Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correr na Cidade

Preview : Salomon SLab SENSE 6

preview_sense00.jpg

Chegaram para testar uma das sapatilhas mais esperadas para esta época "2017", as Salomon SLab Sense 6.
Ao fim de 5 modelos que foram sempre sendo melhoradas a cada interação, para 2017 a Salomon subdividiu o modelo SENSE ULTRA em dois, os SENSE 6 que estamos a mostrar aqui e as SENSE ULTRA 6. As SENSE 6 mantém o mote de sapatilha super rápida e leve para trilhos rápidos ou passadas mais ligeiras/eficiente enquanto que as SENSE ULTRA aumentam de peso, proteção e conforto, indo ocupar o espaço que em 2016 era das WINGS RACING.

preview_sense01.jpg



As Sense no modelo original vinha com peso indicativo de 200gr e as SENSE 6 para 2017 de 220gr.
Na pratica as SENSE 1 e 2 tem 205gr e estas SENSE 6 235gr pesadas em balança. Este aumento de peso advém de um reforço nos materiais e uma muito melhor qualidade geral da sapatilha. Ainda se mantém como dos modelos mais leves à venda no mercado para correr mas agora com uma melhor resistência ao desgaste e com um pouco mais de conforto.

preview_sense02.jpg

preview_sense04.jpg



De resto as características gerais como o quicklace e a meia interior que envolve o pé quase completamente e dá uma sensação de união única entre a sapatilha e o pé, ficando quase como uma extensão do nosso corpo tal a maneira como se molda e agarra o pé.

preview_sense03.jpg

( o lineup dos modelos 2, 3, 4, 5 e as 6 )


Vamos fazer km's para a serra e daqui a umas semanas dou feedback das mesmas.
Não deixo de ter um sorriso malandro de cada vez que olho para elas :)

 

 ( video de apresentação )

 

 

 

 Bons treinos :)

 

 

 

 

 

 

Preview : Suunto Spartan Sport

Suunto Spartan Sport

 

Nos últimos quase 6 anos sempre usei Garmin e habituei-me aos menus, site e manias que eles têm. Vai ser interessante aprender a utilizar uma metodologia diferente enquanto analiso o relógio. Agora tenho a oportunidade de testar um Suunto Spartan Sport em azul e ao fim de 3 dias já começo a ter alguns opiniões sobre o GPS.

Em termos de aspecto, é brutal de todos os angulos com que se olhe. A concorrencia não tem nada semelhante em termos de linhas e ergonomia. É mesmo lindo o relogio e eu não costumo ligar muito ao aspecto dos materiais, desde que façam aquilo que eu preciso que façam.


O ecra tactil é um plus gigantesco em muitas situações e possibilita editar muitas opções directamente no GPS. A navegação num GPS de topo com 4 ou 5 botões é facil e intuitiva, mas em muitos casos ser no proprio ecra facilita bastante.

Depois de um lançamento um pouco atribulado no final de 2016, a versão Spartan que é o topo de gama da Suunto para disciplinas de multidesporto, corrida, ciclismo, natação, etc, etc veio tentar reacender a luta com o velho rival que se bem que nas primeiras interações andava ela por ela, na anterior geração perderam muito terreno.
Dai a aposta com todas as fichas da Suunto neste lançamento. A Suunto tem-se desmultiplicado em constantes actualizações de firmware para que o Spartan possa ser usufruido na sua plenitude e como seria expectável desde o dia do seu lançamento.

 

 



Nas proximas semanas vou usar em corrida, trail e ciclismo, vou analisar o que se pode fazer no relogio e no site ( muitas das funções de parametrização só podem ser feitos no site até agora ), a facilidade de utilização, facilidade de leitura dos dados durante e após os treinos e a fiabilidade dos mesmo.

Num primeiro contacto estou a gostar e as recentes descidas de preço feitos na gama Spartan vai potenciar a sua democratização no seio dos atletas. Esta é a versão mais acessivel da gama Spartan e deverá ser o maior cavalo de batalha nas vendas totais.

Daqui a poucas semanas dou novidades mas para já vejam estas fotos e o video de apresentação.

