma velocidade louca para a aderência que os Salomon que tinha calçados dão em piso molhado.

 

O terceiro e último km na montanha foi feito a 5:20, já com uma boa parte a rolar em piso de estrada.

 

Meta

Cheguei ao ultimo troço. Cerca de 500 metros já dentro da vila, em alcatrão bom e sempre a descer. O GPS marca média de 3:42 por km naquele troço e realmente parecia que ia depressa. Só queria acabar o sofrimento das pernas. Só queria chegar ao fim. Só queria chegar dentro das 8 horas.

 

Só queria ver a Liliana que devia estar a sofrer tanto como eu. A ansiedade era muita. Dei um berro na entrada do troço e liguei o modo "meia-maratona". Nem me apercebi do peso da mochila ou de qualquer outra coisa. O focus estava na meta.

 

E uns 450 metros depois lá aparecia ela lá ao fundo, depois da curva. Vi um tapete vermelho antes da meta e a meio a Liliana a gravar a chegada. Veio uma lágrima ao canto do olho quando entrei no tapete, depois de tantas tropelias durante a prova, o esforço era tão grande que desapareceu tão depressa quanto apareceu.

 

Passei a meta. Parei, olhei em volta uns segundos. Deram-me o prémio de finisher, o colete habitual, este ano em cor vermelha.

 

Estava a ver que ia ser difícil. Posição final 137º. Dava perfeitamente para chegar em 100/110. Fica para o próximo ano!

 

Em termos mentais foi das minhas provas mais difíceis, senão a mais difícil. Já tinha desistido em outras provas por considerar que no estado em que estava não valia a pena colocar o meu corpo em risco.

 

Desta vez foi diferente. Passar de bestial a coxo ferido e depois novamente a bestial, foi complicado. Gerir as emoções e os sentimentos não é fácil. As tonturas e a sensação de quase vomitar no abastecimento dos 33km foram avassaladoras.

 

Levantar e andar foi difícil mas sempre com o objetivo bem definido e traçado para este domingo. A meta era a única saída dali. Como costumo dizer nos treinos, em alguns sítios foi "suck it up" e toca a mexer. Muito bem aplicada nesta prova! Depois descansa-se.

Como nota final gostaria de agradecer à Liliana por todo o apoio que deu, antes da prova, durante a prova e no final. Faz uma diferença brutal ter uma namorada que nos entende, que percebe por aquilo que estamos a passar e todos os sacrifícios que temos que fazer para chegar a determinados objetivos. És grande companheira!

 

Um segundo obrigado ao Bruno Miguel pelo apoio no abastecimento dos 33km. É sempre importante o apoio que sentimos no Trail comparativamente ao que vemos no alcatrão.

 

Por fim, dar os parabéns aos meus colegas de equipa, o Stefan Pequito ficou em 21º da geral com 06:17h! O miúdo tem potencial para andar muito depressa e com calma vai lá chegar, e ao Pedro Luiz que em modo "rolar", ficou em 258º da geral com 09:10h. Muito bom para quem estava a fazer a primeira prova depois do recover.

Para fechar, os meus parabéns à organização do evento, é das melhores que temos no país. Tem um ou outro pormenor que pode ser afinado, mas no geral é super bem organizada e quase tudo encaixa como um relógio suiço. Não é de estranhar que toda a gente queira lá regressar.

 

Os meus parabéns a todos os malucos que se propõem a fazer estas provas e a baterem os seus próprios medos e receios. É sempre bom ultrapassar o que pensamos ser difícil.

 

FIM

 

 

Race report Serra D'Arga (1ª parte)

Por Luís Moura:

 

Vou começar o artigo pelo fim. Cheguei a Dem no final dos 53Km cheio de energia mas com o corpo completamente massacrado das violentas subidas e descidas em pedra dura.

 

A corrida foi muito equilibrada, com muitas zonas técnicas e alguns pontos para correr. Estava muita gente a assistir à chegada dos atletas, mas uma boa parte estava 50 metros ao lado com a entrega de prémios a decorrer. Daqueles que correm a sério na montanha.

