Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correr na Cidade

Colecção myGirls running Outono/Inverno 2014

Quando penso no Outono e no Inverno, só me vêm à memória imagens cinzentas de dias com chuva, o castanho das folhas a cair, o escuro da noite às 17h da tarde.

Mas a nova coleção adidas myGirls running Outono/Inverno 2014 vem revolucionar e iluminar o nosso Inverno com cores, cortes e padrões luminosos, tendo sempre como prioridade máxima o conforto e a optimização da performance de cada atleta, profissional ou não.

 

Para o efeito, a adidas aposta nas inovações tecnológicas, imprimindo-as em cada peça apresentada: Climacool (máxima ventilação), Climalite (tecidos leves e transpiráveis) e Climachill (máxima sensação de frescura).

Para além da componente têxtil, a adidas lança ainda um conjunto de novos modelos de sapatilhas Boost.  Esta tecnologia foi desenvolvida para proporcionar um amortecimento consistente e um bom impulso mesmo a temperaturas abaixo de zero ou em situações de calor intenso. 

Vamos ter um Inverno mais colorido e bonito nas estradas, passeios, marginais, do nosso país...

 

Boas corridas!

“Uma sapatilha leve e reativa consegue diminuir o consumo de oxigénio em 1%”

Por Filipe Gil:

 

No final do mês de julho estivemos nos escritórios da Adidas em Lisboa para uma workshop sobre a tecnologia Boost, como já tínhamos anunciado aqui. Publicamos, em duas partes, a entrevista que fizemos a Adriana Machado, formadora da Adidas na tecnologia Boost e que para além de nos explicar como funciona a tecnologia avança com algumas novidades da marca alemã para breve.

 

Ano e meio depois do lançamento da tecnologia Boost que evolução tem tido?

Foi um lançamento que correu muito bem. Antes do material ser introduzido sabia-se muito pouco porque foi uma grande inovação no mercado. A grande inovação está mesmo nas características do material Boost: impulsão, resistência às temperaturas e durabilidade e na capacidade de reunir amortecimento e reacção numa única sapatilha. Umas das nossas grandes apostas para o Outono/Inverno é o modelo (SuperNova) Sequence, de estabilidade. Quando se pensava que, para se ter uma sapatilha de estabilidade, tinha que ser pesada, com este modelo conseguimos  contrariar isso e oferecemos amortecimento, estabilidade e reactividade e leveza.

 

 

E mais novidades?

Em breve vamos apresentar a tecnologia Climaheat que é inspirada nos pelos do urso polar. O pelo é oco e para alem do tecido adiposo o urso consegue aquecer-se com o calor produzido pelo seu corpo que entra e permanece nesse espaço. No Climaheat a lógica é a mesma. Tem filamentos ocos e o calor produzido pelo pé e pelo corpo (no caso de material têxtil) mantém o calor.  

 

Qual o feedback que têm tido dos vossos atletas profissionais e de elite na passagem para os modelos profissionais para a tecnologia Boost?

Toda a gente acha muito interessante. Há ano e meio que introduzimos o Boost no modelo Adios e desde então temos 11 recordes batidos com esse modelo, entre Maratonas e Meias Maratonas em provas oficiais. É, actualmente, o nosso Santo Graal no mundo da corrida.

 

E o que têm sentido da parte de quem usa Boost mas não é profissional?

As vantagens do Boost é um argumento válido quer para o corredor profissional quer para o corredor que faz 5Km por dia, isto porque todos os corredores procuram reacção, leveza e amortecimento e um menor consumo de oxigénio. Aliás, no nosso laboratório, no Adidas Innovation Team (AIT) e na Universidade de Calgary conseguimos provar, através de testes, que uma sapatilha leve e reactiva como o Boost consegue diminuir o consumo de oxigénio em 1%. Ao ainda juntarmos a sola da Continental conseguimos aliar durabilidade e tracção na mesma sola.

 

E qual foi a principal dificuldade que os corredores tiveram a adaptarem-se a esta tecnologia?

A sola ser peculiar, destaca-se em qualquer parede de calçado. Estamos habituados ao EVA e este Boost causa estranheza no início, mas o engraçado é que na altura do seu lançamento, os Adidas Boost Energy esgotaram, não só em Portugal mas também noutras partes do mundo. Mas para alem dos argumentos que indicamos o melhor mesmo é o corredor calçar e perceber o conforto que a meia sola Boost nos dá.

 

No próximo domingo publicaremos a segunda parte desta entrevista.

As primeiras imagens dos Adidas Boost 2 e dos Nike Lunarglide 6

Já sabem que este blog adora dar informação em 1ª mão (esforçamo-nos para isso). Ora nas nossas pesquisas descobrimos dois vídeos sobre dois modelos de sapatilhas de corrida que vão agradar a muitos corredores em Portugal, já que se tratam de dois best-sellers da Adidas e da Nike.

 

Um ano depois do lançamento dos Adidas Boost, a marca germânica prepara-se para lançar os Adidas Boost 2 - segundo informação que recolhemos chegará aos mercados no final de fevereiro (não sabemos se será esse a data de lançamento em Portugal). Vejam o vídeo e conheçam o novo modelo:

 

 

 

Também a Nike prepara-se para lançar a 6ª edição dos famosos Lunarglide, modelo para pronadores ligeiros e adequados para os treinos do dia-a-dia. Este é o vídeo de apresentação deste modelo que aposta num design diferente de todos os modelos anteriores. Vejam o vídeo aqui:

 

 

 

Almoço com atletas da Adidas

20131211-173409.jpgA Adidas convidou alguns blogues, sites e revistas especializados em corrida a almoçarem e conviverem com alguns dos super atletas portugueses. Marco Fortes, Nelson Évora, Naíde Gomes, Susana Feitor e o ex-atleta Luís Jesus (agora à frente da Jesus Events) estiveram à conversa comigo, com o José Guimarães, Sandra e Bruno Claro e Isabel Pinto Costa, diretora da Sport Life.

