Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correr na Cidade

Xau ginásio, olá Monsanto, Sintra e bicicleta!

IMG_20170416_123251 (1).jpg

 Recuperação ativa de bicicleta :D

 

O tempo voa! Já vou na quarta semana de treinos para o Estrela Grande Trail com o apoio do treinador Paulo Pires pela plataforma beAPT. A semana passada partilhei um pouco mais sobre como funcionam estes treinos neste post. Entretanto já deu para me habituar à esta nova carga e à “pressão” do treino acompanhado.

 

Tenho corrido cerca de 60km por semana, por trilhos, por Lisboa e em jardins para fazer os treinos de potência aeróbica - o treino intervalado. Rotinas de reforço muscular e de flexibilidade também fazem parte do meu dia-a-dia. Tenho-me sentido super bem e cada vez mais forte. Já nem tenho ido ao ginásio, pois faço os treinos de reforço muscular na rua e os treinos de flexibilidade em casa inserindo os exercícios na minha sequência diária de yoga.

 

Por semana, tenho corrido cinco vezes, sendo que esta semana e a anterior, um dia de corrida for substituído por uma voltinha de bicicleta. Usar a bicicleta no âmbito desportivo para mim é novidade. Para mim, a bicicleta sempre foi um meio de transporte. Como neste plano de treinos, a bicicleta é mais no sentido de recuperação ativa, tenho podido usar a minha querida bicicleta (que tenho há 18 anos e não é de estrada) para fazer uns quilómetros.

17916808_10208586712482828_1492226173_o.jpg

 Correr em Sintra é todos os fins-de-semana!

 

Os treinos de trilhos são muito importantes e têm sido, desde sempre, a parte mais desafiante para mim, por limitações de tempo. Havia uma altura em que só corria nos trilhos em provas, e só treinava em estrada. Felizmente, agora estou mais disciplinada e motivada e, uma vez por semana, às quartas às 7 da manhã, tenho ido correr uma horinha em Monsanto com pessoal amigo. Aos fins-de-semana, pelo menos uma manhã passo na serra. Fui várias vezes a Sintra e até à Arrábida. Esta semana a serra será outra: vou participar no Trail de Montejunto. É uma prova, mas vou em modo treino, é claro (não que isso seja muito diferente do meu modo competitivo ehehe).

17918045_1312288065519188_1312942338613408896_o.jp

 Os treinos em Monsanto às 7 da manhã já são um vício!

 

O meu feedback até agora sobre o treino com a beAPT é muito positivo. Os meus níveis de motivação estão em altas. Não deixo escapar nem um treino! O treino com base na frequência cardíaca também tem sido uma experiência interessante de autoconhecimento e controlo.

 

No que toca à nutrição, tenho seguido as dicas da minha amiga nutricionista Ana Sofia Guerra e já sinto o corpo mais tonificado e até já consegui perder alguns dos quilinhos a mais que levei comigo desde a minha aventura na Tailândia.

 

Para a semana partilho como correu a prova na Serra do Montejunto e em breve quero partilhar contigo um pouco sobre a minha experiência sobre os treinos com base na frequência cardíaca e quais os benefícios deste tipo de treinos.

 

Boas corridas!

A caminho do Estrela Grande Trail com a beAPT

13246214_1745066055708947_8229352771281639361_o.jp O ano passado no EGT

 

Já passou uma semana e meia desde que comecei os treinos com o Paulo Pires da beAPTAceitei o desafio de fazer uma preparação “como deve ser” para o Estrela Grande Trail que se realiza no final de Maio, com o apoio da be APT.

 

A semana passada partilhei aqui uma entrevista com o Paulo Pires, para que possam conhecê-lo um pouco melhor e saber qual a sua metodologia de treino. Hoje, com 7 treinos beAPT feitos, partilho a minha primeira impressão. A metodologia de treino é de base aeróbia alicerçada na experiência e conhecimentos do treinador Paulo Pires, bem como de uma equipa multidisciplinar que o acompanha. É uma experiência de treino individualizada em função do meu perfil biométrico e dos meus objetivos, neste caso o EGT.

 

Antes do treino:

Para iniciar a prática desportiva com regularidade, com objectivo da melhoria da condição física ou performance, há um conjunto de exames médicos a realizar. Para fazer o treino beAPT, para qualquer objectivo escolhido, a realização dos seguintes exames é obrigatória:

- Anual: análise sumária do sangue e da urina.

