Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correr na Cidade

A minha primeira SwimRun - a primeira de muitas

32596996_1654114221348510_7761234370362343424_o.jp

Espero que tenham lido o meu último post que serviu como uma espécie de introdução a este Race Report. Como o SwimRun é uma modalidade tão diferente da corrida em estrada e trilhos que aqui temos falado, achei que o tema merecesse um enquadramento.

 

Fiz portanto a prova Standard com o Nuno, em duplas, com o espírito de preferir desistir ou ser desqualificado por não cumprir o tempo limite da prova dos 25km do que fazer a prova dos 10km e cruzar a meta com a sensação de “quero mais”. 

 

Fomos levantar os dorsais no dia antes da prova e notou-se logo que o espírito é muito parecido ao das provas de trail. Na manhã da prova confirmou-se esse espírito: pouca gente e muita gente que já se conhecia. Um ambiente intimista e muito simpático. Estava bom tempo, solinho a algum vento e a temperatura da água rondava os 20 graus, que é ótimo.

  

No briefing fomos logo informados que a natação tinha ganho um peso um pouco maior na prova porque a barragem estava mais cheia do que o previsto. Além disso, o proprietário de um dos terrenos por onde era previsto passar não autorizou a nossa passagem e teríamos que percorrer um troço pelo alcatrão (felizmente viria a ser um troço lindo com paisagens alentejanas incríveis, de tal forma que nem nos importamos com o alcatrão).

SwimRun Alqueva 2.jpeg

Depois do briefing estávamos então prontos para arrancar. O primeiro troço seria umas centenas de metros a correr antes de chegar à primeira natação. Comecei tão bem que nos primeiros 50 metros perdi a minha água. Levei um soft flask para poder hidratar entre abastecimentos. Tinha-o posto na bolsa de trás do tri-suit mas não funcionou. Então acabei por enfiá-lo no sutiã, nas costas, e aí sim, aguentou-se bem, durante as 6 horas de prova. Por ter ido apanhar o soft flask, ficamos logo nos últimos do grupo. Não me chateei com essa ideia porque também não estava com muita vontade de nadar no meio de tanta gente, algo que nunca tinha feito. Fomos então literalmente os últimos a entrar na água.

 

A primeira natação for estranha. Foi a primeira vez que nadava de ténis (desde os meus 6 anos, quando tirei o meu diploma de natação na Holanda) e com todo o equipamento. Até estava com medo de me afastar demasiado do Nuno e comecei a panicar um pouco. Felizmente o troço era curto e cheguei bem a outra margem.

32696679_1654113891348543_7117444250437943296_o.jp

Depois foi um dos troços mais longos de corrida e com mais D+, onde iríamos subir quase até ao Castelo de Monsaraz. Os trilhos eram muito giros e o Nuno e eu estávamos contentes e bem dispostos. Ia puxando pelo Nuno nas subidas, onde ele, sensatamente dizia que preferia gerir esforço…

 

E pronto, entre paisagens lindas mesmo, típicas da região e com a natureza no seu esplendor no seio de uma primavera molhada, fomos alternando entre corrida em trilhos e natação na barragem. Houve até trilhos onde passamos no meio de rebanhos de cabras. E o Xiko e o Tiago até encontraram um javali no meio dos trilhos! Foi muito giro, e tal como nas provas de trilhos, adorei ter o privilégio de correr nalguns trilhos “sozinhos” sem gente à vista antes e depois de nós. Dá sempre uma sensação de paz e tranquilidade tão agradável!

SwimRun Alqueva 5.jpeg

Houve três troços de natação que mais me marcaram:

  1. A travessia do Rio Guadiana, ao longo da ponte, numa extensão de cerca de 1300m - pela sua imensidão a reação quando vi esta travessia for literalmente: “OMG, isto é impossível!” . Curiosamente, correu super bem. Fui tranquila a curtir e a ponte servia de guia. Demoramos cerca de 40 minutos.
  2. A travessia “sem fim” em direção à bóia vermelha - havia algumas travessias de 800-1000m onde o maior desafio foi a questão da orientação. É difícil nadar e orientar-te por uma bóia que está tão longe, ainda por cima com a corrente e o vento que se fizeram sentir nalguns troços. Pessoalmente, sugiro à organização, nesses torços ter várias bóias a indicar o percurso e não apenas o final.
  3. A travessia “deliciosa” - sim, um um troço de natação onde me senti um verdadeiro peixinho na água. Curiosamente, já foi mais no final quando o cansaço já se fazia sentir. Consegui relaxar tão bem enquanto nadava que parecia que o universo estava em perfeita harmonia. Quase uma sensação holística e espiritual. Pode parecer estranho mas foi mesmo. Lembro-me tão bem das braçadas a tocarem a água que tinha a temperatura perfeito, dos raios de sol por debaixo da água e, como íamos junto à margem, tinha umas formações rochosas giras para nos entreter :)

