Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Correr na Cidade

Unboxing: Mochila Raidlight OLMO R-ZONE

Para vos mostrar as novidades das mochilas de hidratação, o representante da marca Raidlight em Portugal, a DMAKER, gentilmente nos cedeu uma mochila Raidlight OLMO R-ZONE. Tal como mencionamos num post há uma semana, o mercado dos sistemas de hidratação, nomeadamente das mochilas, em Portugal é maioritariamente representado por 4/5 marcas que são as principais escolhas entre os corredores nacionais. Estamos naturalmente a referir-nos à Salomon, Kalenji, Quechua, Berg, Ultimate Direction, sendo que pontualmente surgem mochilas da Raidlight e de outras marcas.  

 

No site oficial da marca podem consultar as principais características da Raidlight OLMO R-ZONE. A Bo Irik irá testar a mochila, a começar amanhã, nos Trail de Bucelas 27K. Fiquem a aguardar a review final aqui. 

IMG_20150131_154440.jpg

IMG_20150131_154455.jpg

IMG_20150131_154505.jpg

IMG_20150131_154537.jpg

IMG_20150131_154559.jpg

IMG_20150131_154617.jpg

E tu, já tens experiência com Raidlight? Que modelos?

Boas corridas!

As novidades da New Balance para a primavera/verão

Por: Tiago Portugal

 

A New Balance acaba de apresentar a sua coleção de sapatilhas de corrida - estrada e trail - para a primavera/verão. Estes são alguns dos modelos que achámos mais interessantes.  

 
Coleção Homem 

760

 

 

m760bo1_2.png

 870

m870bo3_2.png

 890

m890bo5_2.png

 980- Fresh Foam

m980bo2_2.png

mt110 (trail)

 

 

mt110ap2_2.png

 mt980 (trail)

mt980bo_2.png

 1210 (trail)

mt1210b2_2.png

 

Coleção Mulher 

790

w790sb4_2.png

 880

w880gp4_2.png

 980- Fresh Foam

w980ps2_2.png1500

 

w1500pg_2.png

 1980

W1980WP_2.png

 10rx minumus

wr10rx2_2.png

 

Guia por um treino...

Por Liliana Moreira

 

Ontem foi o treino semanal do Correr na Cidade e como divulgámos, foi um treino diferente do habitual, primeiro porque foi totalmente em pista e depois porque tivemos a presença do atleta para-olímpico Jorge Pina e de mais dois elementos da Associação com o seu nome.

Muitos de nós já se devem ter questionado como é possível um invisual praticar atletismo, sobretudo em alta-competição, qual será a sensação de correr recorrendo apenas aos outros sentidos e o que fazer, ou dizer,  quando se guia alguém nestas condições.

Ontem mesmo com ameaça de chuva e fortes rajadas de vento reunimos um quorum de 25 participantes nas instalações do Inatel. Pelo menos 15 dos participantes estavam completamente alheios ao que se ia passar, confiaram em nós, tiveram a coragem de questionar e permitiram que fosse o Jorge Pina a guia-las nesta descoberta.

Não resta a menor dúvida que foi um treino muito rico, não só pela componente humana como pela componente técnica, porque se julgam que foi só conversa… estão enganados!

A pista do Parque de Jogos 1º de Maio ontem foi nossa e deixamos lá muito suor também. 

 

Treino_CnC_AssociacaoJP.jpg

 

Julgo que a satisfação relativa ao treino foi geral, pelos menos os sorrisos dos participantes assim o indicaram, mas partilho convosco algumas palavras sobre o treino.

 

João Filipe Figueiredo

"O Jorge Pina é amblíope, tem perda total de visão de um olho e apenas vê 10% do outro olho. Vê vultos, como ele descreve. Mas nem por isso se sente diminuído. Tem uma força interior impressionante. Começou o início do treino com uma pequena introdução à Associação com o seu nome, cujo objectivo principal é apoiar jovens e atletas que estão na mesma situação que ele.

Após um aquecimento de cerca de meia hora à volta do campo de treinos, fomos todos fazer series para a pista de tartan. Foi magnifico o acompanhamento do Jorge e a sua boa disposição constante. Andamos ali às voltas a fazer sprints que nem doidos.

Depois veio uma experiência completamente fora do normal, correr com uma venda nos olhos e guiados por um companheiro de treino. É incrível a diferença entre correr e ver e correr e não ver nada, com olhos completamente vendados. Primeiro tive a tendência para ir para a direita, o meu guia, o Luís Moura, lá me foi acalmando e indicando-me o caminho. A sensação de que podemos cair ou bater contra qualquer coisa esvai-se após alguns metros e começamos a ter uma autoconfiança que desconhecíamos. No fim até acelerei um pouco mais. De olhos fechados parece que o tempo de dar uma volta à pista parece menor do que em circunstâncias normais.