 

Bons treinos :)

 

Suplemento alimentar NANO H2 VITA

NanoHydro.jpg

Nós no Correr na Cidade somos abertos à inovação. Andamos sempre à procura de novas sapatilhas, novas mochilas, novas provas e naturalmente, novos suplementos. Somos curiosos por natureza e gostamos sempre de experimentar coisas novas e diferentes.

A NanoHydro enviou-nos uma amostra do seu produto NANO H2 VITA que é um suplemento alimentar à base de hidrogénio molecular, que aumenta a nossa energia e diminui os níveis de stress.

nanohydro_2.jpg

 


Este suplemento é um pó efervescente otimizado para a produção de hidrogénio molecular produzindo um potente antioxidante natural. Contém vitamina C, um complexo mineral de cálcio e magnésio, e muitas outras propriedades incríveis para situações de desgaste físico e mental! Ao neutralizar o stress celular de forma natural, o Nano H2 Vita combate a fadiga e produz um efeito de leveza, aumentando a acuidade mental, determinante em situações de esforço físico elevado e até de stress laboral. Este produto potencia algo que naturalmente o nosso corpo já produz: o hidrogénio molecular, que nos faz sentir mais fortes e capazes de enfrentar as loucuras do nosso dia-a-dia!

 

nanohydro_3.jpg

 

Estamos a experimentar o produto e dentro de alguns dias vamos dar o nosso feedback completo.
Entretanto podem ver mais informação no site em PT


Bons treinos :)

 

 

 

Qual é o teu desejo?

Foto00.JPG

Por Bruno Tibério

 

Não, não sou nenhum génio que venho aqui conceder-vos um desejo se era isso que pensavam, porque os génios afinal acabamos por ser um pouco todos nós.
Isto é, como forma de comemorar o “World Wish Day” (29 de Abril), a Make a Wish Portugal organizou a Night Run for Wish no passado sábado (6 de Maio) onde quem quisesse podia participar num trail urbano ou caminhada, ambos solidários.
Desta forma, cada pessoa que participou neste evento pode considerar-se um bocadinho como o Aladim, pois está a contribuir para a realização dos desejos e levar esperança a crianças e jovens entre os 3 e os 18 que infelzimente sofrem de doenças graves.

Foto01.JPG

 

Foto02.JPG

Assim, a fundação em conjunto com Instituto Superior de Ciências Policiais e Segurança Interna aliou a prática de desporto à boa vontade dos participantes.
Eu e a Ana, juntamo-nos à causa tendo ido participar na caminhada e eu aproveitei para tirar o pó à máquina fotográfica.
A cada participante da caminhada era dado um balão com um led no azul no seu interior.

Foto03.JPG

Enquanto os participantes do trail urbano se iam juntando perto da partida onde, em conjunto com alguns embaixadores da fundação, se iniciou o aquecimento, para nós, foi hora de dar exercício aos pulmões e encher os balões que nos ofereceram para a caminhada.

 

Foto04.JPG

 E assim chegou a hora de começar a caminhada onde os vários balões com os leds causavam um efeito engraçado ao descer o parque e iam pintando os passeios da avenida da Liberdade conforme passavamos.

Foto06.JPG

Chegado a casa, e aproveitando os divertidos balões, ainda houve tempo para a prática de um pouco de “light painting photo” eheh.


E assim chegou ao fim a nossa aventura onde esperamos que o nosso pequeno contributo possa vir a trazer um grande sorriso a alguém!

Review: Brooks Transcend 4

20170123_105616.jpg

Ao fim de 6 anos a correr e experimentar varios materiais, sapatilhas e mochilas, não existe muita coisa que me consiga surpreender. Após 3 meses e 160km em que foram usadas na chuva, frio, quente, subidas, descidas, alcatrão, calçada e afins, posso dizer que estas Brooks me surpreenderam. A review mais demorada prende-se com o facto de me estarem a dar um grande gozo correr com elas e saber se passavam a ser as minhas preferidas para alcatrão.