- Bi-anual: prova de esforço + ECG.

- 4 anos: Ecocardiograma com Doppler e Raio X Toráx.

Felizmente já tinha estes exames feitos e foi só digitalizá-los e anexá-los ao meu perfil na plataforma. A única avaliação que me faltava era uma avaliação física para perceber se deveria perder peso para melhor o meu desempenho e correr saudavelmente.

 

Pedi então ajuda à minha amiga nutricionista Ana Sofia Guerra para fazer uma avaliação corporal. A última vez que tinha feito uma avaliação destas foi há dois anos e estava super e forma, com uma idade metabólica de 18 anos e uma estrutura corporal equivalente a um “atleta”. Esta avaliação já foi diferente e pela negativa. Estou com uma idade metabólica muita acima da minha idade real de 28 anos e com um peso acima do recomendado. Além disso, estou com uma percentagem de massa gorda elevada que precisa de descer para ganhar forma na corrida. Cheguei a este estado porque na Tailândia comia muitos, muitos hidratos e na verdade, embora tivesse feito algum exercício recentemente, não é comparável com os kms que fazia antes. Está na hora de mudar. Na hora de treinar à séria e de fechar a boca (principalmente aos hidratos ao final do dia e ao álcool, pois, o meu melhor amigo é o vinho). Agradeço muito o apoio da Ana na vertente da nutrição. Tenho um esquema para me guiar no dia-a-dia e que me ajuda a ter mais disciplina na dieta.

17761628_10154647731879958_910365085_o.jpg

Treino em Sintra no domingo passado, o primeiro longo para o EGT 

 

A plataforma beAPT:

No que toca ao treino, o relógio com cárdio-frequencímetro e GPS é essencial. Pois, o que manda nos treinos são a duração do treino e a frequência cardíaca média e não o pace. Na plataforma de treinos temos acesso ao plano semanal atual e da semana seguinte. A plataforma é muito visual e user-friendly. Procedemos a uma ligação ao Strava para facilitar o carregamento dos treinos a partir do relógio. Depois, na plataforma, graficamente, podemos ver o que tinha sido prescrito em termos de treino e o que realmente treinamos.

 

Cada unidade de treino prescrita é caracterizada por:

  • Tipo de Treino: corrida, trail, natação, bicicleta, etc.
  • Tipo de Terreno: estrada, montanha, misto, pista, etc.
  • Altimetria: com diferentes níveis desnível
  • Objectivo: diferentes capacidades fisiológicas a treinar - aeróbio, potência aeróbia, longa duração.
  • Indicadores específicos do treino (tempo, velocidade, ritmo, frequência cardíaca (média e máxima).

17761586_10154647732014958_866602981_o.jpg

 Treino em Sintra no domingo passado, o primeiro longo para o EGT. O Tiago e o Nuno também vão :)

 

O meu plano de treino beAPT:

O meu plano de treino, na primeira semana, passou por 4 treinos de estrada de 30 a 60 minutos e um treino longo de trilhos de 2,5 horas. Além disso, os planos de treino da beAPT, complementarmente ao treino de base aeróbia, têm dois Circuitos de Musculação devidamente enquadrados na semana de treino, com imagens dos exercícios propostos e número de repetiçõe e séries. No meu plano de treino da beAPT, também tenho dois Circuitos de Flexibilidade devidamente enquadrados na semana de treino, também com imagens dos exercícios propostos e respectivo tempo mínimo de execução.

 

A primeira semana correu bem, embora sentisse o aumento da carga semanal de kms no treino de domingo. Esta semana já fiz um treino intervalado (muito puxado, ainda por cima sozinha!) e um treino leve de 70min. Ainda faltam mais três treinos, incluindo dois de trilhos no fim-de-semana e os treinos de musculação e flexibilidade, claro.

 

E o que estou a achar disto? Estou a gostar muito do acompanhamento do Paulo e da Ana. Sinto o apoio deles e isso dá-me motivação e disciplina. É bom saber que estou a ser acompanhada por especialistas e que estou a preparar-me para o EGT de forma eficaz e saudável. Para a semana dou mais feedback :)

 

Se até lá tiverem alguma dúvida ou questão, não hesitem em contactar!

 

Bons treinos!

 

Vou participar no Estrela Grande Trail e vou ter ajuda!