O encontro teve lugar no Bairro Alto Hotel e serviu para trocar experiências com estes atletas. Desde  falar de lesões à da postura perante as competições, ou ainda de algumas experiências profissionais mais interessantes, para além da forma como os corredores amadores veem a corrida e, claro, os equipamentos da Adidas para running

Foi excelente. E fica aqui o agradecimento público à Adidas pela forma como nos recebeu.

Review: Adidas Adistar Boost - Fiéis amigos

Adidas7Por Filipe Gil:Uma boa amizade, daquelas que duram anos e anos, nem sempre começa da melhor maneira. Por vezes esses amigos, ou amigas, descobrem que no início, ainda antes de se conhecerem bem, havia algo com que embirravam sem razão aparente, construindo juízos de valor sem grande conhecimento de causa. Ora, toda esta conversa é para explicar o que se passou entre mim e os Adidas Adistar Boost.Quando os recebi para teste, gentilmente cedidos pela Adidas, fiquei a olhar para eles com alguma desconfiança. Não eram os Adidas Energy Boost, os ténis do momento, aqueles que via nos blogues portugueses mais famosos (curiosamente os mais ligados à moda).Os que estavam dentro da sóbria caixa da Adidas, apesar de partilharem a maioria do aspeto do modelo “fashion”, tinham uma sola diferente, menos minimalista. E o modelo que recebi (os pretos) têm uma aplicação de apoio preta, feia, do lado de dentro dos pés que não me deixou agradado, visualmente falando. Parecem ténis apropriados para um metálico saudosita ir correr “all in black”.Adidas5Como na altura estava a rodar um modelo minimalista de uma marca concorrente decidi deixá-los na caixa por mais uns dias – coisa que raramente faço quando recebo novidades de running. Só um par de semanas depois decidi calça-los, e ainda com desconfiança, lá experimentei a tecnologia Boost com a tal aplicação e apoio para pronadores suaves.O primeiro receio ficou por terra logo após os primeiros metros, pensei que a parte superior dos ténis fosse mais apertada – estava com medo de ganhar bolhas – mas não. O material Techfit é muito maleável e quase que nem se sente, é como ter uma segunda meia por cima da meia, embora não falte a sensação de proteção.Passados alguns quilómetros comecei a sentir os ténis. Achei-os confortáveis, porém algo duros. Não devia ser a sola Boost algo “saltitona”, como as bolas que surgem nos anúncios? Pensei que talvez fosse da tecnologia Formation, que controla o movimento, do pé. Pensei ainda que fosse da borracha da Continental na sola. Mas esta característica faz parte deste tipo de ténis, que necessitam de ser “partidos” com kms de rodagem – algo que não acontece nos ténis minimalistas.Adidas3Fazendo fast forward na minha “relação” com estes Adistar Boost, e após 80K percorridos, posso assegurar que são uma excelente escolha para corredores com uma passada pronadora suave. Isto porque à medida que vamos fazendo mais kms com eles, mais se vão adaptando aos pés. Transmitem segurança em dois sentidos, no impacto dos pés com o solo  que me permitem avançar que deverão ser, seguramente, uma excelente opção para provas de maior distância – Meia Maratonas ou Maratonas. Embora não arrisque dizer se são os ténis ideais para pronadores (MESMO pronadores) fazerem uma Maratona, mas que transmitem confiança, isso é certo. Também noutro fator, a durabilidade. Posso estar enganado mas pelos que já experienciei tenho ali ténis para muitos, muitos km’s.Convém aqui contar uma breve história. É este modelo que me está a ajudar a recuperar de uma lesão num osso do pé direito por uso indevido em trail, e em distâncias longas, de ténis sem apoio para a minha passada estranha do pé direito – eu sei que há outras opiniões, eu próprio já escrevi que isto da pronoção e supinação é capaz de ser uma grande treta.Adidas6Mas estes Adistar Boost têm me ajudado muito no reencontrar da passada que após a lesão está a demorar umas boas três semanas a sarar  - haja paciência. Apesar de ter que usar ténis para pronadores em distancias superiores a 10K, este modelo será o que irei levar para dia 8 de dezembro percorrer a Meia Maratona dos Descobrimentos. Claro que estou com algum receio de criar demasiadas bolhas. Mas entre ter duas ou três bolhas e ter um pé lesionado durante três semanas, a escolha é óbvia.Adidas1Em resumo: apesar de terem 11mm de drop (estou habituado a usar entre 4 e 8) apesar de serem para pronadores suaves e neutros e não para pronadores mais "severos", estes são um modelo muito, muito bom. Se o aconselhava a um amigo? Sem dúvida. É perfeito para aquele corredor que está um pouco acima do peso ideal que vai agora começar a correr mas que tem na mente fazer, pouco depois, uma Meia Maratona. E mesmo que esse corredor perca pesa, nessa altura já este modelo se adaptou à sua passada e tudo fluirá de forma natural.Adidas9Pontos positivos:-       Estabilidade-       Material da parte superior do ténis-       Sola Continental + Tecnologia BoostPontos negativos:-       Design geral (deste modelo. Em azul são muito bonitos)-       Peso (315 gr)-       Língua dos sapatos (demasiado almofadadas, a lembrar ténis de skate).Modelo: Adistar BoostMarca: AdidasP.V.P. : 160€Classificação (1 a 5): 4,8adidas-adistar-boost-shoes-inside

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D