 

Fizemos grande parte da prova com o vassoura, o Hélder. Foi giro ter um terceiro elemento da “dupla” e a parte mais engraçada é que ele conhecia o percurso mas ao mesmo tempo não conhecia porque já tinha sido tudo mudado! Ele foi uma ajuda preciosa, principalmente a poucos quilómetros do fim quando o Nuno estava quase, quase, quase a quebrar. Houve um troço de natação que, quando ele saiu da água, estava tão branco e dizia que não sentia as mãos, e pensei que ele iria querer desistir. Felizmente já cheirava à meta e um abracinho faz milagres e continuamos. Os últimos metros de corrida e natação foram emocionantes. Já com muito frio e exaustos, com 6 horas de prova, ouvir as vozes a na Praia Fluvial (onde estava a meta) a gritarem por nós, nunca me vou esquecer.

SwimRun Alqueva 1.jpeg

Durante a prova tinha pensado que seria giro fazer um vídeo assim que chegasse sobre o material que tinha levado e fazer logo uma espécie de Race Report em vídeo. Só que não. Estava a tremer de frio e cansaço e o Nuno também e fomos logo ao carro aquecer e mudar de roupa. Mas sempre com um sorriso na cara, claro. A sensação de superação de uma prova com este nível de desafio é indescritível.

  

Tal como disse no post anterior, amei. SwimRun é “a minha” modalidade. Vou querer mais, muito mais. Não em termos de distância, acho que 30 km no total, chega e sobra, mas quero mais provas destas. Quero me sentir um anfíbio! Quero sentir a natureza por todos os lados!

 

Parabéns à organização. Sobretudo, obrigada à organização! Obrigada por terem levado esta modalidade a Portugal, um país com tanto potencial. Tenho a certeza que as próximas edições serão também um sucesso. Vem aí os Açores, Setúbal e Madeira. Infelizmente, por incompatibilidade de agendas, não poderei ir, mas recomendo vivamente. E… já estou a ver provas noutros países (quentinhos…).

Race Report: o regresso a Casaínhos

Por: Sílvio Horta

23415633_1505343376213655_1487421166569448613_o.jp

Voltei a esta prova pelo segundo ano consecutivo porque é uma prova relativamente curta (15km), de trail e perto de Lisboa. Uma factor adicional para participar é o facto de ser quase uma prova familiar com montes de caras conhecidas do mundo das corridas como o Filipe Torres, o Luís Sommer Ribeiro, o Miguel Serradas Duarte e a restante pandilha do Monsanto Running Team e a malta do Correr na Cidade (o Tiago Portugal, o Pedro Luís e a Bo Irik).

 

Apenas uma semana depois da Maratona do Porto, sentia-me estranhamente solto. Como saí de casa à pressa levei apenas o essencial para a prova: t-shirt, calções, meias, sapatilhas e relógio. Depois de umas quantas fotos da praxe e de pôr a conversa em dia, coloquei-me no meio de pelotão para a partida. Saí forte para conseguir progredir bem a partir do 2km onde começava uma série de single tracks.

WhatsApp Image 2017-11-17 at 12.15.44.jpeg

A prova começa a subir praticamente desde início (600m). Ao 3km chegámos ao ponto mais elevado da prova com 362m. No topo estava um pouco de vento fresco o que permitiu refrescar. Descemos um pouco para voltarmos a subir novamente. Caminhei a primeira vez numa curta subida para recuperar o fôlego. Após essa subida tivemos um bom período em que estivemos a descer por um single track algo técnico com alguma pedra solta e inclinação lateral.

