Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correr na Cidade

Corredores...a correr em Lisboa

BV_PUMA_CNC_82.jpg

Por Filipe Gil,

 

Quando pensamos numa marca como a Puma pensamos, claro está, em performance e logo de seguida em design. Por vezes até é o contrário. Ora uma marca assim é suficientemente corajosa para fazer uma sessão de fotografias com corredores amadores, como nós, para mostrar uma das suas maiores apostas dos ultimos tempos no que respeita ao calçado do running: o modelo Ignite.

 

Assim, com a preciosa ajuda do fotógrafo Bruno Veiga, eu, o João Figueiredo e a Bo Irik passamos um final de tarde muito divertido como "modelos" desta sessão fotográfica para a Puma. E experimentamos quer os Ignite quer os equipamentos da marca alemã.

 

Este tipo de produção fotográfica é algo muito habitual e usual entre os bloggers de moda e lifestyle. Porém em relação aos bloggers de corrida somos dos primeiros, ou mesmo os primeiros, a fazê-lo. E, modestias à parte (odeio falsas modestias) as fotos ficaram boas, não acham?

 

Sobre os Ignite falaremos depois na review final. Até lá podem ver algumas fotos desta divertida sessão aqui e ainda mais na nossa página de facebook

 

BV_PUMA_CNC_03.jpg

BV_PUMA_CNC_54.jpg

BV_PUMA_CNC_65.jpg

 

BV_PUMA_CNC_77.jpg

BV_PUMA_CNC_67.jpg

 

Review: Skechers GoRun Ride 3 Nite Owl Skechers

Por João Filipe Figueiredo:

 

A minha relação com a Skechers é de amor platónico. São as minhas sapatilhas preferidas para correr em estrada - é onde corro a maior parte dos treinos - são simples, são práticas, são leves, têm o mínimo indispensável para correr… são minimalistas com o seu drop reduzido. São feitas para namorar durante muitos quilómetros por quem gosta de correr por instinto.

1.jpg

Estas sapatilhas são completamente iguais ao modelo Go Run Ride 3, a única diferença é o facto de terem faixas luminosas. Absorvem a luz – natural ou artificial – em poucos minutos e depois refletem-na na escuridão. Dá algum jeito, em termos de segurança, para quando fazemos treinos nas tardes de inverno, porque assim somos vistos mais facilmente pelos automobilistas e pelos ciclistas… sobretudo aqueles que pensam que as ciclovias são só para eles.

 

As Go Run Ride 3 Nite Owl mantêm os sensores circulares GoImpulse do modelo anterior (Go Run Ride 3), o que proporciona uma passada exactamente igual entre os dois modelos. Corri muitos quilómetros com o Ride 3, não consigo contabiliza-los, mas foi até os sensores ficarem completamente gastos.

Com estas novas sapatilhas (Ride 3 Nite Owl) fiz 245 km – fonte Strava – o que dá para fazer uma análise consolidada sobre a segurança da minha relação de paixão com a Skechers.

2.jpg

 

Estas sapatilhas são agradáveis à vista, têm um design atractivo sem ser demasiado intenso ou berrante. O verde-claro cumpre com o objectivo: visibilidade! Estão incluídas umas palmilhas amovíveis para aqueles que preferem um maior conforto e não gostam tanto de sentir a dureza do contacto do pé com a estrada.


Para quem gosta do minimalismo, proponho que deixe as palmilhas de lado e use o seu instinto para amortecer os impactos com as próprias pernas. O nosso corpo vem preparado de “fábrica” para andar e correr sem ter de usar artifício nenhum…

 

Este modelo da Skechers “obriga” a que a passada seja feita em modo midfoot-strike  (MStrike)– zona central do pé, o que poupa o martírio dos impactos com o calcanhar no chão. Estes Go Run Ride 3 Nite Owl da Skechers são, sem margem para dúvida, os meus ténis preferidos para correr em estrada.

 

Avaliação (de 0 a 20):

DESIGN: 18
CONFORTO: 18
AMORTECIMENTO: 18
ESTABILIDADE: 18
PREÇO: 15

Avaliação Total (de 0 a 100): 87

 

 

 

“Vais-te constipar!!”

water-rain-web.jpg

Por João Filipe Figueiredo

Esta é a típica frase que ouvimos quando vamos correr e lá fora chove que Deus a dá!. Vamos mesmo constipar-nos por correr à chuva ou podemos arriscar sem nenhuma reserva?

