Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Azores Trail Run 2016: Vamos aos "Assures"?

por Pedro Tomás Luiz, em 27.05.16

 

inicio_ATR.jpg

Depois de ler os race reports da Bo e do Nuno, acerca do Azores Trail Run do ano passado, tinha mentalmente decidido que há primeira oportunidade ia rumar a esse arquipélago e ficar a perceber o porque deles referirem o seguinte: “Azores Trail Run é literalmente ouro sobre o azul imenso do Atlântico” ou “fiquei fã do Faial. Tanto pela tecnicidade dos trilhos como pela beleza e variedade da paisagem envolvente, desde vulcões áridos e secos à selva húmida com vegetação incrível. E as vistas… E as vaquinhas… “.

 

Assim, tenho que confessar que neste momento um estado de alguma euforia começa a crescer, dado que o ATR está aí mesmo à porta.

 

Perdoe-me a Estrela, o Gerês ou a Lousã, mas as nossas ilhas são cenários idílicos para corrida de montanha. Tendo no MIUT, a referência das suas escarpas aguçadas e os seus penhascos profundos, no ATR vejo a possibilidade de percorrer a cratera de um vulcão, vislumbrando o imenso azul do oceano.

 

Efetivamente, poucas coisas se comparam à sensação de percorrer a cratera de um vulcão, felizmente para mim será a segunda vez, já que em 2015, tive a possibilidade de subir os 1717mt do monte Batur (Indonésia) e percorrer toda a cratera desse vulcão (ainda bem ativo).

OI000083.jpg

 (Caldeira do Monte Batur)

OI000097.jpg

 

Desta forma, e ainda com muito MIUT nas pernas, vou deixar-me levar “canadas” e percorrer os 48km do Faial Costa a Costa.

 

perfil_ATR.jpg

 (Este perfil está desenhado da direita para a esquerda, ou seja no sentido da prova)

 

Esta prova com +/- 2000 D+, tem inicio no Sábado dia 28 de maio pelas às 09:30 no Porto da Boca da Ribeira. Descrita pela organização como (…) uma viagem no tempo histórico e geológico, percorrendo a ilha costa a costa na forma da sua criação, de Este para Oeste “ e tendo como pontos de interesse principais a passagem pelo farol destruído ou pelo maior Grabendo arquipélago, será a passagem pela Caldeira o ponto no qual deposito as maior expetativas.

 

Além do Faial Costa a Costa realiza-se ainda o Trail Ilha Azul (70 km) a começar no forte de S. Sebastião, o Trail dos 10 Vulcões/30 anos Jardim Botânico do Faial (22 km) que começa na Caldeira e ainda Family Trail (10k) junto ao vulcão dos capelinhos. Ou seja, a organização oferece provas para todos os gostos, para todos os níveis podendo aliar-se as vertentes desportivas, turísticas e familiares.

 

vulcao capelinhos vista 1959.jpg

Vulcão dos Capelinhos  Fonte: geocrusoe.blogspot.pt

 

Da minha parte, e sendo a primeira vez que vou estar nos Açores, espero trazer recordações para a vida, não só da prova, como da cultura, das paisagens, das pessoas.

 

Estejam atentos ao facebook do CnC pois vou “tomar” conta dele durante estes 5 dias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

Raidlight Gilet Correr na Cidade (4).jpg

 

Na sequência das experiências com duas mochilas Raidlight, a Mochila Raidlight ULTRA 8L e a Mochila Raidlight OLMO R-ZONE, o representante da marca Raidlight em Portugal, a DMAKER, gentilmente nos proporcionou mais uma oportunidade de testar uma mochila desta marca francesa –Raidlight Gilet Responsive 8L.

 

Esta mochila, ou melhor colete, ao contrário das testadas anteriormente, tem dois modelos, um masculino (testada pelo Tiago Portugal) e um feminino (testada por mim). O Tiago fez a preview, sendo que a primeira impressão foi bastante positiva.

 

Raidlight Gilet Correr na Cidade (2).jpg

 

Já ando a correr com esta mochila há uns bons meses. Acho que a melhor review que se pode fazer a uma mochila é correr tanto com ela que nem tempo temos para escrever sobre ela :) Na verdade, esta mochila tem acompanhado grande parte dos quilómetros por mim percorridos nos últimos meses. A mochila é tão tão confortável e leve que deixei de usar cinto para levar água e em todas as provas ou treinos acima de 1h30, tenho levado a mochila, seja em trilhos ou estrada. Sim, até na Maratona de Barcelona andei com a mochila, bem como algumas meias maratonas e quase todos os treinos e provas de trail, incluindo os 42km na ilha de Santa Maria e os 46km do Estrela Grande Trail.

