Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correr na Cidade

Preview: ASICS Noosa FF

IMG_20170404_183927.jpg

A ASICS é, para mim, a maior referência de running em termos de calçado e têxtil. Os meus primeiros ténis de estrada, e também de trilhos, foram ASICS. A vantagem desta marca é que tem várias gamas, para vários níveis de exigência e vários orçamentos.

 

Este mês a ASICS apresenta a FlyteFoam™Fast Series composta por três modelos: Noosa FF, Gel-DS Trainer™ e uma nova versão de cores das DynaFyte™. A nova tecnologia FlyteFoam foi pensada para aqueles que querem ser mais rápidos. Tivemos a oportunidade de testar as Noosa FF.

 

FlyteFoam é a última tecnologia patenteada da ASICS. A tecnologia é incorporada na entressola das sapatilhas e promete responder às necessidades de todo o tipo de corredores independentemente do tipo de passada ou técnica.

 

Da FlyteFoam™ Fast Series fazem parte três modelos:

 

Noosa FF™: este modelo incorpora uma entressola com FlyteFoam™, um upper altamente respirável e uma sola em borracha com maior aderência para pisos molhados. É este o modelo que nós estamos a testar.

Peso: 255 gr // Drop: 10 (24-14) // PVPR: 150€

 

DynaFlyte™: incorpora uma sola inteira com FlyteFoam™ para oferecer amortecimento ao mesmo tempo que leveza. Nesta colecção são lançadas novas cores.

Peso: 270 gr // Drop: 8 // PVPR: 160€

 

GEL-DS Trainer™ 22: também com uma  entressola com FlyteFoam™. Um modelo de estabilidade média alta também com a tecnologia Dynamic Duomax™ para oferecer estabilidade e conforto.

Peso: 225 gr // Drop: 10 (20-10) // PVPR: 140€

 

Em breve mais novidades sobre as Noosa FF, aqui no blog!

IMG_20170404_183949.jpg

IMG_20170404_184001.jpg

IMG_20170404_184041.jpg

IMG_20170404_184115.jpg

IMG_20170404_184126.jpg

A caminho do Estrela Grande Trail com a beAPT

13246214_1745066055708947_8229352771281639361_o.jp O ano passado no EGT

 

Já passou uma semana e meia desde que comecei os treinos com o Paulo Pires da beAPTAceitei o desafio de fazer uma preparação “como deve ser” para o Estrela Grande Trail que se realiza no final de Maio, com o apoio da be APT.

 

A semana passada partilhei aqui uma entrevista com o Paulo Pires, para que possam conhecê-lo um pouco melhor e saber qual a sua metodologia de treino. Hoje, com 7 treinos beAPT feitos, partilho a minha primeira impressão. A metodologia de treino é de base aeróbia alicerçada na experiência e conhecimentos do treinador Paulo Pires, bem como de uma equipa multidisciplinar que o acompanha. É uma experiência de treino individualizada em função do meu perfil biométrico e dos meus objetivos, neste caso o EGT.

 

Antes do treino:

Para iniciar a prática desportiva com regularidade, com objectivo da melhoria da condição física ou performance, há um conjunto de exames médicos a realizar. Para fazer o treino beAPT, para qualquer objectivo escolhido, a realização dos seguintes exames é obrigatória:

- Anual: análise sumária do sangue e da urina.

- Bi-anual: prova de esforço + ECG.

- 4 anos: Ecocardiograma com Doppler e Raio X Toráx.

Felizmente já tinha estes exames feitos e foi só digitalizá-los e anexá-los ao meu perfil na plataforma. A única avaliação que me faltava era uma avaliação física para perceber se deveria perder peso para melhor o meu desempenho e correr saudavelmente.

 

Pedi então ajuda à minha amiga nutricionista Ana Sofia Guerra para fazer uma avaliação corporal. A última vez que tinha feito uma avaliação destas foi há dois anos e estava super e forma, com uma idade metabólica de 18 anos e uma estrutura corporal equivalente a um “atleta”. Esta avaliação já foi diferente e pela negativa. Estou com uma idade metabólica muita acima da minha idade real de 28 anos e com um peso acima do recomendado. Além disso, estou com uma percentagem de massa gorda elevada que precisa de descer para ganhar forma na corrida. Cheguei a este estado porque na Tailândia comia muitos, muitos hidratos e na verdade, embora tivesse feito algum exercício recentemente, não é comparável com os kms que fazia antes. Está na hora de mudar. Na hora de treinar à séria e de fechar a boca (principalmente aos hidratos ao final do dia e ao álcool, pois, o meu melhor amigo é o vinho). Agradeço muito o apoio da Ana na vertente da nutrição. Tenho um esquema para me guiar no dia-a-dia e que me ajuda a ter mais disciplina na dieta.