Surpreenderam na medida em que ultrapassaram as minhas expectativas, que eram grandes. Vamos por partes e conhecer estas Brooks Transcend 4 :)


Design/construção
O design é bastante standard para os dias actuais e deve agradar a muita gente. A construção é robusta e os materiais escolhidos muito bons, acima da média. Até os atacadores sendo em formato old school não fogem depois de apertados no sitio.


Primeira coisa que pensei quando as sapatilhas me foram entregues e vi o formato e qualidade da mesma, "Será que chegam para destronar as Guide 7 do meu top de escolha para alcatrão ?". As Guide 7 até hoje são as minhas sapatilhas favoritas para derreter km's em alcatrão. São brutais para o meu pé, tipo de passada e tipo de esforço que faço.


As Transcend tem um desenho no meio e na parte superior da sapatilha semelhante, sendo a parte do meio da sola o unico sitio onde é muito diferente. Alias, é diferente de 99% das sapatilhas no mercado pois não faz a habitual curvatura para dentro. Em vez disso, (quase que) mantem a largura no centro da sola.


Os materiais usados no geral são muito acima da média e a sapatilha ao fim deste tempo parece que saiu da caixa ontem.
Em termos de cores tem um uso geral muito agradavel, sem entrar em extremismos com cores fluorescentes, num tom muito sobrio e muito bem conseguido. Passam muito despercebidas no meio do pelotão.


Estabilidade/Aderência
Ponto forte da sapatilha, a estabilidade que oferece para podermos percorrer distancias longas sem os pés se movimentarem muito lateralmente e assim optimizar a passada, o desgaste de energia e o conforto. Com a tecnologia GuideRails senti que a sapatilha é bastante rígida em treinos em recta, ficando um bocadinho rigidos demais quando percorremos ruas apertadas no meio da cidade e queremos fazer mudanças de direcção rapidamente. Sente-se o pé bem apoiado nas laterais e isso dá confiança para atacar os km's. Mesmo a subir ou descer escadas/rampas, a estabilidade é muito boa sem comprometer o conforto.

O apoio à volta do calcanhar é muito bom mas convém que o pé seja compativel porque as paredas da sapatilha são muito rigidas, mas não são compativeis com todos os pés e podem criar desconforto se o pé não encaixar correctamente. O mesmo se pode dizer da parte superior e do mecanismo que liga a lingua do suporte lateral. Quem tiver pés mais altos ou fortes, pode sentir algum desconforto devido ao efeito "elástico". Mas a maior parte das pessoas vão sentir uma sensação do pé estar bem rodeado e preso na sapatilha o que se tranforma em muitos kms com estabilidade e sem torção lateral.

A sola tem um excelente grip na maior parte das situação mas à custa de um desgaste mais rapido do que na concorrencia. A aderencia mostrou-se ao nivel do melhor que existe no mercado. Com a unica excepção da calçada molhada que apanhei nos primeiros dias de testes ( e nos ultimos dias ) onde a sapatilha apresenta uma aderencia muito reduzida. Foi uma das 2 piores sapatilhas que já experimentei neste tipo de piso e fiquei bastante surpreendido por isso. Deverá ter algo a ver com o tipo de borracha usada a meio da sola. De resto, sempre se portou acima da média em todo o tipo de terreno, desde alcatrão até calçada portuguesa seca, passando por estradões e relva.

 

Enquanto a parte superior da sapatilha foi construída para durar centenas e centenas de kms, a sola por indicação da Brooks deverá ter uma duração com as caracteristicas originais pouco acima dos 500km. Mas muitas vezes estas informações das marcas são um pouco contraditórias e a minha experiencia é que com os 160km que tem em cima em diversos terrenos ainda não mostra qualquer sinal de desgaste ou perda de tração.

20170123_105743.jpg



Conforto
São extremamente confortaveis e permitem rolar muitos km's. Aliás, a melhor sensação que se pode pedir a umas sapatilhas é no final do treino/prova não nos apercebermos que as estamos a usar. E as Transcend 4 fazem isso. Demora 2/3km a moldar ao pé mas depois quase que nos esquecemos que estão ali, tal o conforto e relacionamento que o interior consegue fazer com o pé.
A ligação entre a lingua e as lateriais com o seu efeito "semi-meia elastica" ajudam nesta area mas a maior responsabilidade recai na borracha e nas suas varias camadas de diferentes rigidez e absorção de impactos, que tornam o correr num exercicio muito confortável. Mesmo no final da meia maratona da 25 de Abril não senti qualquer sensação negativa nos pés nem nos tendões devido ao esforço. Perfeitamente encaixado o esforço nas diversas estruturas de rigidez e conforto da sapatilha.