BEAPT Correr na Cidade.jpg

 

No final de Maio vou participar no Estrela Grande Trail. O ano passado também já tive a oportunidade de correr na bela Serra da Estrela, num evento de excelência organizado pelo Armando Teixeira, um dos meus ídolos do trail running nacional.

 

Sabiam que o Armando Teixeira foi treinado por alguém para chegar onde chegou? Sim, o Armando, e muitos outros atletas de trail running de referência em Portugal, foram treinados por um senhor chamado Paulo Pires.

 

Pessoalmente, como nunca ambicionei fazer pódios ou grandes tempos, nunca ponderei contratar um treinador. Entretanto, à minha volta, parece que cada vez mais pessoas que optam pelo treino acompanhado. O Tiago escreveu um excelente artigo sobre os benefícios de ter um treinador. Então pensei que a minha participação no Estrela Grande Trail deste ano merecia um apoiozinho, pois é uma prova muito desafiante em termos de tecnicidade e altimetria.

 

Foi pelo Pedro Luiz que conheci o Paulo Pires, um treinador de UltraDistâncias, UltraTrail, Triatlo, Maratonas. Paulo é licenciado em Desporto e Educação Física pela Faculdade de Desporto da Universidade do Porto, FADEUP, na opção de Desporto de Alto Rendimento. Além disso, é mestre em Gestão Desportiva pela Faculdade de Desporto da Universidade do Porto, FADEUP. Paulo é professor de Educação Física/Desporto e praticou várias modalidadescomo atleta, monitor, e/ou treinador: Atletismo, Natação, Polo-Aquático, Canoagem, Badminton, Montanhismo/Alpinismo.

13217600_962729590519892_2964406500126941013_o.jpg

Será que vamos apanhar neve no EGT deste ano? 

 

Vamos conhecer um pouco melhor que é o Paulo Pires e como será o meu programa de treinos?

 

Paulo, Há quanto tempo és treinador?
Eu sou treinador desde que terminei o curso da Faculdade de Desporto da Universidade do Porto. Estive muito anos ligado à Natação de Competição e há 9 anos que segui o caminho de “TREINADOR” de ultradistâncias em montanha, desafiado pelo Carlos Sá e Carlos Peixoto. Depois Comecei também a trabalhar com o Armando Teixeira, Natércia Silvestre, Leonardo Diogo… e do nosso trabalho começaram a surgir muito bons desempenhos em provas internacionais de referência. Colocamos o ultratrailrunning português no mapa internacional. Com os nossos bons resultados comecei a ser solicitado para orientar para mais atletas portugueses e estrangeiros. Dessa procura surgiu a necessidade de criar plataforma de treino “beAPT”, sistematizando o trabalho que vínhamos fazendo com a Armada Portuguesa do Trail.

 

Quais as modalidades em que gostas mais de ser treinador?
Eu gosto do desafio das ultradistâncias pela planeamento estratégico que envolvem. Pelos riscos que temos que assumir. Mas realizo-me principalmente, a ajudar os meus ultrarunners a concretizar os seus desafios. Sejam eles sedentários que resolveram mudar de vida e começar a treinar ou atletas de referência mundial a participar nos desafios mais competitivos. Contudo, até ao momento, há um conjunto de desafios que me marcaram pelas dificuldades que implicaram e pelas emoções que vivemos juntos:

  • o 1º UTMB (2011) com o Armando Teixeira e Carlos Sá.
  • Colocar 2 portugueses na Ronda dels Cims no top10 (Armando Teixeira e Claudio Quelhas).
  • Record de ascensão do Aconcágua com o Carlos Sá.
  • Em 2015 em 11 ultratrailrunners dos nossos presentes no circuito do UTMB (occ, tds, ccc, utmb), todos foram finishers.
  • Haver um sentimento de identidade e de pertença à APT que nos orgulha. Porque primeiro que os treinos, há uma filosofia de vida que nos une.

 

Como funcionam os teus programas de treinos?
Os nossos treinos são desenvolvidos de acordo com uma metodologia própria, resultante de e investigação científica e de anos de uma saber de experiência feito como treinador e montanhista.

 

A quem se destinam os teus programas de treinos?
A nossa metodologia pode ser aplicada a um sedentário que resolve fazer actividade física para melhorar a sáude e perder peso ou a para atletas que buscam rendimentos e desempenhos superiores.