 

Com este uso todo, já sabem a minha opinião acerca da mochila: adoro-a.

 

De qualquer das formas, para a conhecerem um pouco melhor, seguem alguns pontos positivos e negativos acerca da Raidlight Gilet Responsive 8L.

 

Raidlight Gilet Correr na Cidade (3).jpg

 

Pontos positivos:

 

  • Há um modelo masculino e um feminino, adaptados às respetivas fisionomias;
  • Para além da diferenciação por género, há dois tamanhos diferentes para cada modelo: S-M ou L-XL. Para mim o S-M serve perfeitamente. Estas opções permitem encontrar um tamanho modelo que se ajusta be ao nosso corpo;
  • Estabilidade e conforto: a mochila nunca causou desconforto ou fricções e é literlmente “colada” ao corpo;
  • Ajuste personalizado: com umas fivelas por debaixo dos braços consegue-se ajustar o tamanho da mochila. Pessoalmente, não usei esta funcionalidade;
  • Peso: 160 gramas, mais leve do que os coletes da concorrente Salomon, de 270 gramas e 330 gramas (mochilas de 5 e 12 L respetivamente);
  • Opções de hidratação: softflasks ao peito ou bexiga às costas;
  • Facilidade de acesso à hidratação: eu recorri às softflasks ao peito, muitas vezes usava apenas um. Em provas maiores, usava dois - um com água e um com isotónico. Estes softflasks são muito úteis para beber, pois nem precisam de ser retirados da mochila porque se pode beber através da “palhinha”;
  • Espaço para barras e geis: duas bolsas no peito e ainda por baixo de cada braço, permitindo muito fácil acesso;
  • Durabilidade: depois de muitos quilómetros, muitos litros de suor de algumas lavagens (à mão), a mochila continua como nova e seca muito rapidamente;
  • Capacidade: os 8L de capacidade servem perfeitamente para levar o material obrigatorio para as provas (corta-vento, manta térmica, t-shirt de manga comprida, buff, luvas, leggings, comida, etc);
  • Material da mochila: não deixa marcas nas t-shirts;
  • Garantia: inclui garantia de um ano;
  • Inclui apito;
  • Design e cores muito bem conseguidas.

 

Raidlight Gilet Correr na Cidade (1).jpg

 

Pontos negativos:

image002.jpg

 

  • Não tem bolsos exteriores fechados com fecho ou velcro;
  • A minha versão não tem bolsos impermeáveis. Felizmente, a versão mais recente já inclui um saco estanque para transporte de documentos, chaves, produtos electrónicos, etc;
  • Achei relativamente difícil guardar e tirar bastões (nas outras mochilas desta marca este era um ponto forte). Na verdade, é possível guardar os bastões com os elásticos existentes, mas não são de fácil acesso, sendo que assim que tiro os bastões, acabo por não voltar a guardá-los;
  • Preço: Preço: 135€ sem soft flasks, 165€ com 2 soft flasks de 600ml, quase o mesmo preço que a famosa Salomon S-LAB ADV SKIN3 12 (175€).

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pode o Reiki ajudar-nos na corrida?

por Filipe Gil, em 25.05.16

Depositphotos_50351693_m (1).jpg

Vou confessar que este é dos post que mais me custou escrever. Ando a “arrastar” isto há semanas. Porque tenho medo de me expor em demasia numa coisa que tenho algumas dúvidas. Tenho medo de quebrar a linha prática, sintética e direta que o Correr na Cidade tem desde a sua fundação. Mas, perdoem-me, e vou pôr “a carne toda no assador”. Vocês depois julgarão. Estão à vontade!

 
Comecemos pelo início. Como aqui já indiquei semana sim, semana não meto as pernas nas mãos da Sara Dias. E um dos locais onde a Sara faz as suas terapias é o CAHL. É perto do meu emprego e a simpatia de quem lá trabalha fideliza. Numa das muitas conversas que costumo ter com o Pedro Leitão, o responsável do Centro, desafiou-me a experimentar uma das terapias na qual mais acredita e da qual se está a especializar: o Reiki.

 

Acreditem que a primeira coisa que pensei quando ele me disse isso foi “Nem penses!!!”, e claro, como bom português em vez de ser direto respondi com um sorriso amarelo a dizer: “Sim, sim, um dia destes”. E tentei mudar de assunto para o tal dia de “São Nunca à Tarde”.