 

À entrada do Parque Municipal do Cabeço de Montachique estava o primeiro abastecimento. Sem parar de correr retirei um copo com água e continuei a “dar-lhe gás”. Após o abastecimento tivemos um km em que estivemos sempre a descer no terreno até surgir uma nova subida com cerca de 800m de extensão. A partir daí tivemos um período onde estivemos a descer numa extensão de quase 2km até ao ponto mais baixo da prova (136m) por um estradão com muita pedra solta.

WhatsApp Image 2017-11-17 at 12.15.37.jpeg

Felizmente o dia estava seco e o piso não estava escorregadio. Chegámos então ao ex-libris da prova: uma parede colossal para escalar. Esta parede está disfarçada, no início só conseguimos ver apenas metade da subida e quando chegamos a meio do percurso é que vemos que vamos sensivelmente a meio da escalada. Como já conhecia o percurso, fui subindo sem olhar muito para cima. Ia também distraído pelo alvoroço que ia a decorrer atrás de mim já que a malta dos esquilos vinha em amena cavaqueira dizendo piadas uns aos outros. Neste grupo vinha também um atleta que ia a incentivar o pessoal, a dizer coisas como “vamos pessoal”, “força campeões”, “está quase”! Passou por mim e por mais uns quantos que iam à minha frente e quando chegou ao topo sentou-se e começou a puxar pelos outros que iam a trepar a parede.

 

Não sei se foi por ir distraído com a conversa do pessoal que ia atrás de mim ou se estava melhor preparado, mas este ano esta parede pareceu-me mais uma subida do que uma parede! No topo havia um abastecimento onde aproveitei para beber água, comer 2 cubos de marmelada e levar um pedaço de laranja. Aproveitei o km seguinte, o 10km, para recuperar visto que era a descer. Surgem depois uma série de pequenas rampas onde optei por caminhar para recuperar para o resto da prova.

WhatsApp Image 2017-11-17 at 12.15.34.jpeg

De seguida, novo km novamente a descer estando já muito perto de Casaínhos. No entanto, sabia que a prova ainda estava longe de acabar e que ainda havia mais umas quantas subidas reservadas. Durante toda a prova, e em especial no atravessamento de estradas, havia muitas pessoas da organização a indicar o caminho ou a parar o trânsito. Transpostas 2 subidas já se via o campo de futebol ao longe, no entanto, ainda faltavam cerca de 2km para o fim. Na última subida estava o primeiro classificado que já tinha acabado a prova, o Hélio Fumo, a apoiar o pessoal. O atleta que ia à minha frente tropeçou numa raiz ou numa pedra e deu uma queda valente. Apesar disso levantou-se rapidamente e seguiu por isso pensei que estaria bem e segui também. Cheguei à meta com um tempo final de 1h35m tirando praticamente 4 minutos ao tempo do ano passado. 

 

Até para o ano!

A segunda primeira maratona do Sílvio

23318720_1684578348233216_1096922049_n.jpg

Por Sílvio Horta:

 

A convite do Correr na Cidade, que me ofereceu o dorsal, fui até à Maratona do Porto para tentar apagar a má imagem deixada na Maratona de Lisboa. Devido a uma virose e fortes dores abdominais, pela primeira, vez tive de abandonar uma prova, aos 20km.

 

Para esta deslocação contei com o apoio da minha família e do meu amigo Rui Soeiro que me iria acompanhar em toda a prova para me ajudar terminar a minha primeira Maratona.

 

Fizemos o levantamento dos dorsais na Expo Maratona no Centro de Congressos da Alfândega do Porto. O levantamento foi bastante rápido e, já com os dorsais levantados numa ponta da Expo, seguimos o caminho estipulado, passando por toda a feira, para levantar o saco com ofertas e a t-shirt da prova.

1.jpg

A Expo estava bastante bem composta com várias lojas, instituições ligadas ao desporto em geral e à corrida mais especificamente. O kit era bastante completo, incluindo uma mochila, uma tshirt, uma sweatshirt da Asics e uma pequena bolsa para levar à cintura, entre os restantes panfletos.

 

Estivemos ainda alguns minutos a ver uma das palestras que estavam previstas para o dia. Não chegámos a ir até à pasta party porque tínhamos almoçado relativamente tarde. Aproveitámos ainda a tarde para passear na zona da ribeira e aproveitar o belo clima e paisagem magnífica da ribeira.