 

Voltando ao início... Ida para Dem.

A viagem de Lisboa para o Porto foi feita ao final de sexta-feira, de modo a poder ter o sábado inteiro para relaxar e preparar mentalmente a prova, sem a habitual correria de chegar 1 hora antes da prova e andar sempre a correr.

 

Depois de passar o dia de sábado a visitar familiares e passear um pouco por algumas zonas do Porto, foi altura de deitar cedo para me levantar às 4:30 da manhã no domingo.

 

Para a maior parte dos seres racionais pensantes, levantar a estas horas num domingo é qualquer coisa que não é apreensível e dá origem a alguns termos menos próprios, e se for da zona do Porto, impropérios fortes…

 

No domingo, levantar e acordar com calma, tomar o pequeno-almoço reforçado, preparar a roupa e sair de casa. Chegada a Dem pouco depois das 6:30, já com o dia a espreitar de soslaio por cima da montanha. Este ano com o acréscimo de participantes, e respetivas viaturas, foi feita uma gestão diferente dos parques automóveis, com as pessoas que chegaram primeiro a ficar num parque improvisado a cerca de 400 metros do centro e os que chegaram mais tarde a passar para o parque dos anos anteriores, provocando aqui uma certa confusão. O parque "antigo" deveria ter sido usado primeiro, já que às 7:30/7:40, já com as pessoas em peso no centro de Dem a preparem-se para correr e ainda muitos carros a passar pelo centro para ir para o parque.

 

A metodologia de colocar os carros que chegam mais tarde mais perto do centro para não se perder tempo resulta em termos teóricos, mas quando eles tem que passar no centro da vila para ir para lá, mesmo pelo meio das pessoas, deixa de fazer sentido. Um ponto a rever no próximo ano.

 

Antes da prova

Levantar dorsal e o saquinho de ofertas e levamos com a segunda surpresa. Este ano o chip de controlo era dos quadrados pequenos que normalmente usamos nas provas de estrada nos cordões.

 

Ainda bem que quase 1/3 das sapatilhas de Trail não tem cordões para os colocar!

 

Poderiam ter avisado uns dias antes para a malta se precaver. Em cima da hora, num trilho como o que íamos encontrar, não me parece que foi a melhor opção e a maneira como não comunicaram. A meio da prova eu quase não via o chip com tanta lama que ficou por cima dele !!!

 

Regressar ao carro a pensar como encaixar o chip nas sapatilhas, vestir a roupa para a prova. Com o tempo fantástico que tudo indicava que iria estar, os calções, a t-shirt da crew Correr na Cidade e meias é suficiente... Mochila com 1,2L água, uma barra energética de SOS e o impermeável + telemóvel, os equipamentos obrigatórios para ir à prova. Tudo pronto e seguimos para o ponto de saída.

 

Chegamos ao local da partida já pouco depois das 07:30 devido ao tempo que se perdeu por causa da distância do estacionamento, foi altura de ser controlado na entrada para o curral de arranque, coisa que nunca tinham feito em Arga desta maneira, mas que deveria ser sempre assim.

 

Na partida toda a gente estava com um sorriso nervoso, uma ansiedade falante pelos olhos que não deixa ninguém imune. Uns mais que outros, com muito respeito pela montanha que estava à nossa frente. A montanha que não é muito alta em altimetria pura, mas tem imensas subidas difíceis e segredos que só se entendem quando se percorre as suas entranhas e veias. Consegue quebrar a vontade de homens de barba rija.

 

Prova
Este ano por causa do maior número de participantes no arranque, decidiram fazer uma pequena volta de 1km e pouco à volta da vila de Dem para o grupo esticar um pouco antes de iniciar a primeira subida. Não é das mais difíceis, mas como normalmente entramos ali com o corpo frio, rapidamente se torna uma parede difícil de passar.

 

Eu e o Stefan Pequito tentamos colocar-nos mais à frente e durante a volta de "aquecimento" subimos bastantes posições, sendo que ele saltou lá para os primeiros 30/40.

