Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correr na Cidade

Prevenir e tratar a lesão "Pata de Ganso"

Como habitualmente fazemos, gostavamos de convidar experts de algumas áreas para escreverem aqui no blog. Desta vez voltamos à naturopata Sara Dias que tantas maleitas da corrida nos tem tratado. Desta vez para nos escrever sobre uma das lesões mais recorrentes nos corredores, e também das mais chatas: a Pata de Ganso. Ora vejam o que nos escreveu:

 

Por Sara Dias:

Designa-se por Pata de Ganso a junção de três tendões provenientes dos seguintes músculos: costureiro, semi-tendinoso e recto interno. Inserem-se na superfície medial da tíbia. A sua principal função é a flexão do joelho, função secundária promover a rotação medial do mesmo, auxilia nas forças em valgo, bem como nas forças rotativas do mesmo.

 
Nesta estrutura é ainda importante salientar a importância de uma bolsa sinovial, localizada entre a tíbia e os tendões da Pata de Ganso, esta reduz o atrito entre tendões  e osso, promovendo a proteção das estruturas.

 

foto1.png

SINTOMAS

- Dor na região medial do joelho ao subir e descer escadas
- Dor ao caminhar
- Dor após estar sentado e iniciar marcha
- Edema localizado
- Dor à palpação

 

FATORES DESENCADEANTES

- Overtraining
- Aumento abrupto de treino em subidas
- Hipotrofia muscular da coxa
- Joelhos valgos
- Pé chato
- Tipo de passada

 

PREVENIR E TRATAR

PREVENIR é a palavra de ordem antes que qualquer patologia se instale. Neste caso em concreto o reforço muscular da coxa é fundamental, porém corrigir a inclinação do joelho durante a corrida é também um ponto muito importante. Neste caso os exercícios funcionais são ideais, deixamos dois exemplos:

- Agachamentos:

foto2.jpg

- Treinar força numa superfície com instabilidade:

foto3.jpg

TRATAR
O tratamento neste tipo de patologia depende de que fase se encontra, isto é caso estejamos perante uma lesão em fase aguda devemos recorrer a todas as técnicas para eliminar o factor inflamatório. Neste caso deve ser aplicado gelo preferencialmente dinâmico, laser, TENS, administração de anti-inflamatórios mediante prescrição médica, acupuntura, terapia miofascial, mesoterapia e alongamentos.

 

Numa fase mais crónica, aplicação de gelo deixa de fazer sentido por deixar de existir inflamação, neste caso o calor é a melhor opção, para que haja um maior aporte de sangue á estrutura, relaxamento da área e uma maior regeneração dos tecidos.

 

Neste tipo de patologia e numa fase inicial da mesma, a actividade física deve de ser moderada em especial tudo o que envolva impacto no solo, subidas e tudo o que possa agravar a dor. Quando a fase aguda é extinta, o exercício físico faz todo o sentido, até porque temos de avaliar a evolução da lesão para reajustar o tratamento. No caso de ser corredor, deve iniciar a prática desportiva com um ritmo lento, de modo a poder ter maior consciência da forma como corre e poder corrigir eventuais erros.

1 comentário

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D