Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Correr na Cidade

Sapatilhas de corrida, novas marcas disponíveis

Brands 1.jpg

 Por: Tiago Portugal

 

Pouco mais de 1 mês depois de ter escrito sobre a diversidade de marcas presentes no mercado português, vejo com satisfação que neste curto espaço de tempo alguma coisa mudou.  Os corredores nacionais têm, finalmente, uma maior liberdade de escolha relativamente às sapatilhas de corrida, e o mesmo se poderá dizer no que respeita ao têxtil especializado.

 

Os meses de maio e junho foram prolíferos em termos de novas marcas a entrarem no mercado ou pelo menos com uma mudança estratégica de maior aposta em solo nacional.

 

Mas o que terá mudado para de repente o mercado português se ter tornado mais apelativo para algumas dessas marcas? 

 

Correr está na moda? Claramente que sim.

 

Vê-se cada vez mais portugueses a correr? Também é verdade e ainda existe muito espaço para crescer.

 

Portugal tem condições idílicas para a prática da corrida? Claro, sendo que o trail em particular pode tornar o nosso país num destino para corredores de todo o mundo. A recente notícia da criação do 1.º centro de trail em Penacova, by Carlos Sá, é mais um sinal de que o turismo desportivo pode e deve ser uma aposta em Portugal.

 

Mas não nos iludamos, acima de tudo é uma oportunidade de negócio que as marcas estão a ver e não querem deixar passar. Fazendo umas contas de “sapateiro”, segundo um recente estudo do IPAM, 2014, existem 1,45 milhões de praticantes de corrida em Portugal. Vou ser mais cauteloso e reduzir esse número para 1 milhão. De acordo com esse mesmo estudo, que está disponível na internet para consulta, cada 1 desses corredores gasta cerca de 118 euros em calçado desportivo por ano.

 

Já fizeram as contas? São 118 milhões de euros gastos em sapatilhas. Se desse bolo conseguir uma fatia de 5% a 10% de cota de mercado são entre 6 a 12 milhões de euros. Temos que retirar a estes valores os custos operacionais da operação e a margem dos revendedores, mas acredito que ainda se ganhe algum dinheiro com isto da “corrida”.

 

Não é portanto de admirar que recentemente algumas marcas tenham decidido apostar no nosso país, com isso ganhamos nós todos que gostamos de correr.

 

11.png

 Ainda temos muito caminho para percorrer, nomeadamente em termos de lojas ou espaços dedicados ou especializados em corrida. Ver, tocar, sentir e experimentar são essenciais na escolha de novas sapatilhas. É importante experimentar. A biomecânica de corrida é muito pessoal, assim como a nossa forma do pé e aquilo que pretendemos/objetivos que temos com a corrida. Tudo isto em conjunto dita as nossas necessidades e influencia na hora de escolher a melhor opção para nós.

 

Um modelo que seja o mais correto para mim não é necessariamente o mais indicado para todos.

 

Escolher em função do “este é o mais bonito” ou "ouvi dizer que estes eram bons" é um erro e pode ter consequências a médio/longo prazo, tais como o surgimento de lesões.

 

Para ajudar na tomada de decisão é importante ir com alguma informação, leitura de reviews, características técnicas dos modelos, saber o que queremos e os nossos objetivos e puder contar com apoio ou ajuda especializada na hora de escolher.

 

Existem em Portugal, pelo que sei, 2 lojas especializadas em corrida, uma em Lisboa e outra no Porto. Nestes espaços encontramos pessoas habilitadas para nos ajudar na escolha acertada.

Além destas existam ainda algumas lojas de desporto, próprias de marcas tais como Adidas, ASICS,Nike, New Balance, Salming, Merrell e Skechers, onde podemos ser orientados para uma escolha mais acertada, dentro dos vários modelos de cada uma das marcas. 

 

No entanto, a grande maioria, na qual me encontro, utiliza maioritariamente os grandes espaços dedicados ao desporto, estou a referir-me a 3 grandes lojas, para comprar o material de que precisa. E aqui, e isto é uma opinião puramente pessoal, já ouvi algumas barbaridades a serem ditas aos clientes, propondo modelos sem nenhum tipo de critério técnico ou atenção para com o consumidor final.

 

Acredito que exista falta de informação e formação a quem trabalhe nestas lojas.

 

Encontrar o equilíbrio correto entre amortecimento, suporte, ajuste e comodidade consegue-se através da experimentação, sensações e aconselhamento especializado.

 

Resumindo, o mercado nacional está cada vez mais diversificado e o consumidor tem cada vez mais liberdade na hora de escolher a sua próxima sapatilha. Temos agora que começar a apostar em dar mais informação e ajuda especializada quando chegar essa altura. 

 

Boas corridas a todos.

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D