Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Correr na Cidade

A (breve) história do Correr na Cidade Running Crew - parte III

16568611_tuUZB.jpeg

Por Filipe Gil:

 

E este terceiro capítulo da história do Correr na Cidade começa com a terceira edição das Just Girls. E para mim foi a última! Quer dizer, não foi, mas mal acabei o “evento” e todas participantes se foram embora disse para a minha mulher: “Nunca mais, nunca mais volto a fazer isto”.

 

A razão era óbvia, embora ninguém tivesse notado. Nada correu mal, mas apenas por sorte. Por impossibilidade pessoal e profissional dos restantes elementos da crew fiquei a fazer este Just Girls sozinho. A minha mulher estava lá, mas foi para correr com as nossas convidadas.

 

16568625_cqPDQ.jpeg

Sozinho, recebi as corredoras, entre as quais a atleta profissional Ercília Machado que deu o treino, recebi os representantes das marcas que gentilmente nos ofereçam produto. Tirei fotografias, andei com o automóvel de um lado para o outro - de Algés à Ponte 25 de abril e vice-versa - para apanhar bons momentos para fotografar. No final todas ficaram contentes, e apenas uma pessoa ficou sem todos os gifts, curiosamente a Joana Malcata – que ainda não era da crew.

 

Achei que não valia a pena estar a esforçar-me tanto para uma coisa que só por sorte correu bem e que poderia colocar o profissionalismo e dedicação que meto em tudo o que faço. Isso nunca! E assim saí dali com a ideia que tinha sido o último.

 

E começa aqui alguma desilusão com a running crew, não com os elementos, mas com a definição do grupo e o seu propósito. O blogue continuava bem, cheio de assuntos, de comentários, de reviews de produtos, etc. Mas e a crew? O que se podia fazer mais? Por outro lado o meu objetivo nunca foi massificar a crew, abrir a muitos mais elementos, por outro não conseguia dispor de mais tempo (família e trabalho em primeiro lugar, sempre!) para correr e melhorar a minha performance na corrida. E se há desporto em que temos de ser verdadeiros é na corrida! Não se consegue mentir na corrida, dizer que corremos e depois não corremos é das mentiras mais curtas que conheço. E os corredores não gostam que se minta com a performance. Nunca!

 

Entretanto, o Pedro, Tiago e Stefan, que tinham entrado há pouco tempo na crew começaram a dar um novo impulso ao grupo, sobretudo na performance nas corridas. Apostaram no trail running e, de um momento para o outro, vi-me também apaixonado pelo trail. E inscrevi-me para Casaínhos, um trail de 15K simples, perto de Lisboa e que me pareceu o ideal para começar.

16568023_9Beir.jpeg
O Pedro Luiz a iniciar uma descida em Casainhos

16568062_zmgMZ.jpegOs 4 cavaleiros do Apocalipse do Trail Running, a representar a crew nos trilhos. E aqui estreamos a nova t-shirt da crew, em tons de azul, para gáudio do Bruno Andrade


Entre esta inscrição e a corrida propriamente dita, fiz a Night Run em Lisboa. Uma corrida banal, igual ou pior que a São Silvestre de Lisboa, que tem mais carisma. O único apontamento de relevo foi ter conhecido, momentos antes da partida, e pessoalmente, o Nuno e a Joana Malcata. Falamos muito pouco, mas finalmente conhecia quem era o Nuno e a Joana das corridas de quem a minha mulher me falava nas últimas semanas.

16568219_Vau2n.jpeg

16568232_flRdt.jpeg

Voltando ao trail de casainhos, este correu muito bem. Só que no final da prova senti fortes dores no pé direito e semanas mais tarde descobri que estava com uma Fascite Plantar. Uma “querida” que só me largou lá para Fevereiro do ano seguinte (já em 2014). E foi-se embora mais cedo graças à Dr.ª Sara Dias que se prontificou a curar a minha maleita. E conseguiu!