Foi uma experiência incrível. "

 


Inês Machado

"Something Special by Correr na Cidade - o título já nos dizia que ia ser especial, mas o treino de hoje organizado pelo Correr na Cidade com a Associação Jorge Pina, foi para mim uma experiência única.

Não me vou cansar de agradecer a todos por me terem proporcionado este momento de exercício físico, de partilha, de lição de vida, de força.

Foi inspirador conhecer uma força da natureza e um exemplo de atleta como o Jorge Pina e um privilégio poder estar ali naquela pista a receber a sua melhor energia, ensinamentos, determinação e boa disposição, sempre em grupo, sempre juntos como sempre acontece quando treino com a equipa "Correr na Cidade", ninguém fica para trás!

Chegámos mesmo a "sentir o que ele sente", ao correr sem ver, ao lado de um companheiro do grupo que nos guiava. Uma experiência para guardar para a vida e para lembrar em todas as corridas (e outras situações de vida) onde nos falham as forças, a motivação, as pernas ou a cabeça, porque "Onde há vontade, não há limitações!".

Obrigada."

 

 

“É uma sensação espetacular e assustadora ao mesmo tempo. A diferença é que eu consigo tirar a venda.” - palavras proferidas pelo Bruno Araújo-Gomes quando chegou da sua volta vendado.

 

Vejam o video que o CnC preparou para vocês.

 

 

 

Quero deixar um agradecimento especial à Associação Jorge Pina pela disponibilidade imediata em se juntarem a nós, ao Inatel pela cedência das suas instalações e sobretudo ao Jorge Pina pela sua gigantesca partilha de força, garra e motivação!

Muito obrigado a todos os que tiveram presentes.

Até para a semana  ;)

 

A suplementação à distância de um clique

1602193_649666978483529_5658984414628142285_o.jpg

Desde que a maioria da crew do Correr na Cidade começou a correr mais em trilhos - mas atenção, não deixámos a estrada e as cidades  - temos vários corredores que estão a levar "a coisa" mais a sério. Um deles é o Stefan Pequito (há outros, mas a seu tempo falaremos deles).

 

O Stefan está a apostar na sua primeira época a sério. E nós, o resto da crew, está cheia de orgulho no "nosso" atleta que, apesar de sermos suspeitos em escrevê-lo, é um dos atletas com maior margem de manobra de crescimento na modalidade que apareceu nos últimos anos (sem pressão, Stefan, sem pressão, ok?!)

 

E ficámos ainda mais contentes quando soubemos que a loja online Girassol vai apoiar o Stefan nas suas necessidades de suplementação ao longo deste ano. A partir de agora vão ver o Stefan a correr com o logo da Girassol na tshirt. Um orgulho.

 

Mas afinal quem é a Girassol, devem perguntar vocês? Leiam as linhas seguintes e fiquem a conhecer melhor a Girassol.

  

Entrevista feita ao responsável da Girassol, Marcos Torres.


Há quanto tempo existe a loja Girassol?
Apenas há 30 anos… :). Nascemos em 1984, na cidade de Aveiro, criados por António Gouveia Torres, que continuará certamente a iluminar tudo o que à Girassol diz respeito. Quanto ao site Girassol.com, fizemos o nosso primeiro aniversário em Outubro de 2014.

 fundador.png

Qual o conceito da loja e a sua diferenciação em relação a outras lojas?
Calunguembia significa “o homem que gostava de ver nascer o sol”, era assim que o nosso fundador era conhecido em Angola há mais de 30 anos… E foi esse mesmo sol que lhe deu força, quando lhe foi diagnosticado um cancro no cólon. Encontrou ajuda numa dieta à base de produtos naturais, compostos a partir de plantas que se alimentam do mesmo sol que lhe alimenta a alma. Recuperou a saúde e fundou uma loja para vender os produtos que o salvaram. Para além de toda a história que está na génese da Girassol, que acreditamos que seja por si só um grande elemento de diferenciação, o principal factor que nos tem destacado no mercado é a preocupação e cuidado com o nosso Sol: os nossos clientes. Acompanhamos efectivamente os seus caminhos e garantimos que ficam sempre satisfeitos, antecipando eventuais problemas que possam surgir. Os nossos preços muito competitivos são uma preciosa ajuda para nos dar a conhecer no mercado, mas acreditamos que é este centralizar de atenções no cliente que nos distingue da concorrência.