 

Mas quis o destino, ou não, que cada vez que ia ao CAHL, (geralmente é à hora de almoço), encontrar sempre o Pedro. E, simpaticamente e de maneira muito fugaz voltava a falar do Reiki e como ele poderia ajudar-me no equilíbrio energético na corrida. Acenava, dizia sempre que sim, não muito confiante na oscilação afirmativa que a minha cabeça fazia no momento.

bxct21.jpg

Tudo isto se foi arrastando durante semanas e meses. Depois de estar curado da iliotibial do lado direito, num treino de 10km por Monsanto, mesmo, mesmo no final, comecei a ter dores na iliotibial do lado esquerdo. Entrei em desespero! Ao fim de nove meses com lesão de um lado da perna iria passar por mais nove meses na outra perna? O que se passaria com o meu corpo?! Cansaço, falta de vitaminas, stress absurdo (disto tenho a certeza que sim) frustração de ter milhentas coisas para fazer e nunca dar vazão a elas todas? A crise dos 40?

 

Falei com várias pessoas. Mudei um pouco a alimentação, decidi comprar vitaminas (as quais nunca cheguei a tomar). E numa daquelas semanas estranhas da nossa vida em que tudo se conjuga, vim dar comigo a ler sobre Mindfull Running, sobre Yoga, meditação e sobre Reiki.


Não sou muito esotérico. Aliás, nada. Sou prático. Mas nessa semana tudo apontou para aí. E então, rendido lá aceitei fazer a tal sessão de Reiki com o Pedro Leitão.


E lá fui eu. A medo. O Pedro teve uma conversa comigo no início da sessão e falámos sobre várias coisas, desmistificando logo, logo, que o Reiki é algo esotérico. Tem a ver com energias. E nisso, tenho que concordar. Somos feito de energia. E então eu que tenho essa noção presente quase todos os dias em que dou ou apanho choques em coisas. É tão irritante às vezes…Bem, mas antes de continuarmos com isto, tenho de explicar o que é o Reiki, segundo as palavras do Pedro Leitão. Aqui vai:

“O Reiki é uma terapia que trabalha a nível emocional, mental e espiritual e pode mudar muita coisa na sua vida. O Reiki ajuda atletas a recuperar mais rapidamente das suas lesões e entrar mais rapidamente na sua atividade. O Reiki acalma, reduz o stress e provoca no organismo uma sensação de profundo relaxamento, conforto e paz. Limpa e clarifica o seu campo energético. Alivia a dor. Consegue aumentar o nível e a qualidade do sangue que circula no nosso organismo, conseguindo mesmo fazer parar pequenas hemorragias. Consegue “limpar” os nossos órgãos como o fígado, rins, as artérias e outros. É seguro no tratamento de doenças crónicas e agudas, doenças relacionadas com stress e desordens, como nos casos de sinusite, rinite, menopausa, cistite, asma, fadiga crónica, artrite, ciática, insónia, depressão, apenas para mencionar algumas delas”.

 

Confesso que me custa acreditar que faça “tanto” por nós. Mas também tenho que confessar que não nego à partida uma ciência que desconheço.

A sessão decorreu normalmente. A música do costume nesta coisa mais orientais, e relaxei. Enquanto o Pedro ponha as suas mãos em algumas partes do meu corpo (cabeça, peito, pernas, pés), senti-me a descontrair. Quase que adormeci.


Talvez a sessão tenha durado 30 minutos ou uma hora, sei que o tempo passou e para além de uma ligeira sensação de calor nos locais onde o Pedro colocava as mãos e uma ligeira flutuação no braço direito, só senti relaxamento. No final, o Pedro disse-me o que tinha sentido das energias do meu corpo (o que não vou partilhar convosco) mas falou que as dores iriam aliviar e a tensão arterial também poderia baixar um pouco. Simpaticamente, e não mais do que isso, concordei.


filR1.jpg

E saí de lá totalmente relaxado e com sono. Mas fora isso tudo na mesma: uma moinha estranha no joelho esquerdo, que já me incomodava há umas semanas, e uma pequena sensação de dor de cabeça. O pensamento que tive, confesso, foi mesmo: “belo momento para relaxar, porque de resto estou na mesma”. E voltei ao meu dia-a-dia.