 

Como se diferenciam os teus programas de treinos dos outros que existem no mercado?
A nossa plataforma de treinos (www.beapt.pt) permite prescrever treinos individualizados de acordo com o perfil biométricos do atleta em função do seu objectivo/desafio e nível de rendimento. Os treinos de base aeróbia são acompanhados com um plano de trabalho de reforço muscular (força) e flexibilidade.
Para trabalhar connosco é necessário realiazar/aprensentar um conjunto de exames médicos que atestam da capacidade funcional da pessoa para o nível de treino a que se propõe. Temos também uma preocupação constante na longevidade e saúde dos nossos atletas. Disponibilizamos também um conjunto de serviços complementares na área da medicina desportiva, nutrição e avaliação fisiológica.

 

Nas próximas semanas irei partilhar convosco, uma vez por semana, como está a ser a minha experiência rumo ao Estrela Grande Trail com o programa beAPT Se tiverem alguma dúvida em relação aos programas de treino do Paulo, não hesitem em contactá-lo a ele ou a mim :)

Race Report: Ultra Douro e Paiva - UTDP

10989220_429827037202992_717082751481161790_n.jpgPor: Stefan Pequito

 

A 1ª edição do UTDP foi no ano passado, o tempo passa a voar, sendo que nessa altura fui aos 64k. Foi uma prova que correu mal sem dúvidas. Na altura devido a alguns erros da organização e de gente mal-intencionada. Fiz uma review da prova onde falei disto tudo mas na qual também frisei que era uma prova com um enorme potencial. Foi uma prova onde ganhei boas amizades, que ainda tenho hoje, uma delas foi o André Oliveira um mestre disto tudo. Sou sincero quando afirmo que não estava nada a espera do convite para ser padrinho, foi uma enorme surpresa mas à qual respondi imediatamente que sim.

 

Lá fui eu novamente para a prova, mas este ano fui aos 35k derivado de ainda estar em recuperação do Oh Meu Deus. Assim, encarei esta prova como o pontapé de saída para começar a preparação para o meu próximo grande desafio, Ultra Pirenéus.

 

A ida para cima foi fantástica, a viagem na companhia da nossa Campeã Carla André, e a nossa querida “avô” das corridas Analice. O que posso dizer é que quase que já estou quase convencido em fazer o MDS, com as histórias fantásticas que estas duas senhoras contaram de lá.

11229902_1017487251605273_4954150688272206937_n.jp

Saímos bem cedo, pois os 3 tínhamos as jornadas técnicas para fazer - outra coisa que não estava nada a espera pois ainda sou novato nestas andanças. Chegámos, dois dedos de conversa com o André e praticamente ir direto para o auditório. Estava super nervoso, sou sincero, ainda bem que não tive de falar muito (lol).

 

De seguida fui levantar o dorsal, jantar e cama, que no meu caso foi no pavilhão. Até à meia-noite correu tudo bem e até consegui dormir, mas entretanto entraram uns cromos (lol) que se lembraram de cantar os parabéns bem alto naquele pavilhão, e depois ficaram na galhofa. Estive quase para me levantar mais foi um outro rapaz lá. Ainda bem, pois era capaz de lá ter ficado a comer o bolo pois eu conhecia os cromos e bem (lol) (cromos no bom sentido).

 

Resumindo a partir daí foi uma noite de …... mal dormi. As 5 da manha o pessoal que ia para a ultra acordaram todos e eu desisti de dormir. Comecei a preparar as coisas para comer, pois às 7h15m tínhamos de apanhar autocarro até à ponte.

11238960_428788383973524_7079316146946000856_n.jpg

A partida foi dada um pouco mais tarde o que complicou por causa do calor. Tinha como objetivo ir atrás do Armando e do Nélson Graça e foi o que fiz durante a fase inicial, sempre no encalce, atrás dos dois até aos 12k mais ou menos onde tive uma vontade de ir à casa de banho e tive de encostar um pouco. Estávamos também numa zona de rio - partes que não aprecio muito para correr mas que são de uma beleza extrema. No total passámos 3 vezes no rio. Perdi imenso tempo, pois sou um cagão e não me quero partir todo (lol). Depois do rio vem o inferno calorrrrr  bravo, sem uma árvore para nos protegermos. Aí apanhei o Nélson Amaral e como sempre ponho a conversa em dia, fomos até ao posto do 23km juntos, se não me engano. Hidrato-me bem, como qualquer coisa e arranco ainda na tentativa de apanhar mais alguém. Mas o calor era demasiado e o corpo ainda não esta a 100%, por isso mantive-me na minha e não me aventurei mais. 