17761628_10154647731879958_910365085_o.jpg

Treino em Sintra no domingo passado, o primeiro longo para o EGT 

 

A plataforma beAPT:

No que toca ao treino, o relógio com cárdio-frequencímetro e GPS é essencial. Pois, o que manda nos treinos são a duração do treino e a frequência cardíaca média e não o pace. Na plataforma de treinos temos acesso ao plano semanal atual e da semana seguinte. A plataforma é muito visual e user-friendly. Procedemos a uma ligação ao Strava para facilitar o carregamento dos treinos a partir do relógio. Depois, na plataforma, graficamente, podemos ver o que tinha sido prescrito em termos de treino e o que realmente treinamos.

 

Cada unidade de treino prescrita é caracterizada por:

  • Tipo de Treino: corrida, trail, natação, bicicleta, etc.
  • Tipo de Terreno: estrada, montanha, misto, pista, etc.
  • Altimetria: com diferentes níveis desnível
  • Objectivo: diferentes capacidades fisiológicas a treinar - aeróbio, potência aeróbia, longa duração.
  • Indicadores específicos do treino (tempo, velocidade, ritmo, frequência cardíaca (média e máxima).

17761586_10154647732014958_866602981_o.jpg

 Treino em Sintra no domingo passado, o primeiro longo para o EGT. O Tiago e o Nuno também vão :)

 

O meu plano de treino beAPT:

O meu plano de treino, na primeira semana, passou por 4 treinos de estrada de 30 a 60 minutos e um treino longo de trilhos de 2,5 horas. Além disso, os planos de treino da beAPT, complementarmente ao treino de base aeróbia, têm dois Circuitos de Musculação devidamente enquadrados na semana de treino, com imagens dos exercícios propostos e número de repetiçõe e séries. No meu plano de treino da beAPT, também tenho dois Circuitos de Flexibilidade devidamente enquadrados na semana de treino, também com imagens dos exercícios propostos e respectivo tempo mínimo de execução.

 

A primeira semana correu bem, embora sentisse o aumento da carga semanal de kms no treino de domingo. Esta semana já fiz um treino intervalado (muito puxado, ainda por cima sozinha!) e um treino leve de 70min. Ainda faltam mais três treinos, incluindo dois de trilhos no fim-de-semana e os treinos de musculação e flexibilidade, claro.

 

E o que estou a achar disto? Estou a gostar muito do acompanhamento do Paulo e da Ana. Sinto o apoio deles e isso dá-me motivação e disciplina. É bom saber que estou a ser acompanhada por especialistas e que estou a preparar-me para o EGT de forma eficaz e saudável. Para a semana dou mais feedback :)

 

Se até lá tiverem alguma dúvida ou questão, não hesitem em contactar!

 

Bons treinos!

 

Nova Coleção Reebok - BeMoreHuman

IMG_7134.jpg

 Hoje o CnC foi ao Press Day da Reebok espreitar a nova coleção. Há já algumas coleções que a Reebok tenta ganhar mercado no mundo do running e está a conseguir. A escolha dos tecidos e a sua diferenciação tendo em conta a modalidade é uma aposta ganha. Durante o briefing de apresentação da nossa visita percorremos os corredores divididos por modalidades desportivas e explicaram-nos o porquê da escolha de alguns tecidos e das cores e a história por trás dos clássicos da marca. Vamos tentar mostrar um pouco da nova coleção de running aqui e na página de facebook do Correr na Cidade as restantes fotos.

IMG_7107.jpg

 Nos cabides desta secção encontra-se a roupa dedicada à Spartan Race, uma prova dura e que requer tecidos refrescantes e ao mesmo tempo resistentes. É nesta secção que se destaca a roupa de running

IMG_7109.jpg

E eu não resisti em experimentar este corta-vento/casaco muito giro e com uma abertura nas costas para o tornar ainda mais respirável nas provas e treinos

IMG_7112.jpg

 T-shirt de corrida para homem

IMG_7113.jpg

Calções de corrida para homem com mini calçóes por dentro

IMG_7117.jpg

Ténis de trail para mulher

IMG_7120.jpg

 O conjunto de ténis e vestuário de corrida para mulher

IMG_7121.jpg

 Ténis de corrida para mulher

IMG_7122.jpg

 Ténis de corrida para homem - One Distance 2.0

IMG_7123.jpg

 Ténis de corrida para homem - Sweet Road

 

O que acham?

 

 

 

Tailwind: revolução da alimentação durante as provas de endurance?

 Tailwind é uma marca de alimentação para provas de endurance, nascida nos estados unidos e fundada por Jeff e Jenny.

