Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Correr na Cidade

1ª Impressão: Merrell Bare Access 3

10849750_10204261607674725_2809013176440551232_n.j

Por Carmo Moser

 

Já há algum tempo que tinha curiosidade em experimentar umas sapatilhas que proporcionassem uma passada mais natural. Até aqui, a minha única experiência “barefoot” resumia-se a uns poucos quilómetros “palmilhados” descalça na praia, experiência essa que não voltei a repetir. Por isso mesmo, foi com satisfação que aceitei o convite da Merrell para experimentar as Barefoot Run Bare Access 3.
 
Já com alguns quilómetros corridos em trilhos, em estrada e até mesmo em ginásio, ainda estou a “aprender e compreender” como correr com sapatilhas mais minimalistas. As primeiras impressões com que fiquei foram as seguintes:
 
AMORTECIMENTO E ESTABILIDADE: com um drop (diferença entre a altura do calcanhar e a altura da frente do pé) de 0mm e 8mm de espessura de cushioning, as Barefoot Run Bare Access 3 são bastante diferentes das sapatilhas que estou habituada a usar. Até aqui tenho sido utilizadora fiel de modelos com bastante amortecimento e estabilidade, como os Asics Nimbus, os Adidas Supernova ou os Salomon Speedcross. Na verdade, gosto de sentir o conforto e a protecção que estes ténis proporcionam. Por isso mesmo, estava com grande expectativas quanto à adaptação a um tipo de sapatilha como esta.
 
ADAPTAÇÃO: Correr com uns Barefoot Run Bare Access 3 é completamente diferente de correr com sapatilhas “tradicionais”. A sensação ao calçá-las pela primeira vez foi de estranheza. Senti a falta do conforto e do “aconchego” dos meus ténis habituais. De facto a adaptação não foi de todo imediata, mas tem sido gradual e lenta. Desde logo percebi que numa fase inicial teria de correr distâncias MUITO mais curtas, a um ritmo MUITO mais lento. Para fazer esta transição de uma forma “tranquila”, tenho usado as sapatilhas não só nos treinos de corrida, mas também para fazer caminhadas e para ir ao ginásio. O drop zero “obriga” a uma postura e a uma passada completamente diferentes daquela a que estava habituada. O ataque ao solo acaba por ser feito pela parte dianteira e do meio do pé e não pela zona do calcanhar e a passada torna-se bastante mais curta.
 
TOE BOX: a parte da frente é bastante larga, permitindo que os dedos fiquem acomodados sem sentir qualquer aperto. Uma das grandes vantagens que tenho vindo a sentir é a diminuição dos problemas que sempre tive com as unhas dos pés.

10004010_10204261608474745_5542205626225608036_n.j

ADERÊNCIA: a sola exterior VIBRAM® apresenta uma óptima capacidade de aderência em praticamente todos os tipos de piso, com excepção de pisos molhados, onde senti que estava a “patinar”. Tenho tido alguma dificuldade em utilizá-las em trilhos mais agressivos. Também aqui tenho notado que a adaptação tem de ser gradual, pois a sensação de contacto com o solo é muito maior do que com as sapatilhas convencionais; sentindo qualquer irregularidade. Por enquanto tenho procurado treinar em trilhos mais suaves e menos técnicos, sendo que o piso em terra batida é onde me sinto mais à vontade para correr.

 
FLEXIBILIDADE: a sola das Barefoot Run Bare Access 3 apresenta uma estrutura bastante flexível, sobretudo na zona frontal e na zona do dedo grande.
 
LEVEZA: esta é uma das características mais evidentes dos Barefoot Run Bare Access 3. São extremamente leves: pesam cerca de 200g.
 
VENTILAÇÃO: a parte exterior superior é feita de uma malha perfurada, com óptima capacidade de ventilação. Durante os treinos (inclusivamente em pleno verão) nunca senti os pés quentes ou transpirados. Para além de serem super arejadas e frescas, utilizam uma nova tecnologia da Merrell, a Mselect Fresh, que protege a sapatilha dos maus odores.
 
VISIBILIDADE: os detalhes reflectores na parte de trás e na frente são muito úteis em zonas de baixa luminosidade. RESISTÊNCIA: a zona dianteira é reforçada por uma tela bastante resistente. Os materiais usados são de óptima qualidade. Já com um bom par de quilómetros, as sapatilhas continuam como novas, apresentando um desgaste mínimo.
 
PALMILHA: outro pormenor importante, é a ausência de palmilha. Mesmo sem meias, a sensação de conforto é constante, não sentido as costuras e a transição de materiais.
 
AJUSTE: fáceis de ajustar, sendo que o único “senão” é o comprimento dos atacadores, sobretudo para quem utiliza a técnica de aperto das “orelhas” e do duplo laço.
 
OUTROS PORMENORES IMPORTANTES: bastante fáceis de levar, secam muito rapidamente devido ao tipo de malha utilizada. 
 
Quanto ao veredicto final, penso que ainda é muito cedo para chegar a uma conclusão. Por enquanto ainda estou numa fase de adaptação, mas espero que com treino venha a adoptar uma passada mais natural e consequentemente vir a beneficiar de todas as mais-valias que umas sapatilhas minimalista podem oferecer.
 
Brevemente darei novo feedback

10696215_10204261606874705_491484276958905818_n.jp

1 comentário

Comentar post

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Actividade no Strava

Somos Parceiros



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D