11226558_1017487078271957_2256351121537181275_n.jp

Mais tarde, depois de novamente entrar no rio, e novamente perder imenso tempo para não me molhar (parvoíce minha) o Nélson Amaral apanha-me outra vez e ainda fomos os dois até ao fim. Quase no fim temos uma descida fantástica, umas das minhas descidas favoritas, adoro aquiloooo! Virei-me para o Nelson e disse-lhe “Bora divertir-nos” e la fomos nós. Resumindo: todos os que passávamos chamavam-nos malucos “eles vão-se a picar”, “eles vão-se matar”, e nós sempre a gritar “esquerda, esquerda”, ”direita, direita” foi um loucura, mas da saudável. Decidimos acabar juntos a prova, não tinha lógica nenhuma fazer uma picardia no fim só para ficar um a frente do outro, não íamos ganhar nada com isso.

11703180_515949171885765_4100401541105983102_n.jpg

11709530_1009333315744861_3595497277701049591_n.jp

Se no ano passado fui ter com André para lhe dar na cabeça, este ano fui ter com ele para lhe dar os Parabéns pois foi uma prova fantástica. Não vi erro nenhum, as marcações estiveram fantásticas, desde de fitas, marcas no chão a tabelas a assinalar o caminho. E pessoal deste que gosto, os que ouvem os participantes e seguem alguns conselhos de quem corre e só tenta dar inputs positivos. Em termos de abastecimentos, tinha o quanto basta, ou seja tudo o que era preciso.

11745587_1037103419633214_3247686152428329172_n.jp

11745775_515948651885817_488279413866002565_n.jpg

Percurso: o que posso dizer é que foi um dos mais belos e difíceis que já fiz, a parte da dificuldade tem muito a ver com o calor mas o trail é mesmo assim. Se vou voltar em 2016? Quase de certeza que vou lá estar outra vez, agora só não sei a distância, mas isso logo se vê.

 

Classificações

64k

M                                                           F

1ªFILIPE GARCIA 07:31:59                 1ºRAQUEL CAMPOS 11:07:39

2ºLUÍS OLIVEIRA 07:56:41                  2ºCÁTIA NUNES    11:39:23

3ºNUNO FERNANDES 07:59:34          3º EUNICE LOUREIRO  12:00:47

 

35k

M                                                           F

1ªANDRÉ RODRIGUES 03:33:03              1ºPAULA LAGE  05:04:10

2ºNELSON GRAÇA 03:40:21                     2ºSUZANA ANDRADE  05:11:54  

3ºARMANDINO TABORDA  03:41:00         3º LILIANA GOMES 05:14:07  

11ºSTEFAN PEQUITO 04:09:19

 

16k

M                                                            F

1ªTIAGO LOUSA  01:50:44                    1ºMARIA MARTINS 02:36:10

2ºNUNO ALVES  01:52:49                     2ºESTELA MARTINS   02:42:47  

3ºBRUNO SILVA   01:55:13                   3ºMARIANA DELGADO  02:44:19 

Agradecimentos:

 

Um enorme obrigado ao André Oliveira e à equipa da UTDP, pelo convite para esta prova de referência (sim já a considero uma prova de referencia lol). Obrigado à Carla André e à Analice por me aturarem pelo caminho, à Girassol pelo material de nutrição, e claro ao meu Treinador Paulo Pires por me ter deixado ir.

11752325_515948621885820_6877344741454874460_n.jpg

Material usado:

  • Tshirt da Reebok e calçoes também (sim era um tshirt e não um top lol)
  • Sapatilhas Salming T1 as minhas meninas fantásticas
  • Meias injini a dar as últimas
  • Mala da Ultimate Direction - AK Race Vest 2.0 que o Tiago Basto me arranjou
  • Barras da Biotechusa de nozes, e gel limão pro da biotechusa, encontram à venda na Girassol
  • Chapéu da Reebok também.
  • Palmilhas da Oficina de Ortopedia as quais já vos tinha falado noutra review, que foram fantásticas. Fiquei fã pois nunca pensei que se iam adaptar tão bem ao trail mas sim, tinha medo da água e foi o que me surpreendeu mais pois secaram muito rápido e mantiveram-se sempre confortáveis sem me magoarem os pés, valem a pena o investimento.

