Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Correr na Cidade

GTA15: reflexão final

PGTA Correr na Cidade (2).jpg

Momentos de convívio...

Por Bo Irik:

 

A alegria e dor vivida durante uma prova de quatro dias e cem quilómetros em equipa é de facto desafiante de transcrever em palavras. Tentei fazê-lo em dois, os primeiros dois dias e os últimos dois, em termos de percurso / organização, desempenho, alimentação e calçado / material. Gostaríamos também de partilhar algumas considerações gerais acerca da Peneda-Gerês Trail Adventure, na nossa (minha) opinião.

 

Acerca da questão das equipas, achei o conceito fantástico. De facto, na minha vivência, o trail running é uma modalidade de união e entre-ajuda, diferenciando-se assim da corrida de estrada. Uma prova por equipas vem reforçar esta ideia. Segundo a organização, uma das ideias por detrás deste conceito é a segurança, pois a prova passou por zonas perigosas, tal como puderam ver nalgumas imagens, e fazendo-a em equipa torna-a muito mais segura, tanto em caso de acidente, como para evitar acidentes.

PGTA Correr na Cidade (12).jpg

Zonas perigosas, quase impossíveis de fazer a solo...

 

Desta forma, a organização impôs um limite máximo de 60 segundos entre a passagem dos diferentes elementos de uma equipa nos pontos de controlo. Gostei muito desta ideia mas, na prática, na minha opinião houve poucos pontos de controlo e caso as equipas se separassem, como vi acontecer nalguns casos, haveria atletas a fazer a prova sozinhos. Assim, embora tivesse adorado a ideia das equipas, a falta de rigidez no cumprimento do regulamento resultou em participantes a solo (note que o GTA poderia ser realizado a solo apenas por atletas detentores de 3 pontos ITRA numa única prova, após 1 de Janeiro de 2013, ou mediante apresentação de curriculum aceite pela organização).

 

Vi algumas equipas a separar-se. Algumas de boa vontade por todos os elementos, outros nem por isso. Na verdade, ao passar tanto tempo na serra juntos, tantas horas, e sabendo que nem tudo será um mar de rosas, a escolha da equipa deve ser feita de forma muito cuidada. Felizmente, posso dizer que, no nosso caso, isso aconteceu. Escolhemos três elementos que, embora tivessem ritmos e capacidades distintos, se dão bem e complementam-se. O importante mesmo é motivar-nos mutuamente nos momentos mais difíceis e ajudar a cada um a atenuar as suas fraquezas e enaltecer capacidades. 

PGTA Correr na Cidade (3).jpg

A envolvência das comunidades locais - abastecimento em Cabril

 

Em relação à organização deste grande evento gostaria de partilhar os pontos positivos e alguns a melhorar, que é interessante tanto para a organização como para (futuros) participantes.

 

Pontos positivos:

 

- Convívio: o convívio entre atletas e entre estes e a organização nesta prova  foi brutal. Acredito que houve vários fatores que contribuíram para tal. Primeiro, o facto de ter poucos participantes, cria um ambiente mais íntimo. Segundo, o facto de ter várias etapas faz-nos cruzar com as mesmas pessoas vários dias. Nós conhecemos por exemplo duas equipas, a do “Alexandre e Filipe” (nunca sabíamos quem era quem) e a do Ricardo, Cláudia e Fátima, porque tinham um ritmo parecido ao nosso e partilhamos uns belos kms juntos. É claro que também dentro de cada equipa há convívio, pois a maioria das equipas veio em modo “Road Trip”, partilhando, para além da corrida, também, o alojamento, viagem e refeições. Por fim, a Pasta Party depois de cada etapa tornou-se um ponto de encontro pós prova para reabastecer e socializar.

 

- Vertente internacional: achei muito interessante conhecer pessoas de outros países que partilham a mesma paixão pelos trilhos. É giro para partilhar experiências, planear desafios internacionais, conhecer novas marcas, etc. Descobri, por exemplo, que em Singapura há muito pouco espaço para  praticar Trail e que, assim, torna-se difícil fazer treinos longos sem andar às voltas. Sim, houve um singapuriano, o San Siong, que veio de propósito a Portugal para o PGTA!

PGTA Correr na Cidade (4).jpg

 

A beleza da Serra

 

- Paisagem: não tenho palavras para descrever tamanha beleza E dureza. Serra do Gerês é um paraíso de trail! 

 

- Partida / Meta: esta zona tem um encanto diferente das partidas / metas habituais. Primeiro por ser no centro da Vila do Gerês e, também, porque a organização a deu um toque especial: uma passadeira vermelha, música emocionante e um apresentador para animar ainda mais estes momentos marcantes de uma prova. 

 

- Equipas: conforme já indiquei, adoro a ideia da prova ser por equipas, por motivos de segurança e união, mas a organização poderia ser mais rigorosa na implementação do regulamento.

PGTA Correr na Cidade (7).jpg

 

Sentimo-nos pequeninos perante a imponente natureza

 

Pontos a melhorar:

 

- Acesso à informação: durante as semanas antes de prova, para além do regulamento, ainda não tínhamos acesso à informação detalhada sobre os percursos (i.e. altimetria e abastecimentos). A organização alegou que nos enviou a informação por email, mas nenhum elemento havia recebido algo, nem outras pessoas. No dia da entrega dos dorsais, houve gente a tirar fotos à uma folha A4 na parede onde contava a altimetria. Nós, entretanto, conseguimos colocar os ficheiros GPX recebidos no Google Maps e dessa forma decifrar os abastecimentos… Sinceramente até gostei de ter corrido sem saber ao certo a localização dos abastecimentos e a altimetria, foi um desafio extra : )

 

- Massagens: chegar às 18h00 depois de uma prova de 35km e ter que esperar duas horas para uma massagem e ainda ter que pagar por ela para mim é inadmissível. Até nas provas de 20 e tal kms costumam ter massagens. Numa prova por etapas com uma dureza destas e ainda por cima com relativamente poucos atletas, sinceramente estava a contar com uma massagem de 10 minutinhos no final.

PGTA Correr na Cidade (8).jpg

Partida numa aldeia diferente da Vila do Gerês, no segundo dia, permitindo conhecer uma zona diferente da Serra

 

Posto isto e tendo em conta o que escrevi em posts anteriores, é óbvio que o balanço final é MUITO positivo. Já disse e volto a repetir: já marquei as datas do GTA16 na agenda. Será uma prova prioritária perante todas as outras. É a mais desafiante, a mais dura, a mais bela, a mais unida e a com mais amizade. É a melhor!

 

Vamos?

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D