Porque razão optaram por se lançarem no e-commerce?
Com o evoluir da tecnologia, também a Girassol se tem vindo a modernizar nos últimos anos. Acompanhando essas tendências, em que o digital representa hoje um mercado muito promissor e com inúmeras e fascinantes possibilidades, lançámos a loja online, de forma a quebrar as barreiras espaciais de uma loja em Aveiro e permitindo-nos colocar a Girassol mais perto das pessoas.


Que tipo de oferta têm para corredores, a nível de produtos?
Felizmente a nossa oferta para desportistas é muito vasta e a resposta estará certamente incompleta mas, temos desde produtos energéticos, a outros para a recuperação muscular, proteínas, vitaminas… Visitem-nos em www.girassol.com.


Qual o vosso produto mais vendido junto da comunidade de corredores?
Depende um pouco do objectivo que cada consumidor pretende com a suplementação, mas, tentando responder mais objectivamente à questão, para quem, por exemplo, procura a recuperação muscular após o treino, temos tido sucesso com a linha Fast Recovery da GoldNutrition.

Têm produtos de marca própria?
Sim, temos dois produtos alimentares de marca própria de pequenos produtores locais, de alta qualidade e efectivamente bons: o sal e os flocos de Aveia.


Quanto tempo demora uma entrega de um produto adquirido na vossa loja?
Em Portugal Continental, as encomendas finalizadas até às 17h na nossa loja online são entregues até às 19h do dia útil seguinte. Para a Madeira e os Açores levam entre 2 a 5 dias a serem entregues.


Que conselhos dão, a nível de produtos, aos corredores iniciados e que estão agora a iniciar corridas mais longas e, consequentemente a necessitar de mais suplementos alimentares?
A suplementação é uma necessidade quando o volume de treino aumenta e não um “milagre” para se conseguir bons resultados sem um treino regular e específico.
Ao começar, antes de se preocupar com a suplementação, deverá definir um objectivo e programar os treinos de acordo com ele. Numa fase inicial é importante não esquecer a hidratação antes, durante e depois do exercício físico, podendo recorrer a uma bebida isotónica para além da água.Com o avançar do programa de treino, é natural que este se torne mais desgastante fisicamente e o organismo precise de uma ajuda para a recuperação, como o Fast Recovery.
Não esquecer que em qualquer programa de treino de corrida os dias de descanso são fundamentais.As articulações tendem a sofrer: treino funcional específico para reforço muscular e Cartilogen são duas opções sensatas.
Nos dias de treino com distância ou tempos longos, Pre-Workout Endurance é um bom suplemento. Durante estes treinos facilita bastante tomar um gel Extreme ou uma barra energética Extreme a cada hora.


Conseguem perceber se o vosso cliente é mais corredor de estrada ou de trail?
Se efectuarmos uma análise destes últimos meses, e tendo em conta o feedback que temos obtido por parte dos nossos Clientes, temos mais corredores de estrada do que de trail.


Que novidades de produtos/serviços irão ter em breve?
Temos tentado introduzir no site uma média de 100 produtos novos, todos os meses. Como comercializamos na nossa Loja física, em Aveiro, cerca de 3.700 produtos e ainda só temos cerca de 900 produtos no nosso site, nos próximos meses conseguirão sempre encontrar novos produtos…De qualquer forma, procuramos sempre acompanhar as últimas tendências do mercado. Quanto a serviços, iremos reforçar a nossa presença noutros meios digitais além do nosso website. Novidades para breve… 


Como veem o crescimento da adesão dos portugueses à corrida?
Com bons olhos, é claro. Não apenas por se tratar de uma oportunidade de negócio mas fundamentalmente pela mudança de mentalidades, pela adopção de um estilo de vida cada vez mais saudável e com consciência, esperamos nós, de que podemos superar uma grande quantidade de obstáculos de uma forma natural. 

1379403_587722277951334_405491103_n.jpg

 

Fortalecimento do Pé

Por Tiago Portugal:

 

Para melhorar a performance atlética e a forma é recomendável realizar um programa de reforço muscular, também apelidado de treino de força. Esta premissa também é válida para os corredores. A força muscular  para quem se dedica a distâncias mais longas pode ser definida como a abilidade de usar a energia armazenada nos músculos de forma mais eficiente, de criar poder de impulsão e propulsão e atingir uma eficaz estabilidade a nível corporal e dos movimentos.

