Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correr na Cidade

Lesões no Desporto - 1ª Parte

Por Pedro Ribeiro Gomes (triatleta profissional)

 

Na “ressaca” do diagnóstico de - mais uma - fratura de esforço fui, novamente, relembrado do cuidado que devemos ter para prevenir as lesões. A corrida é um desporto, que por ser de impacto, é muito propício ao aparecimento de lesões em todo o tipo de atletas – desde os iniciados até aos corredores de elite. Poder-se-ia pensar que estes seriam os menos afetados pelas lesões mais comuns da corrida pelo seu conhecimento e experiência e, por isso, saberem lidar com o problema desde o primeiro sinal, contudo, e por experiência própria, posso afirmar que os atletas profissionais são tão suscetíveis de se lesionarem como os mais novatos. Os restantes, os atletas de pelotão são, regra geral, mais conservadores e cautelosos e acabam por resolver o problema sem necessidade de terapia médica ou medicamentos.

 

Antes de mais, é muito importante não ignorar os sinais do corpo. Não quer isto dizer que devamos falhar um treino à primeira dor, no entanto, ser conservador e tentar perceber o que causou/causa a dor é de crucial importância. Afinal, qualquer desequilíbrio dos tecidos moles da perna pode provocar uma inconsciente mudança na passada, que por sua, pode originar outros problemas mais graves.

Já sofri todas as lesões sobre as quais irei falar e, em todos os casos, a lesão podia ter sido evitada sem necessidade de paragem forçada ou um grande transtorno no regime de treinos, caso eu não tivesse desvalorizado os primeiros sintomas, mas já lá diz o ditado “em casa de ferreiro espeto de pau”…

 

Inflamação do Tendão de Aquiles

 

O tendão de Aquiles é, provavelmente, um dos tendões mais “forçados” na corrida, pelo que a sua inflamação é muito comum. A inflamação piora gradualmente e com o contínuo esforço. A degeneração do tendão faz com que este perca a sua elasticidade e, em casos extremos, possa mesmo sofrer uma rutura.

 

Os sintomas de um tendão de Aquiles inflamado podem consistir numa elevada sensibilidade /dor ao toque (sinal de inflamação), bem como algum inchaço, sobretudo quando comparado com o outro pé. O pico da intensidade da dor ocorre de manhã aquando do primeiro passo do dia, mesmo quando se sai da cama!

 

Como prevenir?

 

Demasiado volume/intensidade, demasiado cedo, pode originar uma inflamação do tendão de Aquiles. O planeamento do treino deve ser progressivo, deverá também terminar as sessões de corrida com alongamentos. O fortalecimento muscular e flexibilidade do tendão deverá ser sempre progressivo, principalmente numa fase inicial após paragem prolongada. Em corredores pronadores a tendência é o tendão de Aquiles inflamar por excesso de extensão. Caso seja o seu caso, recomendo uma visita a um fisioterapeuta que o ajude a corrigir a passada/postura ou até mesmo prescrever a utilização de umas palmilhas de suporte, que podem evitar o problema.


Tratamento

 

É compreensível que não queira parar. O truque na recuperação do tendão de Aquiles é “incentivar” o corpo a regenerar o tendão naturalmente. Assim, deverá realizar atividades que não sobrecarreguem o tendão de Aquiles, como por exemplo pedalar, estes exercícios irão estimular a circulação sanguínea local. A crioterapia, que poderá ser feita em casa, assim como exercícios isométricos irão ajudar imenso o processo de cura.

 

Fascite Plantar

 

A inflamação da fáscia plantar – tendão que percorre toda a planta do pé – é outra das lesões comuns em corredores de elite. Em casos extremos, a inflamação da fáscia plantar pode originar a rotura desta a s ou até mesmo uma fratura de esforço nos metatarsos.

A dor sente-se logo nos primeiros 15 minutos da corrida (caso seja uma inflamação pequena a dor pode até desaparecer após esses primeiros 15 minutos) e pode também sentir-se nos primeiros passos da manhã.

 

Como prevenir?

 

Mude de calçado. As inflamações da fáscia plantar são, na sua maioria, fruto da utilização de um calçado inadequado para o seu tipo de passada ou exausto dos muitos quilómetros. Problemas biomecânicos da passada também podem contribuir para esta inflamação.
Os corredores com uma passada excessivamente pronadora são os mais suscetíveis de desenvolver fascites plantares, isto deve-se ao facto de numa passada pronadora o arco do pé fazer uma rotação interna exagerada. Esta rotação pode afetar o tendão de Aquiles que por sua vez “puxa” e inflama a fáscia plantar. Palmilhas com suporte do arco do pé podem ajudar a limitar a pronação excessiva e aliviar o stress aplicado no tendão da Aquiles e fáscia plantar.

 

Tratamento

 

Geralmente, algumas sessões de fisioterapia com o objetivo de reduzir a inflamação e trabalhar possíveis problemas biomecânicos serão suficientes para tratar este problema. Enquanto tiver dores poderá fazer massagens com gelo ao longo da planta do pé ou tomar anti-inflamatórios não esteroides (desde que prescritos pelo médico). Quando a fascite deixar de ser dolorosa deverá concentrar-se numa segunda “fase de recuperação” realizando massagens com uma bola de golf (rolar o pé sobre uma bola rígida enquanto está sentado) ou simplesmente alongar a fáscia puxando os dedos do pé para trás. Esta segunda fase irá promover um normal alinhamento dos tecidos moles e evitar que estes voltem a inflamar.

2 comentários

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D