Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Correr na Cidade

Review: Salming T1 - A surpresa sueca

11154823_1638023319760643_6856161812586391793_o.jp

 

Por Stefan Pequito

 

A Salming é uma marca que já andava a namorar há algum tempo, mas para minha infelicidade não tinha, ainda, modelos de trail. Contudo, em dezembro do ano passado, tive conhecimento que iam lançar umas sapatilhas de trail e, mal as vi, percebi que a nível de design tinham um “aspeto de top”. Não resisti e fiz logo o pedido para as testar.

 

Foram uns meses "dolorosos" à espera delas, pois estava mesmo curioso para ver “as meninas” e queria usá-las já no Madeira International Ultra Trail (MIUT). A entrega atrasou-se e só as recebi duas semanas antes da prova,o que me deixou um pouco de pé atrás se as levaria para a prova, ou não. Mas as várias reviews deste modelo que li e o feedback de quem já as tinha usado afastaram, um pouco, esse medo.

 

Quando as recebi, calcei-as quase de seguida para ver qual era a sensação. Posso dizer que gostei logo! Fui fazer um treino no dia seguinte, primeira parte do percurso em estrada e onde se comportaram muito bem: principalmente, são muito confortáveis; e, como estava bastante calor nesse dia, deu para ver que se portam bem em termos de arejamento mesmo tendo uma cama dupla de tecido.

 

A segunda parte do treino foi efetuado numa descida técnica em trilhos onde deu para ver um pouco da sua garra em terrenos acidentados: aderência bastante boa em terreno seco com muita pedra e inclinações acentuadas. Primeiro teste concluído e com resultado bastante positivo. Ainda não convencido em que altura as iria levar, se para o início da prova ou para o final, mas uma coisa já sabia, as Salming iam comigo. 

 

O segundo teste foi um treino mais puxado por Monsanto: treino mais rápido e duro num terreno mesmo técnico, com subidas e descidas. Resumindo: gostei da segurança da sua “armadura” e do exosqueleto que tem o qual ajuda muito na estabilidade do pé, bastante bom para evitar azares, como entorses. Gostei bastante do amortecimento, sem prejudicar a postura e o ataque ao chão com drops altos, pois esta sapatilha tem 5mm de drop e é uma sapatilha leve (com 290g no meu tamanho que é 42.5).

 

Bem, isto estava cada vez a convencer-me mais, mas ainda tinha algumas dúvidas e estas foram tiradas no dia da prova em que levei as sapatilhas no início, mesmo tendo outras a meio para trocar caso houvesse algum stress.

 

CONFORTO

Sei que é um risco levar uns sapatilhas pouco batidas numa prova destas, ainda por cima com a importância que tinha, mas havia algo nelas que me davam alguma confiança, e posso dizer que fiz 115km com elas e gostei! Sem dúvida que o ponto forte é a sua estrutura super confortável: os pés estão sem qualquer mazela, nem mesmo uma bolha; deram muita confiança no ataque ao solo, pois são muito equilibradas e, por isso, é mais complicado fazer entorses e tem um amortecimento quanto baste. Posto isto, no que toca ao conforto são excelentes.

 

Em termos da dupla camada que as sapatilhas apresentam, é fantástica. Não só não deixa entrar detritos, como não deixa entrar água também. Apesar de não serem à prova de água, secam muito rápido quando ela entra e isto é muito bom e vantajoso. À volta da sapatilha existe um camada de um tecido com uma camada de borracha leve que ajuda a proteger o pé contra as rochas.

DSC_0001.jpg

 

ESTABILIDADE & ADERÊNCIA

Agora vem o que todos procuram: a aderência. Neste ponto, apesar de ainda terem que melhorar, estão lá muito perto. Onde tive mais dificuldades foi em pedra molhada. Quem fez a prova na Madeira, sabe como é a descida do Fanal ao Chão da Ribeira (muito técnica e escorregadia) e, aqui quase as quis descalçar e ir descalço ate lá a baixo. É verdade que podia ser por ainda terem a goma característica dos produtos novos, pois não tinham os quilómetros suficientes. Mas senti-me inseguro com elas. De resto, nos troços escorrega, mas qual é a sapatilha que não o faz? Gostei do comportamento delas na lama, pois esta solta-se quase de seguida. Em terra solta ou molhada são muito boas e, em quase todas as pedras, tem um comportamento razoável.

 

A palmilha original é bastante boa e é muito confortável. A maneira como os atacadores estão alinhados são bastante confortáveis e seguram bem o pé;  a única coisa que falta é uma “bolsinha” para guardar os atacadores na língua da sapatilha.

 

Resumindo: são umas sapatilhas muito equilibradas e das quais gostei muito mesmo e vão acompanhar-me na próxima aventura que será a prova “Oh Meu Deus” nas “100Milhas”. Se calhar até faço a prova toda com elas, nunca se sabe.

 

O único ponto negativo (que também não é o mais grave) é a falta de outras cores. Mas, também, são as primeiras sapatilhas de trail da Salming. E, para as primeiras, estão muito boas! Espero que continuem assim.

 

Preço:125€

DSC_0003.jpg

 

Avaliação (de 0 a 20):

DESIGN: 17
CONFORTO: 19
AMORTECIMENTO: 18
ESTABILIDADE: 19
PREÇO: 15

Avaliação Total (de 0 a 100): 88

(Extra: aderência: 17)

DSC_0002.jpg

 

 

 

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D