11755641_429876927198003_9004993037258050633_n.jpg

Agora que venha a ultra Pirenéus, até breve!

 

Race Report: O 1º “teste” de 2015

10012810_805709366173402_7027058900368047663_o.jpg

Por Stefan Pequito:

 

Desde novembro que não fazia nenhuma prova - nem de trail nem de estrada. Desde então passei a ser treinado pelo Paulo Pires e a exigência nos treinos subiu. Estive para participar no Ultratrail de Proença mas não me senti preparado e como estava numa fase importante do meu treino adiei a minha estreia para 2015.

 

Decidi então fazer o trail de Vila Velha de Rodão pois foi uma prova que me ficou “atravessada” no ano passado (ler aqui). No ano passado tudo me correu mal. Coisas de maçarico, e este ano quis a “vingança”.

 

Não tive muito descanso para esta prova pois como estou em preparação para o MIUT, Vila Velha de Rodão serviu como uma espécie de teste, sem menosprezar o evento claro.

 

No dia 6 de fevereiro fui com o Luis Hernandez, um “jovem” trailer que começou a correr há pouco e já tem feito alguma coisas interessantes. Ao chegar estava um frio de rachar. Comemos “a nossa” massada de atum e fomos buscar o dorsal à Vila, para além de termos aproveitado para falar um pouco com o pessoal da horizontes – que organizam esta prova, entre outras. Avisaram-nos que era quase igual à do ano passado, só que o circuito seria contrário. E avisaram-nos para ter cuidado com o gelo…

 

Regressamos a “casa” para analisar bem a prova, perceber onde se devia comer e quais os postos de abastecimento. Depois disso, fomos deitar-nos. De manhã, no dia seguinte, depois do pequeno-almoço e da preparação, seguimos para Vila Velha de Rodão e deparo-me com o meu primeiro percalço: tinha-me esquecido dos bidões com o isotónico em casa e entrei logo em “desespero”. Mas os Paulos safaram-me e tinham dois bidões que me emprestaram e que levei com água do Luso.  

 

Falando da prova em si, estava muito frio, muito mesmo (-3 graus) e estava tudo gelado. Arranquei em modo “leve”, e meti tudo na bolsa da Quechua onde consegui meter o material obrigatório todo. A prova arrancou com os 47k e os 27k juntos as 9 horas da manhã. Na altura pensei em colar-me ao Luís Mota a ver no que dava. E lá arranquei com ele na converseta.

10974459_721110788008231_9150734608271560501_o.jpg

Na divisória dos 27km o Mota olhou para mim e apontou-me a prova dos 27km. Ri-me e disse-lhe: “Vou contigo eu sou dos 47”. Ele riu-se e disse-me logo que com companhia era mais fácil fazer os 47km. E lá fomos num ritmo porreiro pois, a fase inicial da prova, era muito rolante. O Rui Luz passado um pouco também chegou ao pé de nós e, seguimos todos juntos. 


Foi bom ver como o pessoal da frente se comporta pois é uma” zona” nova para mim. Até as 40 km fomos sempre perto uns dos outros. Mas numa zona mais técnica tive de “tirar o pé” pois não tenho a mesma experiência que eles e não queria abusar. A “minha” prova é o MIUT.  

 1932633_721110791341564_7985942760205589388_o.jpg

Nessa altura afastaram-se um pouco, e como sabia que o 3º lugar já estava quase garantido,  geri a última parte da prova. Na última subida sei que me aproximei-me deles mas ao chegar lá a cima ressenti-me um pouco dos treinos fortes e tive de gerir um pouco o esforço até ao fim. Ao chegar fiquei contente, não sabia a quanto tempo tinha ficado deles mas tinha o meu 1º pódio garantido.

1964928_784004028343407_2800073016087228973_n.jpg 

Foi uma prova muito bem organizada, como sempre, com sinalização fantástica, abastecimentos quanto basta (é pena não ter uns isotónicos, mas não é por aí. Dá para improvisar: um pouco de sal, uma laranja espremida, açúcar e esta feito). Foi uma prova bastante rolante com mais ou menos 10km técnicos. De resto uma boa prova para iniciar a época com 2000 D+.