 

E como o coração dispara quando arrancamos para os 4/4:30 ao quilómetro como neste caso! É preciso ter muita elasticidade e encaixar bem estes esticões.

 

Aproveitei que o grupo ainda estava a aquecer e fui subindo a passar devagarinho outros concorrentes e a tentar não andar no redline. Quando comecei a descer para o primeiro abastecimento, já devia rolar lá para os 60/70 do grupo, mas como saímos ao mesmo tempo que os corredores dos 33, era sempre complicado alinhar com quem estava à nossa frente ou atrás o ritmo, porque andávamos muito tempo ao lado dos que estavam nos 33km, e eles deveriam ao início andar a rolar a ritmo mais elevado.

 

Chegada ao abastecimento dos 9km que era "opcional". O Sefan já ia bem lançado lá na frente e o Pedro Luiz, o terceiro membro da Crew em Arga (que está ainda a recuperar de uma lesão grande) estava mais para trás. Eu mantive-me ali pela frente e a sentir-me bem. Últimos 4km sempre perto dos 4/km e ainda mais 1km a descer até começar a subir. Feeling good!

 

Engraçado, como sendo a minha terceira vez nesta prova, tive consciência de muita coisa, a minha performance foi uma delas.

 

Tal como não paro de dizer nos treinos a quem nos pergunta, o peso nos trilhos é FUNDAMENTAL, é um dos fatores que mais nos provoca flutuações nos andamentos, quer a subir ou a descer. Do primeiro ano para o segundo dei um salto grande em termos técnicos e de ritmo, mas do ano passado para este o grande salto foi mesmo na performance.

 

O facto de estar com menos 8kg do que no ano passado fez com que as subidas fossem devoradas a ritmo elevado e as descidas muito rápidas. Decidi neste trail fazer como fiz já nos outros 4 trilhos deste ano, um frasco da mochila com apenas 600ml de água apenas e outro com 600ml de agua + 1 pastilha de eletrólitos. Mal eu sabia o que é que esta opção me iria provocar…  



Subimos alguns km's numa inclinação não muito pesada mas constante, para depois começarmos a descer para o abastecimento dos 17km, onde aproveitamos para reabastecer de água e comer alguns sólidos.

 

A famosa aletria feita pela mulher do Carlos Sá apareceu pela primeira vez. Foram cinco minutos por ali e depois arrancar. Notava-se muitos corredores dos 33km à nossa volta e alguns dos 53km.

 

Nesta altura duvidei se isto seria um bom sinal que ia bem ou se já estavam muitos à minha frente sem me ter apercebido. Ao km 19, pouco depois de sair do abastecimento, veio a grande surpresa nesta altura. Estava com desconforto na barriga há já alguns km's e não consegui conter o trabalho forte, descontrolado e completamente desvairado dos intestinos.

 

Salvou-me um dos lenços que levei para limpar os óculos, e 8min depois de um contacto mais pessoal com a natureza, foi altura de recuperar o tempo perdido.  

 

Comecei a ir subindo aos poucos, passando alguns elementos dos 33km, subindo pelo meio de pedaços gigantes de granito, misturado com rios pequenos e chatos. Os pés molhados foram uma constante, tal como no ano passado, mas por motivos diferentes.

 

Pouco depois entramos no percurso já conhecido dos anos anteriores e foi rolar até ao abastecimento dos 25km. Sempre com imensas opções para comer e beber. Se existe uma coisa que não nos podemos queixar aqui, é da prova ser soft e dos abastecimentos, são fantásticos e muito acima do que precisamos para correr.

 

Ligar telemóvel para dizer à Liliana que já estava nos 25km e para ela se tranquilizar um bocado, já que estava nos 33km à minha espera para me dar apoio. Respondeu que os primeiros dos 53km estavam a passar no abastecimento dos 33km. ok... siga !

 

(amanhã, 2ªfeira, dia 6 de outubro, publicamos a 2ª parte do relato do Luís Moura)

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D