 

De Outubro a Fevereiro apesar de pouca coisa ter acontecido com a crew, muita coisa se passou na minha cabeça. Faria sentido continuar com a running crew? Vi o projeto Correr Lisboa a crescer, a conseguir reunir mais de uma centena de pessoas em Lisboa de forma profissional nos seus treinos solidários, e eu achei que não devia ir pelo mesmo caminho. Seria fácil replicar, copiar, ir atrás do que eles estavam, e bem, a fazer. Mas eu não sou assim. Gosto de coisas originais e nunca na vida iria fazer copy paste de algo já criado, sem, pelo menos lhe dar alguma inovação.

Entretanto, os projetos Correr na Cidade e Correr Lisboa começaram a afastar-se, e quem diz os projetos diz as pessoas. Eles vincaram a sua vertente mais profissional e fizeram o seu caminho. Começaram a afirmar-se como blog, entraram para o Clix, passaram a ser a equipa oficial da Adidas, tiveram a apadrinhamento dos bloggers mais importantes cá do burgo, e a partir daí o afastamento aconteceu. Qual a razão certa confesso que não sei apontar. Mas não há que disfarçar que hoje em dia há uma certa rivalidade salutar, e vou sublinhar, s a l u t a r, entre os dois projetos. O que até é giro. Há gente amiga dos dois lados que se dão bem e há outros que nem tanto, mas os projetos são diferentes, tal como as pessoas são diferentes. Nós somos e sempre seremos mais “Indie”. Ou para para ilustrar melhor, nós somos a Apple e o Correr Lisboa é a Microsoft. Perceberam?

 

Em janeiro, depois das férias e quando a minha lesão melhora e comecei a voltar às corridas, senti que a crew devia crescer e que deixasse de ser a crew do Filipe Gil, para ser de mais pessoas. Para mim era urgente! O Pedro Luiz ajudou muito nesse aspeto e o Tiago começou a perder a timidez inicial e começou a dar mais ideias e a aparecer mais.  

16567160_2R8u9.jpeg

Palmilhas para pronadores. As minhas melhores amigas desde então.

 

Não sei porque raio, dei por mim mais motivado e a decidir que tínhamos de crescer mais.

Convidei o Nuno e a Joana Malcata, que prontamente aceitaram, e houve ali uma empatia muito grande com ambos; o Nuno Ferreira perguntou-me se o convite que lhe tinha feito uns meses antes ainda se mantinha de pé e juntou-se. E ainda aceitei a auto candidatura da Bo Irik. O processo da Bo foi engraçado. Um dia coloquei no facebook que a crew precisa de mais mulheres, e recebo uma mensagem dela, no Facebook do Correr na Cidade, isto em finais de novembro, talvez, a perguntar se podia juntar-se a nós, à nossa crew. Pedi-lhe paciência e que quando decidisse abrir a crew voltava a falar com ela. E assim foi. Umas semanas mais tarde a Carmo Moser definiu-nos como a crew mais cool de Lisboa e arredores, e em resposta enviei-lhe um convite, prontamente aceite.

16689390_8OTcH.jpeg

E em meados de janeiro eramos já 13 elementos: Eu, Natália, Nuno Espadinha, Bruno Andrade, Ana Morais, Bo Irik, Carmo Moser, Joana Malcata, Nuno Malcata, Pedro Luiz, Tiago Portugal e o Stefan e o meu primo Pedro, que mesmo assim se manteve mais afastado.

16567042_nwTgQ.jpegApenas falta a nossa Carmo Moser para a crew estar completa, isto em fevereiro de 2014, foto dela abaixo. 

16862942_hcuaZ.jpeg

 

A partir de Janeiro a história da running crew nunca mais foi a mesma. Aliás, nunca voltará a ser a mesma. Mas amanhã, no último capítulo saberão o porquê.

 

Boas corridas.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D