Até que já perto das 22h do mesmo dia voltei a pensar no assunto e levei a mão à perna que doía. Pois, leram bem, escrevi no passado. Já não doía. Pensei cá para mim: “Oh Diabo! O que é isto!?” Mexi a perna para um lado e para o outro, andei, saltei e o raio da moinha tinha de facto desaparecido. Meio incrédulo fui medir a tensão, que costuma estar mais alta ao final do dia e, estava muito normal e baixa para o que costumo ter. E já não tinha dor de cabeça. Acionei a minha racionalidade. Trata-se, certamente, de uma grande coincidência.

O certo é que desde aí, e durante as próximas semanas a minha tensão andou muito regular (por acaso ainda anda) e a dor no joelho não voltou. Se foi o Reiki? Não sei. Talvez! Se funcionou como placebo, talvez! Se foi tudo uma grande coincidência, talvez? Será que o Pedro “arranjou” as minhas energias? 

 

Será que o Reiki pode ajudar a balançar as nossas energias e ser útil para a corrida? Talvez. Mas que algo se passou e que mexeu com as dores que tinha, isso, aconteceu.Eu vou tirar as teimas e vou marcar outra sessão para breve.

 

E vocês? O que acham?

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

início.jpg

 As estrelas do Estrela Grande Trail

 

Nos meus objectivos traçados para este semestre, tinha o EGT como uma das provas mais importantes e para a qual queria estar preparada. Mas confesso que sou uma workaholic: adoro a minha profissão e dedico mais tempo a ela do que a mim. Se isto é positivo? Claro que não! Mas esta prova fez-me repensar no rumo que estou a dar à minha vida e na necessidade que tenho de a mudar, outra vez.


Mas agora é tempo de falar sobre a prova propriamente dita.


Como Manteigas não fica logo ali ao lado para quem mora em Lisboa, decidi que tinha de fazer uma crew trip e aproveitar o facto de ter casa ali na zona. No carro trazia uma bagageira cheia de equipamento para ir correr. No início fez-me um pouco de confusão ter uma lista de equipamento obrigatório tão grande para quem ia correr apenas 26K e nem ia até à Torre mas, no final, fez todo o sentido.


Eu, a Bo e o Bruno Tibério, saímos de Lisboa na sexta-feira ao final da tarde e queríamos chegar o mais rapidamente possível à Aldeia Viçosa (Guarda) para podermos fazer a nossa massa "c'atum" e deitarmo-nos cedo. O dia seguinte ia ser longo, cansativo e tínhamos de estar preparados para a grande aventura. A Bo ia correr 46K, eu os 26K e o Bruno ia ser o nosso apoio e fotógrafo oficial.


Para chegar à zona da partida tinhamos de fazer um trajecto durante cerca de 45 min por uma estrada nacional que ia dando uma noção da dimensão daquela serra. E, acreditem, a paisagem é linda!

Aldeia Viçosa.JPG

 Aldeia - Viçosa (Guarda) - local de passagem do Rio Mondego


Ao chegarmos à partida, começámos por tentar encontrar a Liliana e o Moura, mas nem sinal deles. Algo se passava, pensei eu. Felizmente não tinha acontecido nada de mal, apenas aqueles pequenos stresses que costumam aparecer à última hora.


Vi a Bo partir sorridente, nervosa mas bem acompanhada pelo José Finuras e por alguns membros da equipa do Montanha Clube Trail Running. E, chegada a minha vez de partir, o nervosismo era mais que muito. O Bruno deu-me um mini curso sobre como utilizar o relógio dele e o que eu podia esperar nos primeiros 5K: subidas e mais subidas. Dei apenas uma vista de olhos pelo gráfico da prova e pensei que não era assim tão difícil. Estava enganada, claro!


À medida que íamos a subir, a paisagem ia ficando cada vez mais bonita. O grupo começava a dispersar e eu, como ia sozinha, pus os meus "phones" nos ouvidos e a música a tocar. Apesar de ter treinado pouco em termos de corrida, nas últimas 3 semanas mudei o plano e comecei a treinar mais as pernas. E o resultado foi muito positivo. Numa dessas subidas meti conversa com a Mónica e o João Batista que serviram de "lebre" e puxaram por mim ao longo da prova.

 

subida.png

 A paisagem é fantástica


Na primeira fonte que encontrei, decidi abastecer-me de água e estava a achar estranho como é que tinha bebido tanta água num curto trajecto. Mas depois apercebi-me que já tinha subido mais de 5K e estava muito calor (pelo menos para mim). Claro que a falta de treino também aumenta esta sensação. Ao chegar ao primeiro abastecimento, olhei em volta e vi a bela laranja a olhar para mim e atirei-me a ela como se fosse o Zach Miller no MIUT. Para quem gosta de comer devagar, este é um desafio engraçado. Arranquei do abastecimento com o João e a Mónica, mas tivemos de a deixar para trás por causa duma indisposição. Não gosto de fazer isso, mas sabia que ela não estava sozinha.