O peso de 300gr para um pé masculino normal de tamanho 42/43 nota-se um bocado quando as calçamos mas depois essa sensação desaparece por completo quando arrancamos, não se notando o peso. O drop de 8mm está na média do segmento e não é perceptivel com a quantidade de borracha que temos debaixo do pé e o acolchoamento associado dando a sensação de ter menos.


Amortecimento
Para mim quase perfeitas para quem treina um pouco mais longo. O único senão é serem demasiado confortaveis. Em alcatrão liso e sempre em recta o equilibrio entre conforto/amortecimento/feedback do chão é muito, muito bom. "Problema" é quando estamos a treinar em sitios como por exemplo no centro de Lisboa, com ruas esburacadas, passeios desnivelados, calçada portuguesa ligeiramente desnivelada ou então em muitas das nossas ruas com alcatrão mais antigo e rugoso. A grande vantagem do excelente amortecimento torna-se numa desvantagem porque faz com que o feedback que nos chega até aos pés sobre o piso que estamos a calcar seja menor e isso pode ser suficiente para não termos a noção de alguns solavancos no piso. Mas isto é um pormenor muito especifico que em nada prejudica o amortecimento/conforto geral que é muito acima da média, mesmo no segmento premium.

20170123_125351.jpg



Preço
As Brooks não costumam ser sapatilhas baratas. E este topo de gama não foge a essa politica cá no nosso burgo. O PVP esperado agora com inicio de venda em final Abril é de 160€ o que é um bom bocado.


Se por um lado temos uma das melhores sapatilhas do mercado para fazer treinos/provas mais longas em alcatrão, não deixa de ser verdade ( e minha opinião pessoal ) que é muito dinheiro por um par de sapatilhas. Para quem faz muitos km's por ano, fica com a mais valia de sentir que os pés estão a ter um menor esforço e desgaste do que com outros modelos mais acessiveis mas não deixa de ser um investimento avultado.


Ao fim de 160km, não denotam desgaste, o que pode indicar que podem ter uma boa longevidade, tanto na sola como no conforto dado pelo mid e upper. Tantas sapatilhas que deixamos de usar porque as proteções superiores cedem antes da sola !
Tentem apanhar promoções que ficando por perto de 100€ ficam um excelente negocio para o que oferecem.


Resumo
Muito sinceramente, estas Brooks para quem tem uma passada ligeira pronadora e costuma fazer 2/4x acima dos 10km por semana ou procura uma boa companhia para meias maratonas e maratonas, não precisa de procurar mais se o pé for compativel com a forma da sapatilha. A parte posterior é ampla e não deve criar problemas a nenhum corredor, mas a parte do calcanhar fecha muito o pé para fornecer o apoio todo que sentimos. Em alguns pés pode provocar algumas questões de desconforto no longo prazo, por isso é sempre melhor experimentar a sapatilha antes de comprarmos.

Em sentido contrário para quem procurar treinos/provas mais curtas ou com ritmo rapido, a propria Brooks tem outras alternativas mais ligeiras e rapidas. Os 300gr de peso e o efeito "pantufa" criado para as longas distancias não são os melhores amigos para quem procura sapatilhas rapidas, que respondam rapidamente a alterações de ritmo e direcção. Não são impeditivas de corrermos por um longo periodo a 4/km mas desde que seja em recta ou sem muitas mudanças de direcção.

Esta sapatilha tem um mercado muito bem definido. Para esse mercado eu diria que antes de comprarem qualquer sapatilha deem uma hipotese a estas Brooks e experimentem. A mim deixaram-me surpresos com a facilidade com que fazem 15/25km em ritmos médios de 4/4:30 km sem mostrar desconforto e qualquer fadiga. Mesmo na chuva ou no frio de Janeiro, tiveram um comportamento muito acima da média ao retirar a agua rapidamente e a não se tornarem 2 tijolos nos pés. Se não fosse o preço, estas seriam sem dúvida as minhas escolhas sem qualquer reserva.