 

No dia da prova dirigi-me para a zona da partida para ir ter com o Rui. Estive alguns minutos sentado numa paragem de autocarro a aquecer com o belo sol que estava logo às 8 da manhã. A temperatura estava excelente para a prática da corrida, 12/14ºC à hora da partida e durante a prova a atingir os 17/18ºc. Dirigimo-nos para os currais da partida, eu para o B e o Rui para o A. Entretanto encontrei um camarada meu que também ia para a Maratona. A partida foi dada e seguimos com o objetivo à vista da bandeira das 3h30 a algumas centenas de metros à nossa frente.

2.png

Os primeiros 5 km decorreram com o ritmo um pouco mais alto do que o previsto (4m50). Na zona de Matosinhos onde íamos dar uma volta de 10km, tinha a minha família à espera e aproveitámos para tirar umas fotos. Antes tínhamos encontrado muita malta do mundo dos blogs de corrida como o Carlos Cardoso, a Isa, o Vitor e o João Lima. Voltámos a passar pelo local da partida no km 12.

 

A paisagem junto ao rio ajudava a distrair da passagem dos kms, aproveitávamos os abastecimentos para ir hidratando e refrescando. Numa pequena descida de empedrado vimos um atleta deitado no chão a sangrar abundantemente da cabeça, nariz e boca, provavelmente terá tropeçado numa pedra e caído.

 

Tomei o primeiro gel por volta do 17km, sabia que o abastecimento líquido seria ao 20km portanto seria um bom momento para o tomar. Começámos a aproximar do centro histórico do Porto e começamos a sentir o apoio popular cada vez mais forte. Este forte apoio foi uma constante durante toda a prova. Ao chegar à ribeira estava o abastecimento que não estava muito bem posicionado, visto estar numa curva e muito perto do empredrado a descer. Quando passámos na ribeira foi o auge do apoio durante a prova, centenas de pessoas estavam a apoiar, a bater palmas, com bandeiras, a fazer barulho.

23213084_1473459166077887_3208188217132575479_o.jp

Em cima da ponte D. Luís I o ambiente era ainda mais espetacular. Visto ser um espaço mais reduzido e formou-se uma espécie de corredor. Senti-me quase levado ao colo com este apoio na ponte.

 

Já em Gaia fomos apanhados pelo Carlos Cardoso e seguimos durante alguns km com ele. No entanto por volta do 24km começo a sentir as primeiras dificuldades, uma pequena dor abdominal e alguma má disposição. Tomei o segundo gel. Nos kms seguinte abrandámos o ritmo para 5m/5m20s. A má disposição continuou a aumentar, quando voltámos para o lado do Porto, fui gerindo o esforço com alguma dificuldade.  A partir do retorno, no km 32,   o marcador de ritmo de 3h30m passou por nós. Embalados pelo apoio do público ainda conseguia correr, no entanto, a partir do km 34  fui forçado a caminhar.

23283147_1684578364899881_1000034715_n.jpg

Estava com fortes dores abdominais e tinha algumas dificuldades em respirar.  Já não conseguia ingerir géis  nem fruta, a água ainda era suportada. Até ao km 41 fomos caminhando e correndo, devido às fortes dores que se espalharam até ao diafragma. Por vezes, nem conseguia respirar mesmo caminhando.

 

Entretanto passaram por nós os marcadores de ritmo de 3h45. O público continuava a incentivar para correr mas já não havia energia para tal. Volto a frisar que o apoio do público foi espetacular e incansável, nunca tinha sentido tanto apoio,  mesmo numa prova longa.  Ao km 41 decidimos que tínhamos que acabar a prova a correr mas entretanto fomos ultrapassados pelo marcador das 4h. Fomos forçando o ritmo a subir a Avenida da Boavista até à meta. As dores eram já tantas que acho que fiz a parte final da prova em apneia sem respirar, já que se respirasse tinha muitas dores. Olhamos para o tempo de prova e vemos que já não vamos conseguir um tempo de prova abaixo das 4h. Cortámos a meta com um tempo de chip  3h59m50s

 

Agradeci ao meu amigo Rui Soeiro que me acompanhou durante toda a prova. No final tinha a minha irmã e a minha mãe à espera na meta. A prova teve um apoio espetacular durante toda a prova, os abastecimentos (à exceção de um estavam perfeitos). Para o ano só faltarei se tiver algum problema físico.