 

rossim.png

A vista para o Vale do Rossim


Ao longo dos 5K seguintes, as subidas continuavam e o João continuava a puxar por mim. Numa dessas subidas surgem mais 2 personagens nesta história: a Oriana e a Raquel. E, o mais engraçado, é que a Oriana é do Porto e uma grande fã do nosso blogue. Senti-me ainda mais orgulhosa pela camisola que trazia vestida e por correr ao lado de quem conhece as nossas histórias.


Na zona do Vale Glaciar surge uma pedra fantástica e que eu já tinha visto em vídeos de provas anteriores: uma pedra em que temos de passar no meio dela, nuns degraus improvisados e meio a pique. À entrada, um moço simpático da organização, deu-nos a dica que faltavam cerca de 9K e para termos algum cuidado, pois a descida tinha muitas pedras pequenas e escorregadias. E eu que pensava que ia ser uma descida fácil...

EGTzÉ.JPG

Fotos do Zé - Uma foto 5 estrelas onde dá para ver que, apesar da dificuldade, estava com um ar bem divertido.


Depois de deixarmos a pedra e tirarmos algumas fotos muito rápidas, decidimos começar a correr "a trote" (como dizia o João) e lá fomos a descer a serra até ao último abastecimento. De acordo com o que disse a Mónica, tínhamos de nos preparar para um estradão de cerca de 3K até à meta. Dito assim parece fácil, mas depois de 23K...ter forças para "disparar" não é assim tão simples. Algures depois do abastecimento, eu e o João separámo-nos das meninas e decidimos correr mais até à meta. Pelo caminho fizemos contas para ver quanto tempo de prova íamos fazer e esbocei um enorme sorriso ao perceber que ia chegar antes das 5h30 de prova como tinha previsto. Mandei uma sms ao Bruno para pôr a máquina fotográfica à mão, pois só faltavam 3K...que parecia que nunca mais acabavam.

jo.png

Eu e o meu companheiro desta aventura

 
Na chegada ainda deu para passarmos 2 raparigas que se enganaram no caminho e consegui ter forças para passar a meta a correr depois de uma subida que parecia que nunca mais acabava. E a chegada à meta é sempre aquele momento "tcharan" em que dizemos "tá feita"! E saber que temos uma cara conhecida à nossa espera é bem motivador.


Em relação à prova e no que toca a pontos positivos destaco a simpatia e disponibilidade da organização (voluntários incluídos), sempre com um grande sorriso e piadas engraçadas, quer ao longo da prova quer na meta. Acho que o facto de existirem apenas 2 abastecimentos podem ter dificultado a vida a algumas pessoas, mas acredito que isto não tenha sido o mais complicado de gerir. Outro ponto positivo foi o sistema de marcação: para mim foi a melhor prova até agora, onde havia uma marcação a cada 20m no máximo. Ah, e adorei a ideia dos puff's que estavam ao pé da meta e que me proporcioanaram um momento de relaxamento maravilhoso.


No que toca aos pontos negativos acho que, devido à previsão do estado do tempo, deviam ter arranjado um spot coberto junto à meta para quem estava à espera dos atletas (eu usei o material que era obrigatório e que me protegeu do frio enquanto esperava pela Bo e pela Liliana). Mas não considero isto um ponto tão negativo.

chegada.jpg

A chegada à meta...finalmente a sorrir :)


Em relação aos agradecimentos, que dizer um grande obrigado a toda a crew do Correr na Cidade que, duma forma ou de outra, me ajudou a superar o meu objectivo; ao staff do Clube VII com quem trabalho diariamente e me tem ajudado a melhorar a minha performance desportiva; à Bo IriK que me contagia com a sua energia logo pela manhã e transformou esta viagem numa grande aventura e ao Bruno que passou a ser o meu coach favorito e que me vai transformar numa melhor corredora...mal posso esperar pela próxima prova. E, desta vez, sem desculpas! Prometo!

Autoria e outros dados (tags, etc)



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia

Nas redes sociais


Somos parceiros:

AzoresTrailRun

Somos Parceiros:

LouzanTrail2016

Somos parceiros:

Girassol_banner



Os nossos treinos têm o apoio:



Logo_Vimeiro

Somos parceiros:

Followruns.jpg



Calendário

Maio 2016

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031