 

É a capacidade de usar a energia disponível no nosso organismo para completar tarefas fisicamente exigentes durante um período longo de tempo. O objetivo enquanto corredores é percorrer distâncias, por vezes grandes, com a maior velocidade possível. Idealmente queremos nos cansar o menos possível e gradualmente ir aumentando a nossa resistência. De forma a alcançar melhores resultados é necessário ter ou aumentar a força muscular.

 

Paralelamente a esta componente é igualmente necessário ter equilíbrio. O corpo deve trabalhar como um todo. O equilíbrio muscular é nos programas de treino muitas vezes esquecido ou posto em 2.º plano. No entanto um aumento do mesmo promove movimentos mais eficazes, estabilidade, força e maior tolerância ao esforço. Apesar de ser um tópico cada vez mais abordado nas discussões entre corredores o fortalecimento dos músculos do pé ainda não tem a importancia devida. Além de que possivelmente irão diminuir a ocorrência de lesões a nível dos pés. 

 

Os ossos, ligamentos, tendões e músculos dos nossos pés são uma das chaves do sucesso para se alcançar e melhorar a forma e o equilíbrio. Para os corredores tudo começa nos pés, no primeiro contato com o chão e da maneira como o nosso corpo absorve o impato, reage ao estímulo e à energia dispendida em todos os movimentos necessários para dar o próximo passo.   

 

Da mesma forma que treinamos a região abdominal, o core, e os grandes músculos dos membros inferiores podemos e devemos treinar os músculos do pé. 

 

Existem vários exercícos que podem ser feitos em casa e que permitem um eficaz fortalecimento dos pés. Nas imagens que se seguem  estão exemplificados alguns, para os realizar só é necessário vontade, uma toalha e se tiverem uma fita elástica. Os exercícios deverão, preferencialmente, ser feitos 3 vezes por semana. 

4.jpg

1.jpg1.jpg

Além destes exercícios podem, através de uma simples pesquisa na Internet, encontrar uma grande variedade de outros. 

 

No entanto, existem outros métodos e exercícios de fortalecimento e equílibrio. Uma das formas de trabalhar a força do pé é através de uma tábua inclinada, apelidada em inglês de Slant Board. Em alternativa pode-se utilizar um disco de estabilidade. 

No livro do Eric Orton - The Cool Impossible podem ver alguns dos exercícios possíveis com a Slant Board.  

2.jpg1.jpg

 

Na imagem em baixo podemos observar 3 posições distintas do pé na Slant Board.

3.jpg

 Imagem retirada da internet e que faz parte do livro “The Cool Impossible” – Eric Orton

 

De seguida mostramos alguns dos exercícios recomendados pelo Eric Orton no seu livro.

Recomendações:

  • Efetuar os exercícios descalço e sem meias;
  • Preferencialmente utilizar o dedo grande do pé para a estabilidade;
  • Utilizar os bastões numa fase inicial para ajudar na estabilidade, o objetivo final é realizar os exercícios sem bastões;
  • Utilizar um espelho para ver se a posição corporal está a ser a correta.

pes1.jpg

pes3.jpg

pes3.jpg

Imagens retiradas do livro "The Cool Impossible" - Eric Orton

 

Se quiserem  podem aceder aqui a um post de como construir uma Slant Board em casa. 

Boas corridas a todos.

Crónica IV - A entrar nos eixos

Desafio 50K.jpg

Por Filipe Gil:

A semana de preparação, desde o meu último relato, começou bem com um treino INTO THE WILD, onde eu e o Tiago Portugal, e mais elementos do Correr na Cidade guiámos cerca de 17 pessoas pelos trilhos de Monsanto – que andámos a descobrir no dia anterior.

10945549_762947490453251_8475877256428294458_n.jpg

Curiosamente, e talvez porque as condições meteorológicas não estavam animadoras, a única mulher a aparecer no treino foi a Bo Irik - o que se passa convosco, mulheres?!!.
Um treino com muitas subidas, com frio e  muito boa disposição. Às tantas, e como tínhamos preparado o treino para corredores menos experientes , mudámos a rota e fomos fazer a subida do “Cozido”. Um extra que soube muito bem. Ainda vimos duas salamandras e tivemos mesmo a perceção que se consegue estar 100% no campo dentro da cidade. Ah, e muito importante, respeitar sempre a natureza.

 

Os dias seguintes foram de descanso. Nem exercícios de força nem alongamentos. Só no sábado consegui voltar a correr. Combinei como o amigo Nuno Espadinha, e aproveitando uma brecha na vida familiar, fomos fazer algumas subidas para Monsanto. Antes fiz um vídeo que publiquei no facebook do Correr na Cidade sobre o “material” que levei para o treino. Um pouco demais, talvez, mas não sabia se estava frio, se ia anoitecer antes de voltar, etc.