Duratrail 2017: uma aventura a três

22851824_1491592797588713_2445408669733022221_n.jp

O Duratrail, já na sua 5a edição este ano, é uma uma referência nacional e faz parte do Circuito de Trail Running Nacional. A prova que decorreu no fim-de-semana passado não deixou nada a desejar.

 

Desde a comunicação pré-prova, ao levantamento dos dorsais, à sinalização, abastecimentos e zona da meta e partida... tudo impecável. De facto, não tenho nada a apontar. A simpatia dos voluntários condizia com o calor do sol que se fez sentir no Parque Urbano de Albarquel em Setúbal, junto o Rio Sado.

WhatsApp Image 2017-10-30 at 19.07.01.jpeg

O Duratrail este ano teve duas distâncias. Estava inscrita nos 30km mas decidi mudar para os 18km. Houve dois motivos que me levaram a esta decisão: primeiro a falta de treino de distâncias maiores e segundo porque iria ter uma companhia especial - o meu namorado estreou-se nos trilhos no Duratrail!

 
"E o terceiro elemento?" perguntam-me vocês por causa do título. O terceiro elemento foi o meu novo TomTom Adventurer. Já tinha tido o privilégio de correr com este relógio no âmbito de uma ultra maratona e agora fui convidada a ser embaixadora da TomTom em Portugal. Giro, né? :) (Quem ainda não leu, pode ver a minha review aqui). A prova correu super bem e a companhia foi ótima :)

WhatsApp Image 2017-10-30 at 19.07.08.jpeg

No entanto, é certo que foi  a primeira e última vez que corri uma prova de trail com o Xiko, pois ele é muito mais rápido que eu! Prinicpalmente nas subidas, o Xiko voava enquanto eu penava. Muito querido foi ele em ter esperado e puxado por mim. Pois, nos últimos 4km de prova, quebrei. A primeira parte fiz sempre a puxar, a tentar acompanhá-lo mas sabia que não ia aguentar muito com o relógio a indicar pulsações acima dos 170 bpm nalguns troços. Além disso, não tenho estado muito fit ultimamente, com sintomas de quem trabalhou demais nos meses de verão (mas isso passa!).
 
O Duratrail é lindo. Os trilhos, muito single tracks, são muito giros e com alguma tecnicidade. As paisagens, o típico "entre a serra e o mar" da Arrábida dão nos energia quando precisamos e a simpatia dos voluntários e espírito entre participantes foi muito bom! Antes de chegar à meta ainda corremos uns 100m pela praia! Que maravilha! E a zona da meta (e da partida) no Parque Urbano de Alburquel é perfeito. Cruzar a meta com o Sado ao nosso lado é lindo! A cereja no topo do bolo foi a panóplia de barras energéticas e bebidas isotónicas que nos esperavam na meta e ainda um belo almoço de massada de choco com uma imperial! Ah, e nada melhor do que um banho para agradecer às nossas perninhas!

IMG_20171028_115331.jpg

Obrigada Duratrail e até para o ano!

Race Report: Trilhos do Paleozóico 2017

17390511_1477549175588754_2487423911895055198_o.jp 

No dia 19 de Março realizou-se uma das provas mais míticas de Portugal, o Trilhos do Paleozóico em Valongo. Se não me engano, o Trilhos do Paleozóico já vai na sua 5ª edição e tem 48km com 2500d+ (apontado pela organização). Desde que comecei esta aventura do trail e corrida (2014) que ando para fazer esta prova, mas por vários motivos nunca se realizou, até este ano.

 

Race Report: 3º Trail de Almeirim - Na Rota do Vinho e da Sopa da Pedra

20170319_112352689_iOS.jpg

É sempre bom voltar onde já fomos bem tratados, e foi por este motivo que voltei a participar no Trail de Almeirim.

 

Em preparação para a primeira Ultra no Piodão, há 2 anos participei na 1ª edição do Trail de Almeirim. Na altura estava num bom momento de forma e fiz a prova a bom ritmo, mesmo desfrutando demais dos bons abastecimentos da prova :)

 

O ano passado não tive oportunidade de voltar a Almeirim como queria, e este ano quando o nosso campeão Stefan disponibilizou o seu dorsal para os 30Km do Trail de Almeirim, mesmo com muito pouco treino, decidi voltar aos trilhos ribatejanos.

 

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D