Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Correr na Cidade

Sofrimento, companheirismo e aprendizagem!

 

Por Nuno Espadinha:

 

É mesmo isso: sofrimento! É a palavra que melhor descreve a minha participação no Louzan Trail, o meu primeiro trail a sério.

 

Estou habituado a chegar às provas e correr. Ponto. Sem grandes stresses ou preparação. Isto tem sido válido para as provas de estrada que fiz até agora, e onde se incluem algumas Meias Maratonas e distâncias de 10 a 15k. Para o trail a coisa muda de figura e nada do que fiz até chegar à Lousã, um treino em Sintra de 24Kms e um ou outro "passeio" pelo Jamor  e ainda um treino de 18kms em Monsanto (uma semana antes da Lousã), me preparou para o que encontrei!

 

A minha "prova" acabou definitivamente aos 13/14Kms depois da subida ao Trevim, já não vinha “famoso” e tinha feito um esforço tremendo para não escorregar no xisto que fomos encontrando pelo caminho.

 

Não sou grande fã de escalada e aquela "parede" esgotou as minhas forças. Eu que sou conhecido na crew por fazer uma boa gestão de esforço fiquei nas lonas....e ainda faltavam 20 Kms, aproximadamente. Aqui entra a segunda parte do título deste report: Companheirismo!

 

 

Sem a preciosa ajuda, espírito de sacrifico e paciência dos meus companheiros da Crew, Nuno Malcata, Bo Irik e Filipe Gil (a ordem é aleatória), teria certamente desistido aos 20Kms. Eles demoraram, à vontade, pelo menos mais 45 mins do que se me tivessem deixado ficar para trás.

 

Pelas cãibras que senti, descobri que a compressão não é de todo para mim em trail. Já não o era em provas de estrada, e no trail também não. Pela primeira vez desde que corro ia ficando pelo caminho sem ser por lesão, e aqui entra a terceira palavra do título: Aprendizagem!

 

 

É um bocado "violento" aprender desta forma mas paciência, sei agora que tenho de me preparar melhor nas semanas antes destas provas e perder algum peso, e melhorar a hidratação por exemplo. Tenho a particularidade de só ter um rim (é um mega rim, ok!) e na prova fiz retenção de líquidos, o que não pode acontecer.

Aprendi também que comer e correr não é para mim, por isso terei que optar sempre por coisas como os géis para não me sentir desconfortável e demasiado pesado.

 

Em conclusão e como notas positivas deste fim-de-semana trago comigo a convivência com a Crew e a viagem, as paisagens deslumbrantes, que mesmo assim consegui apreciar, e a hospitalidade das gentes da Lousã. A organização,as pessoas que encontrámos pelo caminho no trail e um agradecimento especial aos pais do Pedro Luiz que foram inexcedíveis, aquela Chanfana estava divinal... 

Ah e ainda mais uma nota, quero experimentar isto outra vez!

 

 

p.s. - fotos 1 e 3 da autoria de Pedro Sequeira; foto 2 da autoria de Luís Canhão.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D