Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Correr na Cidade

Azores Trail Run 2016 - A continuação...

13334545_1180608425306205_1980922361_o.jpg

 (Vulcão dos Capelinhos)

 

Se não leram a primeira parte talvez devam começar por aqui...

 

Como tinha referido, tudo ia bem até à chegada à Caldeira, o problema foi que uma uma vez entrado no trilho que a contorna, o S. Pedro decidiu transformar a Caldeira num caldeirão, onde quis fazer uma sopa cujos ingredientes principais eram: água, lama, bosta de vaquinha (é normal... estamos nos Açores e as vacas povoam a ilha) e atletas de Trail. Para juntar a festa e porque queria uma sopa bem cremosa, decidiu por a Bimby na velocidade de 10.

 

Conclusão... o vento de frente e as fortes rajadas, dificultavam imenso a progressão, bem como tornavam a prova muito mais perigosa.

 

Mais devagar, mais ainda assim a um ritmo agradável lá ia progredindo quase ao sabor da meteorologia. O fundo da Caldeira de vez em quando dava um ar da sua graça permitindo vislumbrar, ou melhor imaginar o que seria aquele local num dia de sol.

 

Para juntar à festa, o traçado da prova não segue inteiramente o trilho já bem calcado, mais ou menos a meio faz uma cortada à esquerda e estamos literalmente off-road e enfiados naquilo que suponho sejam ser pastos para vaquinhas. Na prática +/- 4km em que a melhor forma de descrever a progressão no terreno é esta:

 

super.jpg

Passamos a ser o Super Mário a saltar de tufo em tufo, num caminho quase interminável e com chuva e ventos fortes a massacrar-nos a cara.

 

Tempo ainda para o único engano do dia, não por culpa da organização (embora o local merecesse-se mais umas fitinhas), mas porque simplesmente, naquele momento, a minha atenção tinha de estar tão focada onde metia os pés que as fitas foram simplesmente ignoradas (o engano "custou-me" 11  lugares).

 

Chegado ao quarto abastecimento, compreendi que tinha andado 1h50m para fazer 11km quase sem D+. A parte boa era que continuava a sentir-me muito bem e tinha saído daquele jogo de saltos sem nenhuma mazela.

 

Alimentei-me, enchi os flasks e tive de pela primeira vez esvaziar as sapatilhas do lastro que se tinha acumulado dentro delas... digamos que havia brita com fartura.

 

A parte seguinte o percurso começa num trilho completamente alagado, com lama que por vezes nos enterrava até o joelho, e desemboca num belo estradão descendente no qual pude finalmente descontrair e relaxar as pernas.

 

Pensei eu... "Agora vou começar a meter ritmo outra vez..." Errado Pedro! porque antes de chegarmos à casa das Lavadeiras (5º abastecimento) havia que correr na levada (lindíssima com uma vegetação fantástica), completamente alagada com a água a galgar o caminho e descer rampas de lama balizadas por arame farpado.

 

13335646_1068698313204204_6390867182841523303_n.jp

 (Foto: ClickFaial - Chegada à Casa das Lavadeiras)

Como podem ver pela minha perna direita, esta descida não correu tão bem como a outra, numa curva fiz um belo drift. Resultado final? deixei um bocado de carne nos Açores. Siga para Bingo...

 

Depois da Casa das Lavadeiras o percurso tornou-se todo ele corrivel, e como estávamos a baixar de altitude o S. Pedro começava a a dar tréguas. O próprio terreno começava também a mudar a textura da lama passou de uma pasta viscosa, para uma consistência mais grossa. Estas duas mudanças permitiram que me esticasse nas descidas, conseguindo assim imprimir mais algum andamento.

 

De salientar, o fantástico single track , em que o cheiro da terra molhada juntamente com um cheiro peculiar da vegetação desta zona proporcionaram mais um momento de êxtase. 

FB_IMG_1464603118642.jpg

 (Foto: ClickFaial)

Do final do single track até à meta, foi cerca de 1km realizado naquela paisagem lunar e única que é vulcão dos capelinhos. Só quem lá esteve compreende a magnificência daquele local.

 

No final realizei o Faial Costa a Costa em 06:28:45, o que deu um 37º lugar na geral e 19º no escalão. Um bocado acima do que contava fazer mas tendo em conta o terreno abutrico e a tempestade que se abateu sobre a ilha posso dizer que fiquei bastante satisfeito.

 

De forma geral, efectivamente não tenho nada a apontar à organização, que devido às condições meteorológicas imprevisíveis foi posta à prova como nunca pensou vir a ser. Saliento ainda  o seguinte:

  • O percurso é equilibrado e todo ele corrivel (para quem tem pernas) se a meteorologia for favorável;
  • As marcações estavam bem feitas com um espaçamento correto, minimizando assim a possibilidade de falhar a navegação (o erro que realizei foi 85% tolice minha);
  • Os abastecimentos estavam nos locais corretos, sempre fartos e versáteis o suficiente  para que não tivesse sequer comido uma das minhas barras;
  • Os voluntários foram sempre prestáveis, simpáticos e afáveis;
  • Como estamos numa ilha e a prova tem um número relativamente pequeno de atletas, cria-se um ambiente muito familiar. Foi muito bom ver isto nos dois jantares oferecidos pela organização.

 

Por fim, quero apenas referir que a prova foi apenas a cereja no topo de um bolo muito delicioso que são os Açores. Nesta estadia de 5 dias pude visitar o Faial numa scooter, conhecer os seus recantos e lanchar numa festa de aldeia umas belas favas com pão de milho... Pude visitar a ilha do Pico, conhecer as suas vinhas, ver as suas lagoas, subir à casa da montanha e por fim visitar a gruta da torre (maior túnel lávico da Europa)... Pude passear de barco, ver golfinhos, baleias e cachalotes...

 

Por tudo isto digo... até breve Faial...

20160530_074014_HDR.jpg

 

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D