Confesso que é das coisas que mais dores de cabeça me dá em relação à corrida, o que levar. Aliás, mais o que a minha preparação, está a preocupar-me o que devo levar vestido para o Ultra do Piódão? Devo ir de calças? Devo ir de calções? Levo algo mais quente para vestir entre a t-shirt e o corta vento? Não sei.

 

Outra das minhas dúvidas são as meias de compressão. Confesso que ainda estou indeciso à sua utilização em provas, apesar de ter a perfeita certeza de que no pós prova são algo abençoado. Mas para 50 quilómetros devo levar? Se sim, quais? Umas de compressão mais forte ou de uma compressão mais leve? Ou não devo levar de todo? Alguém quer ajudar e opinar?

 

Já em relação à alimentação também tenho poucas certezas. Sei que não gosto de levar água nas costas, prefiro dois bidões na frente da mochila, um com água e outro com uma bebida isotónica. Levo sempre mel, frutos secos e um pacote de sal para as cãibras, e alguns géis, dos quais não sou muito adepto. Também costumo levar muita coisa, mas acho que utilizo 25% do que levo, mas pelo menos não stresso com falta de calorias. E vocês, o que aconselham?

 

Votando ao treino de sábado, eu e o Nuno fizemos cerca de 1h30m com uma subida da A5 e uma subida do “Cozido”. Ainda andámos por outros caminhos sempre a subir. Foi bom, deu para dar mais resistência, deu para colocar a conversa em dia, deu ainda para regar as plantas…
10945054_10153180234394050_4476831691752484271_n.j

O resto do fim-de-semana foi passado a descansar e, claro a ler a revista Notícias Magazine.Nesse domingo foi publicada um artigo/reportagem que fiz sobre trail running. Foi dos trabalhos mais gratificantes que já fiz como jornalista. Juntei, efetivamente duas paixões: a corrida em trilhos e a escrita. As conversas que tive com os entrevistados são memoráveis e já as ouvi várias vezes. Um trabalho que me tirou parte das férias de natal com muito gosto. Se ainda não tiveram oportunidade de ler, cliquem aqui e depois digam de vossa justiça.

17951038_Fm2WL.jpeg

 

Voltei a treinar na segunda-feira. Daqueles treinos que não me apetecia nada fazer, para o qual tive uma grande preguiça, mas que no final valeu muito a pena. Fiz um treino de velocidade. Comecei a correr normalmente, para aquecer, e depois passados 10 minutos fiz três séries de 10 minutos mais rápidos. Muito mais rápidos, com os batimentos a chegarem aos 175 bpm. Entre eles parei um pouco para voltar a um bpm cardíaco de 130, e depois regressei. Custou. Mas senti-me muito bem no final. Já não me esforçava tanto num treino em estrada fazia meses.

E por estar em estrada tentei algo que nunca tinha feito antes. Influenciado pelas mensagem do Sylvian, de que vos falei na crónica da semana passada (aqui) tenho estado a tentar, lentamente, mudar a postura e correr com os joelhos mais dobrados. Mas nesse dia de treino já perto do final, quando regressava para Algés, ali perto do Hotel Altis Belém decidi descalçar-me...e correr descalço.

 

Fui dali até ao final do edifício da Fundação Champalimaud, porque não queria abusar, mas devo dizer que fiquei surpreendido com a sensação. Sempre fui muito céptico em relação ao correr descalço - apesar de adorar andar descalço -, e não é minha intenção correr descalço algum dia. Mas aqueles breves minutos souberam muito bem. Senti melhor o meu corpo, os meus pés, mesmo quando doia, e senti-em em comunhão com aquilo que pisava (nesta altura já devem estar a pensar: pronto, pirou de vez...). Foi realmente uma sensação única. Percebi logo que a passada era diferente naquelas centenas de metros, e quando me calcei novamente continuei a pisar "bem", mesmo já cansado. Acho que vou repetir a experiência muito em breve.

 

A proxíma semana de relato, que hoje começa, irá levar-me no domingo a fazer os 27km do Trail de Bucelas. Será, certamente, uma excelente oportunidade para perceber como está a minha forma. Se é que ela existe...


Boas corridas.

 

Leia aqui a crónica III

Leia aqui a crónica II

Leia aqui a crónica I

 

 

 

 

Pág. 1/8

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros

Girassol_banner


Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D