 

Deixo-vos aqui o meu testemunho:

 

Não me lembro da última vez que estive constipado ou com febre e de cama. Nunca consegui gozar uma baixa médica no trabalho, nem me lembro de ter faltado às aulas, quando estudava, por motivos de gripe ou coisa parecida. Sou o terror para a indústria farmacêutica.

 

Quando comecei a correr, quase diariamente, há quatro anos, tinha alguma reserva em correr nos dias de chuva. No entanto, rapidamente esse problema foi resolvido. Nessa altura, estar mais de 2 dias sem correr era incomportável para o meu sistema nervoso e não conseguia dormir à noite, pelo que tive de me fazer aos treinos mesmo com chuva.

 

E…não é tão mau como parece…

 

Há no mercado uma parafernália de mercadoria para evitar a chuva: desde o tradicional impermeável até ao guarda-chuva XpTo a jato de ar. Se estarmos molhados até aos ossos fosse uma ameaça, o ser humano já estava extinto há milénios. Levar com água da chuva no frontispício nunca matou ninguém.

 

Os truques para mantermos o termómetro médico lá de casa em estado de “Nunca utilizado” são simples e de senso comum: Nunca permitir que o corpo arrefeça depois de correr! Para isso: Após o treino ou corrida, devemos tirar logo a camisola/calções molhados e vestir roupa seca; Devemos secar a cabeça com uma toalha; Se formos para o carro, devemos ajustar a temperatura no interior para o “quentinho”; Se formos para os transportes públicos, devemos vestir uma camisola de mangas compridas e mais grossa; E, devemos minimizar o tempo até chegarmos ao (delicioso) duche quente.

 

Correr à chuva não deve ser visto como algo muito complicado. Pode ser usado como uma experiência de sacrifício/superação e, … no fim sentirmo-nos triunfantes. Não se esqueçam que com a chuva a piso fica muitíssimo mais escorregadio, tenham por isso muito cuidado para evitar “mergulhos” nas poças de água e na lama.

 

Adaptem-se, improvisem, “toquem Jazz” com a vossa passada por qualquer piso por onde corram.As outras pessoas irão olhar-vos com admiração pelo prazer que lhes estão a transmitir.

 

Correr à chuva é fabuloso!

1ª impressão: Newton Boco AT

2.jpg

Por João Filipe Figueiredo:

 

As primeiras impressões, têm de ser mesmo as primeiras! Por isso fica aqui a descrição rápida do que senti ao calçar, ao andar e ao correr pela primeira vez com estas sapatilhas..

 

Na passada 3ª feira, dia 28 de Outubro, aproveitei o treino organizado pelo Tiago Portugal intitulado “City Green Trail”, que consistia num percurso de 12 km em estrada e trail, para estrear estas Boco AT, o modelo “todo-o-terreno” da Newton.Ao pegar nestas sapatilhas senti imediatamente a sua leveza. Apesar de serem aparentemente e realmente robustas, não são nada pesadas.

 

Calcei as sapatilhas e dei os primeiros passos. Andar com as Boco AT é uma sensação estranha. Isto porque por baixo da zona do meio do pé, a sola tem uma sobre altura - parece que temos um salto a meio do pé – mas atenção caros leitores… em corrida, este pormenor, faz todo o sentido!...

3.jpg

A sensação de espaço nos dedos dos pés que as Boco AT proporcionam, sem apertos laterais, é um aspecto bastante bom. Gostei também da capacidade de aderência em trail, mesmo nos maiores declives – em subida e descida. E comportaram-se muito bem em terrenos com muitas pedras e raízes salientes, isto à noite e eu sem frontal…

Desconfio que estas sapatilhas são "boa onda", mas ainda lhes quero dar um tratamento mais “à bruta” para chegar a uma conclusão. Para isso preciso de mais uns dias de treinos e depois logo escreverei a review final.

Até breve.

c.jpg

 

 

 

 

 

    

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D