GOPR0257.JPG



Prós
- extremamente confortáveis
- sistema de rails lateral ajudam a ter uma grande estabilidade
- ideiais para treinos/provas mais longas
- não aquecem com a frição interna (inexistente nos meus pés de elefante)

Contras
- escorrega MUITO em calçada molhada
- parte superior da língua/cordões apertam um pouco e são pouco moldaveis ao pé
- demoram um pouco a partir
- às vezes demasiado confortaveis e cortam o feedback que recebemos do chão em ritmos muito rapidos em piso instável

 

(Video das sapatilhas)


Design/Construção 19/20
Estabilidade/Aderência 18/20
Conforto 19/20
Amortecimento 18/20
Preço 15/20

Total 89/100

 

 

 

 

Os benefícios de treinos com base na frequência cardíaca

18121695_1411681445554599_3989180815630968558_o.jp

Paisagens lindas no Montejunto que bem nos preparou para a Estrela

 

Como possivelmente já leram aqui no blog, estou a preparar-me para os 50K do Estrela Grande Trail com o apoio do treinador Paulo Pires da beAPT. Os treinos com o Paulo são treinos com base na frequência cardíaca.

 

Assim, no que toca ao treino, o relógio com cárdio-frequencímetro e GPS é essencial (eu optei pelo relógio TomTom Adventurer com cárdio-frequencímetro incorporado). Pois, o que manda nos treinos são a duração do treino e a frequência cardíaca média e não o pace.

 

Segundo o Paulo Pires da beAPT, “a questão é que o planeamento clássico que usa ritmos e velocidades que não é de todo o indicador capaz de individualizar o treino em função do perfil biométrico e nível de treino da pessoa”. Na verdade, somos todos diferentes e “com a frequência cardíaca há uma gestão mais efetiva da carga do treino. O treino com a beAPT baseia-se em zonas de treino personalizada e na evolução do atleta. É um método mais pedagógico e científico e utiliza novas tecnologias.”

 

Monitorar a frequência cardíaca durante uma sessão de treino permite aos treinadores medir a intensidade do trabalho num determinado exercício e assim decidir se se pretende reduzir ou aumentar a intensidade do treino.

WhatsApp Image 2017-05-04 at 13.11.47.jpeg

E continuam os treinos de reforço muscular 2x por semana

 

Na minha opinião, o treino com base na frequência cardíaca é excelente para evitar um dos piores inimigos dos corredores: correr demasiado, seja demasiado rápido ou demasiados quilómetros, aumentando o risco de lesões e overtraining.

 

Além disso, como o meu objetivo é treinar para uma prova grande, conhecer as nossas zonas de intensidade de treino permite gerir melhor o esforço. Controlar o nosso esforço através de um  cárdio-frequencímetro permite evitar “puxar” demasiado e não conseguir atingir o objetivo de distância e/ou duração do treino ou prova. Correr na nossa zona ideal de 60 a 80 por cento ajuda-nos a correr a um ritmo relaxado e confortável durante muitos e muitos quilómetros.

13226898_10209231299962330_3357447662651854372_n.j

Estou ansiosa pelo Estrela Grande Trail onde o ano passado fiz grandes amigos :)

 

Na minha experiência, o treino com base na frequência cardíaca tem sido interessante na perspectiva de autoconhecimento e controlo do esforço. Para quem procura melhorar o seu desempenho na corrida, treinos com base na frequência cardíaca podem ser um método acessível e eficaz. No entanto, nunca esquecer o bom senso comum à moda antiga. Ao sentir desconfortável durante o exercício, há que abrandar ou parar, independentemente daquilo que o cárdio-frequencímetro indicar ou o treino prescrever. A meu ver, quanto mais informações tivermos sobre a intensidade a que o nosso corpo está a trabalhar, mais eficaz será o treino.

Pág. 2/2

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D