 

Como escrevi anteriormente, foi um teste para as minhas pernas e para algum equipamento novo que recebi da Reebok. A t-shirt de trail deles é muito boa, e os calções “minimalistas” deram show (lol). E, na minha opinião, o melhor casaco que já experimentei e que foi uma maravilha na fase inicial e de fácil arrumação. Em relação ao calçado, os meus New Balance 110v2 deram as últimas em prova, já os levei cosidos. São as minhas sapatilhas, sem duvida, adoro-as mas é a vida.

DSC_0178.JPG

 

Resumindo, foi a minha primeira prova de 2015, onde aproveitei para testar muita coisa e vi os resultados do trabalho árduo. Não me levei ao limite e terminei pronto para outra.

 

Parabéns ao Rui Luz o vencedor da prova e parabéns a Organização dos Horizontes por mais uma fantástica prova na Beira Baixa.

 

Tenho que agradecer à Loja Girassol pela ajuda na parte da nutriçao que me ajudou muito (mesmo que me tenha esquecido do isotonico em casa…), desde as barras da goldnutrition endurance, gel ,ao famoso isotonico ,e claro todo o material como a aveia que tenho comido, foram encomendados na sua loja online e em menos de 24 horas estavam comigo. Muito obrigado.

 

10982761_784004138343396_2673291969688947306_o.jpg

 

Classificação feminina 40km+

Posição

Dorsal

Atleta

Equipa

Tempo

109

Isabel Moleiro

SS CGD

05:37:26.719

2

Carla Elisabete André

A minha corrida

05:47:06.844

353

Sónia Túbal

Estimulo D`Aventura

05:49:11.875


Classificação masculina 40km+

73

Rui Luz

Individual

04:18:01.266

61

Luís  Mota

Casa do Benfica em Abrantes

04:18:13.969

12

Stefan Pequito

Correr na cidade

04:23:52.266


Classificaçao feminina 20km+

71

Anabela Duque

A.C.S Mamede

02:51:58.156

249

Elisabete Vieira

Sunset Runners

02:57:09.110

387

Tuxa Negri

Ginásio Quinta do Valbom – AAA TRT

02:57:23.985

 

Classificaçao masculina 20km+ 

67

António  Silvino

ACS Mamede

02:19:51.672

364

João Plácido

União FCI de Tomar

02:24:32.656

199

Guilherme Neto

Sunset Runners

02:25:30.625

DSC_0179.JPG

 

Praia, lua cheia, muito convívio, ah e corrida, claro!

 

Por Bo Irik:

 

Estas são as palavras que descrevem os Treinos Lunares. Ontem surgiu finalmente uma oportunidade para conhecer estes Treinos que se realizam nos dias de Lua Cheia e Lua Nova na Costa da Caparica, com início junto à lota da Caparica.

 

Porquê associar estes treinos às fases da Lua pelas 20h30? Porque sabe melhor correr na areia dura e rasa e porque é precisamente durante as marés vivas, que ocorrem com as Luas Novas e com as Luas Cheias, por volta das 21h00, que a maré está vaza.

 

É nestes dias que, desde 2010, Paulo Pires e os seus amigos se juntam para respirar o ar puro do mar enquanto dão uma corrida de cerca de uma hora na praia seguida dos famosos convívios que podem levar o dobro do tempo do treino (tal como aconteceu ontem)! Ontem foi um convívio muito especial, pois coincidiu com o 60º do atleta Lénio Marinho, grande atleta e amigo.

 

O Treino (e convívio) são indicados para todas as idades e ritmos, pois segundo o Paulo, “para permitir o acesso de todos e um convívio final estabelecemos uma hora para voltar. Há quem vá caminhar, há quem corra menos. Cada um vai até onde puder e quiser ao ritmo que quiser. Leve os seus amigos e faça o que mais lhe apetecer. O importante é no final todos terminarmos sensivelmente ao mesmo tempo e convivermos um pouco enquanto partilhamos uns petiscos e falamos sobre a atividade física que mais gostamos de fazer.”

 

Recomendo vivamente. Dia 29 de Abril é Lua Nova, vemo-nos lá?
Basta trazer equipamento, incluindo um frontal, uma muda de roupa e alguma coisa para petiscar e partilhar no final do treino.
Não conhece ninguém? Passa a conhecer! É este o lema dos Treinos Lunares com o qual me identifico muito.

 

Obrigada aos organizadores e até dia 29! 

 

Mais informação aqui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros

Girassol_banner


Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D