20150923Tailwind_MO_PackM-1024x644.jpg

 

 

Jeff era um ultra maratonista que se debatia com os problemas que todos nos debatemos durante uma prova de endurance: a alimentação durante uma prova longa, o que comer, os picos de açúcar criados pelos géis e por aí fora. Então depois de ter completado Leadville pensou em dar a volta, pois sofreu bastante com isso. Em casa começou a testar várias fórmulas e fez vários testes nele próprio até que chegou à fórmula “certa”.

jeffandjennypic.jpg

Este produto promete eliminar o efeito “bajon” (pico de açúcar e queda de performance), substitui os géis, barras, e isotónico, pois esta tudo numa simples dose com 500ml de agua.

Tem todas necessidades calóricas, de hidratação e de eletrólitos numa só dose e promete não “sujar os softs ou bidons", pois dissolve-se bastante bem na água deixando o recipiente “limpo”.

14680664_1146568748760760_6719582169429673079_n.jp

 

 

 

Muitas marcas de nutrição desportiva utilizam hidratos de absorção lenta anunciando que, ao demorarem mais tempo a serem absorvidos, conseguem evitar os picos de energia.Tailwind utiliza apenas hidratos de rápida absorção (glucose e sacarose) na proporção ideal que permite máximizar a absorção ao ritmo de 90 g/h.

Como podes ver na imagem, há dois mecanismos distintos: um que processa glucose e outro que processa frutose. Estes mecanismos funcionam em paralelo, mas a ritmos bem diferentes.

Contém dois tipos de hidratos, mas não em proporções idênticas. Tem mais glucose e menos frutose precisamente na proporção em que o nosso corpo é capaz de os processar.

Desta forma, estamos a aproveitar 100% da capacidade do nosso corpo em transformar hidratos em energia, sem sobrecarregar nenhum dos canais.

l46CCfHTG7tuuLMVa.gif

 

Promete ser gentil no estômago (como já tinha dito) devido a fácil absorção. A combinação dos nutrientes energéticos, eletrólitos e água tem um efeito sinérgico permitindo ao corpo tirar melhor proveito de todos os seus componentes. Uma vez na corrente sanguínea, a glucose de Tailwind alimenta os músculos diretamente, permitindo assim aos atletas aguentar mais tempo e em intensidades mais elevadas.

 

Multiserving Group.jpg

 

 

Ahhh outra coisa: para quem é vegan ou vegetariano, ou como que eu que tento comer o mais simples possível nas provas, este produto é natural e aprovado para vegan. Em Portugal, já há vários atletas que usam, no campo dos vegetarianos a Tuxa e Nuno Maia, na elite temos o Tiago Aires e em Espanha o craque Jordi Gamito. Agora vêm os testes e vamos ver o que acho disto. Será que é agora que vou largar os géis, barras e cápsulas de sal nas provas longas? (pois já não bebia isotónicos)

 

Tailwind e vendida em portugal no site:

https://www.tailwindnutrition.pt/

 

"A Decade On" - um documentário sobre o Western States Race

17311083_10158424151445707_880930246374367593_o.jp

A Andrea, a mulher de Brian, é Portuguesa e contactou-me a partilhar uma história inspiradora, que achei que merecesse ser partilhada aqui.

 
Há dez anos atrás, um jovem ultra-corredor de Washington, Brian Morrison, foi para a Califórnia para participar na prova "avô" do ultra trail, o Western States Endurance 100 milhas. Brian assumiu a liderança durante a primeira metade da corrida. Quando entrou na pista em Placer High School, onde a corrida termina, ele desmoronou na pista. Ele conseguiu levantar-se e correr um pouco mais mas caiu novamente. Eventualmente seus pacers ajudaram-no a levantar-se novamente e após mais alguns colapsos, Brian terminou e ganhou a prova.
 
Só no dia seguinte Brian foi desqualificado por ter recebido assistência nas últimas 3 milhas da corrida de 100 milhas.
 
Esta corrida assombrou-o por 10 anos. Brian voltou várias vezes mas nunca foi capaz de terminar a corrida, muito menos chegar perto de ganhar novamente.
 
No verão passado, dez anos depois, Brian voltou ao Western States Endurance e a sua viagem foi filmada pelo Ginger Runner, Ethan Newberry. O resultado chama-se "A Decade On" (uma década depois). O filme foi lançado no YouTube há uma semana e meia.
 
O filme inclui entrevistas com os pacers de Brian: Scott Jurek, Ben Gibbard e Morgan Henderson e com o Diretor do Western States Endurance, Craig Thornley.
 
Segue o trailer e podem ver o filme completo aqui: https://youtu.be/OArKXKj5PeU

 

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros

Girassol_banner


Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D